Palavra ao #MeToo no Dacota do Norte

A senadora Heidi Heitkamp, do Partido Democrata, tinha tudo para manter o lugar nas eleições desta terça-feira. Mas o seu voto contra a nomeação do juiz Brett Kavanaugh veio baralhar as contas.

Heidi Heitkamp foi eleita em 2012 por menos de 3000 votos
Foto
Heidi Heitkamp foi eleita em 2012 por menos de 3000 votos DR

O caminho do Partido Democrata para recuperar a maioria no Senado já estava cheio de obstáculos, a começar pela desproporção no número de lugares que tem de defender esta terça-feira em comparação com o Partido Republicano.

Como os mandatos de seis anos dos 100 senadores não começam nem acabam todos na mesma altura, desta vez estão em jogo apenas 35 lugares – e o Partido Republicano apenas tem de se defender em nove deles. 

Na prática, o Partido Democrata precisa de acabar a noite eleitoral com mais dois senadores do que o Partido Republicano se quiser ficar em maioria no Senado.

Numa conta simples, se os seus 26 senadores que vão esta terça-feira a votos vencerem todas as corridas, ainda será necessário derrotar dois senadores do Partido Republicano dos nove que estão em jogo – uma tarefa quase impossível, a menos que a afluência às urnas seja de tal forma avassaladora que faça das sondagens um exercício inútil.

É aqui que entra a senadora do Partido Democrata no Dacota do Norte, Heidi Heitkamp – uma das candidatas que tem de vencer para que o seu partido mantenha o sonho de ganhar lugares ao Partido Republicano no Senado.

Heitkamp é uma figura com muito prestígio no Dacota do Norte, e foi eleita em 2012 não por ser do Partido Democrata, mas apesar de ser do Partido Democrata. Num estado que deu 63% dos votos a Donald Trump em 2016, um candidato do Partido Democrata com uma agenda semelhante às dos candidatos da Califórnia, por exemplo, teria muito poucas hipóteses de triunfar.

Prova disso é que Heidi Heitkamp é uma das senadoras do Partido Democrata que mais vezes vota a favor das propostas de Donald Trump. E, em Dezembro de 2016, foi chamada para uma conversa na Trump Tower com o então recém-eleito Presidente, entre notícias que a davam como uma possível escolha para secretária da Agricultura ou da Energia.

O prestígio e a moderação de Heitkamp, somados à relação mais ou menos pacífica com Donald Trump, compensavam o facto de se apresentar como candidata do Partido Democrata no Dacota do Norte.

Mas tudo isso mudou há precisamente um mês, no dia 6 de Outubro – o dia em que Heidi Heitkamp votou contra a nomeação do juiz Brett Kavanaugh, em nome de um estado onde mais de 60% dos eleitores queriam vê-lo no Supremo Tribunal.

Desde então, as sondagens têm mostrado que o seu rival do Partido Republicano, Kevin Cramer (um fervoroso apoiante de Trump e Kavanaugh), disparou na liderança, pondo em perigo a manutenção de Heidi Heitkamp no cargo.

Falta saber se a escassez de sondagens no Dacota do Norte e uma possível subida da participação das mulheres nas eleições, em defesa do voto de Heitkamp no Senado contra Kavanaugh, estão a esconder uma reviravolta que a candidata do Partido Democrata já protagonizou em 2012. Nesse ano, Heitkamp chegou ao dia das eleições atrás do seu adversário do Partido Republicano, Rick Berg, e acabou por vencer com uma vantagem de apenas 2936 votos em 322 mil.