No Ponto: Fogaça, Alcochete

Regularmente, a Fugas divulga um vídeo novo sobre um doce diferente.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Tal como outras fogaças que existem em Portugal, as fogaças de Alcochete estão ligadas à religião. Reza a lenda que os pescadores da zona de Alcochete, num certo dia, passaram uma grande tormenta no mar, durante a qual pediram protecção à Virgem Santíssima. Salvos, resolveram agradecer a ajuda divina rumando a uma capela no monte da Atalaia, perto de Alcochete. Na romaria levavam uma miniatura da sua embarcação e fogaças que criaram em especial para a oferenda.

Esta é a história que na região todos conhecem e que me foi contada por Lígia Coelho, da Padaria Popular. São muito simpáticos neste estabelecimento e conhecem bem a arte. Lígia descende de padeiros, está há anos nisto e sempre ouviu esta história sobre as fogaças. Agora, passou a decorrer no Domingo de Páscoa o chamado Círio dos Marítimos, que reproduz a lenda da romaria e que termina num leilão de fogaças para recolha de fundos. Felizmente, o doce está disponível durante todo o ano nas padarias locais, com diferentes tamanhos. Compram-se e ficam para vários meses, se não as comermos logo.

A Doçaria Portuguesa

Cristina Castro criou o projecto No Ponto para registar e dar a conhecer os doces do país. Tem vindo a publicar a colecção A Doçaria Portuguesa, "os mais completos livros sobre a história e actualidade dos doces de Portugal". A investigação para este trabalho levou a autora a viajar por todos os concelhos em busca de especialidades doceiras. A partir da oportunidade de ver como se faz, de falar com quem produz, de conhecer vidas, histórias e tradições associadas à doçaria, surgiram os vídeos que desvendam um pouco de cada doce. Regularmente, a Fugas revela um vídeo novo sobre um doce diferente.

PÚBLICO -
Foto