Praça do Comércio vai ter acesso automóvel condicionado. EMEL investe em telenovelas

Plano de Actividades da EMEL para 2019 prevê conclusão do Elevador da Sé, aumento de lugares para motas e melhoria da imagem pública da empresa.

Foto
Margarida Basto

Se um dia destes estiver a ver a telenovela e de repente uma personagem aparecer a dizer qualquer coisa positiva sobre a EMEL, não se admire. A Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa vai apostar na “activação de branded content, através de envolvimento com a ficção nacional”. Isso mesmo consta do Plano de Actividades para 2019, aprovado há poucos dias na câmara.

A aposta na comunicação – que se traduz também numa campanha comemorativa dos 25 anos de existência e na reorganização da forma como a EMEL fala com os clientes – nasce da constatação de que “a empresa é percepcionada sobretudo na sua vertente punitiva do mau estacionamento, havendo pouca consciência dos benefícios que a sua actividade traz à cidade”, lê-se no documento. “A componente de Mobilidade precisa de ganhar força na imagem que os cidadãos e cidadãs fazem da empresa”, escreve a administração, liderada por Luís Natal Marques.

No plano, a EMEL revela que vai criar uma zona de acesso automóvel condicionado (ZAAC) na Praça do Comércio, à semelhança das que já existem no Bairro Alto e Alfama, embora ela não seja mais detalhada. “A EMEL está já em condições de desenvolver, ao longo de 2019, um projecto-piloto que visa a instalação e operação de uma nova solução de controlo de acessos na nova ZAAC da Praça do Comércio, e que permitirá observar e avaliar em pleno funcionamento a adequação da nova tecnologia”, diz o Plano de Actividades. Este projecto tem um custo de 600 mil euros no próximo ano.

Em 2019 a EMEL quer abrir um posto de atendimento no Mercado 31 de Janeiro, aumentar o número de fiscais e de reboques, aumentar em 20 mil os lugares tarifados para automóveis e em 600 os lugares para motas. A empresa espera ainda pôr o Elevador da Sé a funcionar.