Opinião

Nós, as elites, não percebemos nada de nada

O eleitorado está-se a borrifar para aquilo que as elites lhe mandam fazer. Daí Trump. Daí Bolsonaro. Daí tantas lágrimas à minha volta.

Eu sei que muitos dos defensores portugueses do voto em Haddad estavam a ser bem-intencionados e sinceros. Sei que mesmo que Bolsonaro se venha a revelar um Presidente menos imprestável e fascista do que prometeu, a mera existência da sua linguagem racista, homofóbica e violenta é uma afronta à boa convivência democrática. Sei também que cada vitória de um líder autocrático no mundo representa mais um retrocesso no campo das democracias liberais.

Mas também sei isto: as elites artísticas, intelectuais e jornalísticas têm de meter na cabeça de uma vez por todas que a sua influência sobre o povo, na hora do voto, é nula. Que os seus poderes de mediação e de persuasão, na era das redes, evaporaram-se de vez. Que ter escritores, comentadores, historiadores, músicos ou jornais a criar vídeos, e manifestos, e hashtags, e editoriais, e o diabo a quatro, onde do alto da sua imensa sabedoria tentam explicar ao povo brasileiro (como já haviam tentado explicar ao povo americano) em quem ele deve votar, é uma ridícula figura, por uma razão muito simples – aquele voto, o voto de dezenas de milhões de brasileiros e de norte-americanos, também é contra nós.

Quando eu digo “contra nós” refiro-me a uma elite privilegiada, da qual eu próprio faço parte, e que ao longo dos séculos se convenceu de que a sua missão no mundo era desempenhar o papel social de porta-voz das minorias, dos descontentes, dos pobres, dos oprimidos, e que através desse movimento foi valorizando o seu próprio papel no mundo, assumindo-se como proprietária da boa consciência da humanidade, e acreditando que existia uma linha inquebrantável com o povo sofredor, que ela compreendia como ninguém.

Só que já lá vai o tempo em que George Orwell vivia com os vagabundos para escrever Na Penúria em Paris e em Londres. A ascensão social de quem domina os lugares da fala afastou as elites intelectuais do povo, e o povo já não precisa das elites intelectuais para falar. Tem o Facebook. As pessoas gostam das canções do Chico e do Caetano, mas estão-se nas tintas em quem eles votam. As pessoas gostam do humor de Gregório Duvivier, mas são pouco sensíveis à sua pregação política. As pessoas gostam dos livros de Raduan Nassar, mas ele tem mais influência sobre as suas galinhas do que sobre o voto dos brasileiros.

E ainda bem. Nós, as elites, olhamos para americanos ou brasileiros como sendo pobres de espírito dominados por Donald Trump e Jair Bolsonaro, mas a verdade é que há cada vez mais indícios do contrário: são os americanos e os brasileiros que usam Trump e Bolsonaro para chegar onde querem, seja o combate à imigração, o combate à corrupção ou a “defesa da vida”.

Quando nós vemos os blocos evangélicos a votarem maciçamente nessas figuras, será pelo seu exemplo cristão? Donald Trump levou uma vida de absoluta devassidão (para utilizar linguagem bíblica), que nenhum pastor se atreveria a recomendar à mais negra das suas ovelhas. Jair Bolsonaro vai na terceira mulher, sendo que a actual já tinha uma filha de uma relação anterior (o que também não encaixa no perfil do macho latino cavernícola).

Trump e Bolsonaro não são exemplos para ninguém, nem sequer para quem vota neles. Mas servem um propósito – abanar o sistema de alto a baixo. A esquerda gosta tanto de falar de empoderamento, pois aqui está ele: o eleitorado está-se a borrifar para aquilo que as elites lhe mandam fazer. Daí Trump. Daí Bolsonaro. Daí tantas lágrimas à minha volta.