Global Media atrasa subsídio de Natal por problemas de tesouraria

Investimentos em novos projectos que não tiveram o sucesso esperado pode ajudar a explicar situação financeira.

Foto
A emblemática sede do DN na Avenida da Liberdade, em Lisboa, foi vendida e transformada em apartamentos PÚBLICO

Problemas de tesouraria estão na origem de uma decisão do grupo Global Media, que inclui o Jornal de Notícias, o Diário de Notícias e a rádio TSF, de adiar o pagamento do subsídio de Natal.

Num e-mail enviado esta sexta-feira aos trabalhadores, a direcção de recursos humanos do grupo explica que 2018 se tem revelado um ano adverso para o negócio da comunicação social, “tanto no que respeita a circulação como no investimento publicitário em imprensa escrita e rádio”, situação que teve “evidente impacto na situação económico-financeira da empresa e em particular na tesouraria”.

Na sequência disso, a Global Media decidiu pagar os salários correspondentes ao 13.º mês apenas na primeira quinzena de Dezembro, e não juntamente com os ordenados de Novembro, como é habitual. “Respeitando o previsto no Código do Trabalho, o subsídio será pago até ao final da primeira quinzena de Dezembro, com crédito nas contas dos trabalhadores até ao dia 14”, promete a direcção de recursos humanos. Quem optou por receber metade desta parcela salarial em duodécimos não verá a situação alterada: o pagamento será feito logo no final deste mês.

Vítor Ribeiro mantém-se como CEO

Contactada pelo PÚBLICO, a administração da Global Media não quis prestar esclarecimentos sobre o assunto, numa altura em que a estrutura dirigente do grupo sofreu algumas alterações.

Na semana passada, na reunião de accionistas, foi decidido que Paulo Rego - que representa o accionista macaense KNJ, com 30% do grupo - passaria a administrador não-executivo, saindo assim da comissão executiva. Esta sexta-feira, o Meios & Publicidade avançou que Rego deixará de ser vice-presidente da Global Media. Vítor Ribeiro mantém-se como CEO. 

Já Afonso Camões, que era director editorial do Jornal de Notícias, passou no final de Setembro a director-geral de conteúdos da Global Media, tendo sido substituído nas anteriores funções por Domingos de Andrade.

Na origem dos problemas de tesouraria do grupo poderá estar o lançamento de novos projectos, nem todos eles ligados aos media, que não tiveram o sucesso esperado?. “Alguns não chegaram sequer a arrancar, mas implicaram investimentos vultuosos. Um desses casos é um negócio ligado às apostas. Outro, que arrancou e envolveu grande investimento, é uma plataforma com conteúdos vídeo, o V Digital. 

Numa tentativa de redução da despesa, o Diário de Notícias passou no Verão passado a ser um jornal digital, à excepção dos domingos, dia em que ainda subsiste a edição em papel. A sua emblemática sede na Avenida da Liberdade, em Lisboa, foi vendida e transformada em apartamentos.

Porém, fontes do grupo garantiram ao PÚBLICO que, apesar da intenção de cortar custos no Diário de Notícias, a despesa neste jornal aumentou com as alterações a que foi sujeito. Com Pedro Sales Dias