Portuguesa torna-se na primeira mulher a liderar a Juventude Popular Europeia

Lídia Pereira é a única candidata a um mandato de dois anos. Reconhece a ascensão dos populismos, mas fala de “tempos desafiantes para o centro-direita”.

Foto
DR

É uma ilustre desconhecida da política portuguesa, mas prepara-se para assumir a liderança da Juventude do Partido Popular Europeu (YEPP, na sigla inglesa). Lídia Pereira é a única candidata à presidência da organização europeia de jovens de centro-direita, que se reúne em congresso neste sábado, em Atenas.

Aos 27 anos, Lídia Pereira sucede ao romeno Andrianos Giannou, de quem é vice-presidente, com o lema “together we go further” (juntos vamos mais longe) e torna-se na primeira mulher a liderar a YEPP. Ao PÚBLICO, a jovem de Coimbra que vive em Bruxelas refere que terá como prioridades “o futuro do trabalho, a Europa digital e as alterações climáticas”. Reconhece a ascensão dos populismos como um problema e fala de “tempos desafiantes para o centro-direita”.

Estudou Economia na Universidade de Coimbra, seguindo depois para o Colégio da Europa, na Bélgica, para o mestrado em Estudos Europeus. Aos 27 anos, vive e trabalha como consultora em Bruxelas, depois de dois anos no Luxemburgo. O envolvimento na política começou antes, nos tempos de faculdade, aos 20 anos, com a entrada na Juventude Social Democrata (JSD), tendo chegado a "vice" da estrutura distrital de Coimbra da jota. Também na JSD, chegou a dirigir o gabinete de relações internacionais quando Cristovão Ribeiro Simão era o presidente.

Lídia Pereira admite que “foi um percurso anormal”, o caminho para chegar à presidência de uma estrutura que se reúne de três em três meses e representa 1,5 milhões de jovens de centro-direita em toda a Europa.

Nas cerca de 60 juventudes partidárias de 40 países da Europa, cabem organizações de vários perfis, das portuguesas JSD e Juventude Popular, ao Fidelitas, a juventude do Fidesz, partido de Viktor Órban no poder na Hungria, que tem vindo a ser acusado de deriva autoritária, e de uma postura anti-refugiados e eurocéptica.

“A nível político, são tempos desafiantes para o centro-direita”, considera, “que precisa de reencontrar o seu foco”. Nesse campo, acrescenta, “a juventude tem um papel preponderante”. Entende que o YEPP tem organizações “mais desafiadoras nos valores europeus”, mas que deve haver “um processo de reflexão” e não “uma posição fechada”. Apesar das políticas defendidas por “partidos associados a populismos”, Lídia Pereira entende que “há margem para o diálogo”. E, não se colocando a questão de o Partido Popular Europeu expulsar o Fidesz, nas suas juventudes isso também não é uma questão. “Não quero tomar nenhuma posição de iniciar o processo de expulsão” enquanto “não houver do partido mãe uma posição mais musculada”.

Sobre as alterações climáticas, entende que a “Europa tem de ter um papel líder no contexto global”. Também no trabalho, refere que a juventude deve ter “acesso a formação de qualidade que lhe permita enfrentar os desafios” profissionais, face a “uma alteração do paradigma do contrato social”. Para a juventude, quer garantir “que toda a gente tem acesso ao programa Erasmus”, uma vez que “só assim se consegue sensibilizar” para uma ideia de comunidade europeia “que em alguns países ainda não é tão vincada”.

Parte do trabalho da YEPP passa por se reunir “com os altos responsáveis pelos cargos europeus e eurodeputados” para “tentar influenciar a política europeia e a produção legislativa no Parlamento Europeu”, explica. O primeiro passo do mandato de dois anos da portuguesa é dado já a 7 e 8 de Novembro, em Helsínquia, onde participa na congresso do Partido Popular Europeu.