Burlões "mascarados" de Elon Musk roubam 130 mil euros no Twitter

Criminosos tomaram controlo de contas de três empresas na rede social Twitter e transformaram-nas em falsos perfis do fundador da Tesla, através do qual terão levado centenas de utilizadores a fazer depósitos em bitcoin.

Foto
Elon Musk teve o seu nome e rosto abusivamente utilizados no esquema fraudulento Reuters/Joe Skipper

Pelo menos três contas no Twitter foram pirateadas e rebaptizadas com o nome do fundador da Tesla, Elon Musk, e posteriormente utilizadas numa burla que terá custado mais de 130 mil euros a centenas de utilizadores daquela rede social. Uma das contas usurpadas foi a da editora Pantheon Books (uma conta autenticada que exibia o respectivo símbolo azul atribuído pelo Twitter a utilizadores com identidade verificada), à qual foi alterado o nome e a fotografia de perfil, e através da qual foram replicadas mensagens de Musk para criar a ilusão de que se tratava da conta do empresário.

A burla consistia na publicação de uma mensagem falsa atribuída a Musk, em que o empresário estaria supostamente a dar 10.000 bitcoins (uma criptomoeda) a quem depositasse entre 0,1 (565 euros) a duas bitcoins (11.300 euros) numa conta indicada. No espaço de poucas horas em que o perfil falso esteve activo, os burlões arrecadaram o equivalente a 131 mil euros através de 326 transacções.

As mensagens falsas, que foram replicadas por centenas de utilizadores, foram entretanto apagadas e o Twitter disse estar a trabalhar para restaurar a conta original da editora Pantheon Books.

O mesmo ataque foi repetido através das contas oficiais das lojas de roupa da Malatan e da filial britânica da editora Pathé: “A conta de Twitter da Pathé UK foi pirateada esta manhã por terceiros de identidade desconhecida. Foi publicada uma série de tweets não autorizados pelos quais pedimos desculpa. O problema foi resolvido e já controlamos a conta novamente".

O golpe não é inédito. Um ataque semelhante tinha já sido feito através da conta do canal Fox no Twitter, mas então era utilizada a identidade de Justin Sun, fundador da empresa Tron, em vez de Elon Musk.

Em Março, o Twitter anunciou estar a tentar travar um número crescente de burlas relacionadas com bitcoins e outras criptomoedas e perpetredas através da usurpação do nome e da imagem de personalidades internacionais. Nessa altura, Elon Musk já era um dos principais visados: uma das contas falsas com o nome de Musk pedia aos seus seguidores para depositar uma pequena quantia da moeda virtual ether a troco de um generoso reembolso. “Só durante o dia de hoje, decidi doar 3000 ETH [cerca de 1,9 milhões de euros] aos meus fãs. Basta enviarem entre 0,5 a 4,0 ETH para a minha conta e devolvo entre 5-40 ETH”, lia-se na mensagem fraudulenta.

Em Junho, a rede social anunciou novas medidas contra fraudes e mensagens de ódio. “O nosso sistema identificou semanalmente mais de 9,9 milhões de contas potencialmente automatizadas ou que envism spam”, referia o Twitter num relatório na altura.