Torne-se perito

Um retrato (cada vez mais) norte-americano das nossas escolas

Transformar um castelo num cenário de Halloween, chegar de limusine ao baile de finalistas, trabalhar a imagem para vencer a associação de estudantes: há traços da influência cultural norte-americana, trazida por filmes, séries, jogos e música, nas escolas portuguesas.

Foto
Paula Gerardo com o filho Tomás, de nove anos: esta família de Lisboa já não passa sem o Halloween Miguel Manso

Foi por influência da criança lá de casa que, para a família de Paula Gerardo, o 31 de Outubro deixou de ser uma véspera de feriado como as outras. De há quatro anos para cá é “um delírio”. Caixões que são bolos de chocolate, pizzas-fantasma, salsichas em forma de dedo, hambúrgueres nos quais são espetadas seringas. As teias, os morcegos e as vassouras saem das paredes; este ano até há uma máquina de fumo. E a imaginação não tem rédeas. Nem no jantar, nem na decoração da sala, tampouco na hora de sair à rua na noite de Halloween, pelo Parque das Nações, em Lisboa, para interrogar os vizinhos: doce ou travessura?

Tomás, de nove anos, foi o mentor. Aos cinco anos, via os miúdos da janela e também queria ir de porta em porta. Tinha o imaginário da celebração norte-americana todo na cabeça, por influência dos desenhos animados, dos jogos, do que fazia no infantário. A mãe, Paula, começou a ir com ele. E outras mães juntaram-se. Uma encarrega-se das decorações, outra da culinária, outra da maquilhagem. “E cada vez é mais a sério”, diz esta enfermeira de 50 anos que, sempre adepta de festas – desde os tempos em que brincava aos santos populares com a mãe no Ribatejo –, começa já este domingo a decorar a sala.

Na quarta-feira à noite, Tomás já sabe que vai vestido de “esqueleto fantasma”, em alternativa ao habitual Darth Vader, da Guerra das Estrelas. A mãe já não lhe “consegue vestir um fato de príncipe ou Robin dos Bosques”. E esta é uma imagem simbólica da forma como o universo infantil e juvenil português se apropriou daquilo que está na montra cultural norte-americana. A começar pelas escolas.

A influência está lá há algum tempo e ganhou força nos últimos anos, à boleia do acesso quase transversal a filmes, séries, jogos e música feitos do outro lado do Atlântico ou inspirados na mesma estética. “Os miúdos já não estão a importar nada de lado nenhum. Estas influências estão em todo o lado, numa conjugação de fontes”, diz Paula Gerardo.

“Muitos miúdos nem têm consciência da origem. É uma influência instalada”, diz também a professora Maria José Belinha. De tal forma que, em meia dúzia de anos, “a festinha confinada a bolinhos e abóboras” que se fazia na Escola Básica e Secundária Coelho e Castro, em Fiães – a 11 quilómetros de Santa Maria da Feira –, “americanizou-se ainda mais”. Os alunos desta professora de animação sociocultural foram espicaçados a fazer algo maior, a encenar “lugares assombrados”. Primeiro, a câmara disponibilizou-lhes um edifício abandonado no centro da cidade; no ano seguinte ocuparam a antiga escola de hotelaria. E há três anos deram o salto para o castelo.

Nas noites de sábado e quarta-feira estão lá recriados um hospital e um cemitério assombrados, um covil de feiticeiros, um circo e um freak-show. Exploraram-se contos e lendas anglo-saxónicas. Há bruxas, feiticeiras e fantasmas no paço, aves e repteis na masmorra. “É um espectáculo arrojado”, diz a professora, o que faz com que a festa de Halloween pensada para as escolas receba “milhares de visitantes”. Este é, aliás, o evento organizado pelos 60 alunos do curso de animação sociocultural “mais relevante do ano”, feito em parceria com o Projecto Alquimia, uma espécie de incubadora de projectos artísticos também nascida na escola de Fiães.

