Peter Hook vai vender uma (boa) parte da história dos Joy Division e New Order

Com a venda da Peter Hook Signature Collection vai leiloar-se a guitarra de Ian Curtis, os baixos de Hook e até a famosa mesa da Factory Records. “Senti que algo se tinha quebrado" depois do litígio com os restantes membros das bandas, justifica.

Fotogaleria
Omega Auctions
Fotogaleria
Peter Hook em Paredes de Coura em 2011 Fernando Veludo

Apartado dos colegas sobreviventes dos Joy Division e New Order, Peter Hook vai vender centenas de peças da sua história, mas também da Factory Records e de momentos-chave do punk e da cena de Manchester nos anos 1970 e 80. Um leilão vai pôr à venda, a 2 de Março de 2019, a Peter Hook Signature Collection, da qual fazem parte os baixos que usou em Unknown Pleasures e Closer ou a guitarra de Ian Curtis no vídeo de Love Will Tear Us Apart. E a infame mesa da Factory Records.

“Sempre achei que a colecção de memorabilia deve ser uma coisa do baixista. É sempre o baixista que conduz a carrinha, e parece que é sempre o baixista a coleccionar os artefactos. Para mim é uma forma excelente de mapear o que conseguimos”, diz Peter Hook, citado no comunicado da Omega Auctions.

É uma versão muito mais leve e solar sobre o que envolve a venda de tantos objectos pessoais do que aquela que admitiu à BBC na sexta-feira, contextualizando que depois do desaguisado com os membros sobreviventes de ambas as bandas ter chegado a tribunal o encanto em relação às memórias dos tempos de Manchester se tinha estragado. “Senti que algo se tinha quebrado e pensei ‘está na altura de largar [os objectos históricos]?’. Pareceu-me a altura certa. Talvez não seja pelos motivos certos, admito”, disse à BBC.

“Os casos judiciais contra os outros [membros dos Joy Division e New Order] não me ajudaram a ver qualquer uma das bandas sob uma luz muito bonita”, disse quando passou já um ano sobre os acordos com os outros músicos. “Desde que comecei a tocar a [nossa] música em 2010, que é a única coisa que estou autorizado a fazer, percebi que as pessoas que me permitem tocar – os fãs – são os únicos que importam.”

Peter Hook fundou os Joy Division em 1976 com Stephen Morris, Ian Curtis e Bernard Sumner e depois do suicídio de Curtis em 1980, formaram-se os New Order com Sumner, Morris e Hook, com a juntar-se-lhes pouco depois Gillian Gilbert. Em 2001 e 2011, Phil Cunningham e Tom Chapman juntaram-se ao alinhamento dos New Order. Hook processou Sumner, Morris e Gilbert por questões de direitos de autor e royalties em 2011. Continua a tocar, desde 2010, com os The Light e interpreta vários temas das duas bandas - estarão em Portugal em Abril para três concertos em Lisboa, Porto e Guarda.

É aos fãs que quer passar parte do legado “histórico” destas bandas, mas também seu e da igualmente histórica editora Factory Records com a qual gravaram. Uma das peças que Peter Hook detém é a famosa mesa da Factory, que pairava na sala de reuniões da editora de Manchester e é uma estrutura de MDF laranja suspensa por cabos de aço. A sua história está tanto imortalizada em várias cenas do filme 24 Hour Party People – “30 mil libras por uma merda de uma mesa?!” - quanto no resumo do seu descritivo no catálogo da Factory Records: “Desenhada por Andy Woodcock & Ed Jackson. Partida pelos Happy Mondays”.

Mas o grosso do leilão é mesmo o conjunto de instrumentos musicais, letras, vinis e posters raros ou mesmo peças únicas, que espelham, mais do que a carreira das duas importantes bandas, um pedaço da história do universo e do momento que elas, e depois Hook, atravessaram. O seu primeiro baixo, uma réplica da Gibson EB-0 que comprou um dia depois de ter visto os Sex Pistols tocar em Manchester, um concerto essencial e inspirador em 1976 cujo bilhete também será leiloado. “Só sabia que queria ir-me em embora e juntar-me ao circo”, disse sobre a sensação após o concerto que terá lançado mil aspirações e carreiras musicais. “Johnny Rotten tinha-me mostrado o caminho”, disse à BBC. Tocaria com esse instrumento nos Warsaw e depois em An Ideal for Living (1978), o EP de estreia dos Joy Division.

“Pedi dinheiro emprestado à minha mãe. Bernard [Sumner] disse-me ‘compra uma guitarra baixo porque eu tenho uma guitarra’. Eu não sabia a diferença.” Foi com o mesmo baixo que escreveu para Unknown Pleasures (1979), o álbum seminal dos Joy Division, nascidos logo em 1976. O baixo será posto à venda por um preço base de licitação de 4577 mil euros e a guitarra-baixo de seis cordas Shergold Marathon feita à medida que usou no álbum Closer, o segundo e último dos Joy Division, também irá à praça. Há ainda uma réplica da guitarra Vox Phantom que Ian Curtis usa no vídeo de Love Will Tear Us Apart entre as cerca de 300 peças à venda.

Antes do leilão, a 2 de Março do próximo ano, terão lugar pequenas exposições de algumas das peças, em Utrecht, na Holanda (de 16 a 18 de Novembro) e na sede da leiloeira em Newton-Le-Willows, no Reino Unido, no final de Fevereiro do próximo ano. Parte das receitas da venda reverterão para duas instituições ligadas à saúde mental e à doença de que sofria Curtis, a Calm e a Epilepsy Society, em memória do vocalista.