Matosinhos com orçamento de “continuidade” aposta em 2019 na Educação e Habitação

A autarquia investirá cerca de 25 milhões de euros na requalificação do parque escolar e do parque habitacional do concelho.

Foto
A presidente da câmara de Matosinhos, Luísa Salgueiro Paulo Pimenta

Com duas abstenções dos vereadores de António Parada, Sim! e um contra do PSD o Plano de Actividades e Orçamento de Matosinhos para 2019 foi aprovado por maioria esta terça-feira nos Paços do Concelho com oito votos a favor.

Para o próximo ano está estimado que a autarquia disponha de um orçamento no valor de 106 milhões de euros, menos 3 milhões do que este ano, sendo que 66% resulta de receitas próprias, arrecadadas por impostos directos.

Aos jornalistas, a presidente da câmara, Luísa Salgueiro, anunciou ainda que a capacidade de endividamento está nos 66%, o que numa situação limite permitirá à autarquia utilizar mais 20 milhões de euros numa situação de emergência.

As despesas correntes – 85 milhões de euros – aumentam em relação ao ano passado (79 milhões), por força de encargos com pessoal, que decorrem da alteração da legislação na matéria das progressões na carreira e de mais trinta novas contratações para a Polícia Municipal.

Grande aposta para o próximo ano serão os investimentos em equipamentos nas áreas de Educação e Habitação – cerca de 25 milhões de euros. Aproximadamente 15 milhões estão destinados para a requalificação das escolas da Boa Nova, Abel Salazar, Barranha, Agudela, Godinho e Amieira.

Cerca de 10 milhões serão canalizados para obras de requalificação nos bairros dos Pescadores, Moalde, Seixo, Biquinha, Carcavelos e Custóias.

Na Acção Social (5 milhões de euros) destaca-se o investimento no arranque do Plano Municipal de Saúde, em todas as suas áreas de funcionamento, nomeadamente para a Bolsa de Cuidadores Informais e para a introdução da Tarifa Social da Água.

Para a Cultura estão reservados cerca de 5 milhões, sendo que as prioridades do próximo ano são a abertura do Museu de Matosinhos que será integrado na Rede de Museus do concelho, a Bienal de Design, que será realizada em parceria com a câmara do Porto, e a continuação da programação da Casa da Arquitectura.

No pelouro do Ambiente os investimentos de maior relevo serão realizados no reforço da recolha de resíduos porta-a-porta e na ampliação do parque ambiental de São Gens, em Custóias, na execução do primeiro troço do corredor Verde do Rio Leça, entre Ponte da Pedra e Ponte das Barcas, e na construção do Centro de Bem-estar Animal.

Na matéria da Mobilidade e Transportes, destaca-se a nova concessão da rede de transportes colectivos do concelho em 2019. “Este é um orçamento ajustado às nossas necessidades”, afirma Luísa Salgueiro, que sublinha ser resultado de um trabalho de “continuidade”.