Lógicas de mercado

Na maioria das escolas, incluir o Halloween e o Dia dos Namorados no plano de actividades já é tão óbvio como o magusto ou a festa de Natal. Começa-se logo no infantário e não passa ao lado das escolas católicas, onde, diz o secretário-geral da Associação Portuguesa de Escolas Católicas, Jorge Cotovio, a maioria assinala a data. 

Muitos miúdos vão para casa com a tarefa de decorar uma abóbora ou fazer um poema de amor. Enfeitam-se as salas, há desfiles de disfarces, concursos de caldeirões ou de postais, sessões de cinema, discos pedidos nas rádios, música e dança nos intervalos. Quase sempre por iniciativa dos professores de inglês.

Também há festas propriamente ditas, muitas para angariação de fundos. E, sobretudo, organizadas por alunos. É o que acontece no Liceu Camões, em Lisboa. A já habitual decoração inspirada na cinematografia norte-americana da festa de Halloween tem, este ano, elementos de The Nun, filme de terror de Corin Hardy. E é costume trocarem-se cartas no Dia de São Valentim, diz David Pinto, do Movimento Camões, criado há quatro anos para dinamizar actividades na escola.

Há outras influências do universo cultural mainstream norte-americano a ganhar protagonismo. As festas de pijama são um exemplo, como forma de festejar um aniversário ou juntar crianças ao fim-de-semana. É uma forma de Inês Parada, de 12 anos, estar com amigas fora da escola e reproduzir aquilo que vêem em filmes e séries: "Jogamos vários jogos – Just Dance e Monopólio, por exemplo –, conversamos, cantamos karaoke." A tendência é reflectida em blogues e revistas para pais, o que tem aliciado as marcas a trabalhar esse cenário. Também os anuários e livros de curso, onde se recordam os momentos mais marcantes do percurso académico e são uma longa tradição das escolas norte-americanas, figuram nas promessas de campanha das associações de estudantes.

Sofia Marques da Silva, investigadora da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto, estuda as culturas juvenis há mais de uma década e vê o mercado como “o grande promotor desta apropriação muito rápida” – uma lógica com origem nos anos 60, sempre associada às culturas juvenis mainstream, e agora potenciada por novos e velhos media.

Mas a investigadora tem dúvidas sobre quem está, afinal, a decidir o que é moda e o que não é. “Acho que os jovens, principalmente as crianças, têm pouco controlo sobre aquilo que determina algumas das suas opções e algumas das suas acções. Quem está a dominar este processo é muito mais o mundo adulto, que é quem tem o poder de dizer o que está na moda e o que não está”, considera.

Sem pôr em causa a boa intenção, vê que muitas “escolas, muito provavelmente de forma inconsciente, acabam por alimentar estas lógicas de mercado”. “Estão a socializar pequenos consumidores. Para além do stress que imputam às famílias – às mães, principalmente”, considera. Isto deve exigir dos professores cuidado nos eventos que organizam e na forma como os promovem: “O baile de finalistas, por exemplo, pode ser um desfile de desigualdades.”

Descontos e ofertas

Quando se fala do crescimento dos eventos, os bailes de finalistas – à imagem e semelhança dos cinematográficos proms – têm passado por uma espiral alucinante. Alguns exemplos: facilmente os vestidos entram no campo das centenas de euros, a marcação na cabeleireira é feita com meses de antecedência e já há empresas a disponibilizar helicópteros – ou limusines – para levar os finalistas.

A exigência e atenção ao detalhe são cada vez maiores. E este é, para muitos finalistas, o dia mais aguardado do ano.

PÚBLICO -
Foto
João Grego criou a Charm, uma empresa de organização de bailes de finalistas na zona da Grande Lisboa Daniel Rocha

Mas não foi há tanto tempo assim que os bailes se resumiam a jantares no pavilhão da escola. Quando João Grego era presidente da associação de estudantes numa secundária no Cacém, o baile acabava à meia-noite. Estava-se em 2004 e pela primeira vez fazia-se o jantar numa quinta. “Hoje em dia estamos a falar de um evento com welcome drink, sessão fotográfica com fotógrafos profissionais, um jantar de gala e uma festa que dura até às 4h/5h” da madrugada, explica.

Depois de organizar o baile do seu ano de finalista, João começou a ajudar noutras escolas, até perceber que tinha trabalho a mais para uma pessoa só. Já licenciado em gestão, criou a Charm, uma empresa de organização de bailes de finalistas na zona da Grande Lisboa. Este ano, entre Maio e Junho, fizeram 32 eventos para um total de 6000 pessoas, onde se incluem professores e pais. Há escolas onde adere a família toda.

No dia do evento, a equipa de seis funcionários efectivos cresce até aos 18. Tratam de tudo: da decoração à eleição do rei e rainha do baile. João Grego demonstra também como este terreno se tornou fértil para as marcas. Tem parcerias que permitem aos estudantes ter descontos na compra de um fato, de um carro ou na carta de condução. Os melhores penteados ou vestidos podem valer bilhetes para festivais de Verão, mediante votações em redes sociais.

Na Guarda, o baile de finalistas “é o evento do ano”, diz Margarida Logrado, de 17 anos, que preside à comissão que organiza este ano o baile da Escola Secundária Afonso de Albuquerque. Os bilhetes, conta, vendem-se à porta da escola e numa semana voam mais de 2000. Qualquer pessoa pode ir e as famílias e antigos alunos aderem em peso. E quando Margarida foi, este mês, agendar a maquilhagem para o evento que acontece em Abril já só tinha uma hora disponível – às 14h.

Aulas de valsa e campanhas

Dada a dimensão do acontecimento, os 18 alunos que integram a comissão de finalistas têm vários meses de trabalho pela frente. Já têm artistas contratados para actuar e a corrida às “figuras de renome do rap e da pop portuguesas” está ao rubro. Isto porque na outra secundária da Guarda, a da Sé, o espírito é o mesmo.

Em breve começam também as aulas de valsa para os finalistas das duas escolas. Durante quatro meses, duas vezes por semana, dezenas de pares ensaiam com uma professora de dança.

E cada vez mais o final dos ciclos escolares (também do 9.º e 4.º anos) são motivo de gala. Sílvia Santos começou por achar um exagero quando viu uma limusine em frente à Escola Básica de Monte Largo, em Guimarães, para levar os alunos e o professor da turma à quinta onde fazem uma festa de finalistas. “Depois vi que os miúdos estavam tão felizes que valeu a pena”, diz a coordenadora da escola.

A estética norte-americana também é dominante nas campanhas para as associações de estudantes ou comissões de finalistas. As faixas das listas emolduram os corredores, fazem-se t-shirts, distribuem-se brindes, e, nos intervalos, actuam os youtubers e cantores que as agências de viagens de finalistas ajudaram a contratar. Ganha quem tem mais amigos, a cara mais conhecida, e quem dá (e promete) as melhores festas. “A imagem que se passa também é determinante”, completa Catarina Santos, de 17 anos, que este ano foi eleita presidente da comissão de finalistas no Liceu Jaime Moniz, no Funchal.

Trabalhou para isso desde o final dos exames. No início de Julho, já tinha reservado o local para a primeira festa, a de apresentação da lista, em Setembro. E até ao final do ano a equipa de cinco pessoas terá que organizar uma série de outras, incluindo o baile, para cobrir parte do valor da viagem de finalistas. Exige-lhe muito tempo, é certo, mas já aprendeu a geri-lo. "O que me orgulha é a forma como somos unidos, porque de outra forma não conseguia estar à frente de um projecto tão grande", diz Catarina. "Às vezes, é como nos filmes."

Sugerir correcção