No Ponto: rebuçados de caramelo, Bouça-Cova

Regularmente, a Fugas divulga um vídeo novo sobre um doce diferente.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Na aldeia de Bouça-Cova, concelho de Pinhel, existem uns rebuçados típicos feitos à base de água e açúcar que têm a particularidade de serem prensados com símbolos. Interessante acima de tudo é que a última doceira que ainda faz estes rebuçados de caramelo, a senhora Dolorosa dos Santos, utiliza moldes com símbolos judaicos, que já vêm da sua avó Alexandrina, uma doceira que viveu até aos 102 anos. Dolorosa apenas sabe que assim se fazia e assim aprendeu, mas há decerto neste doce uma história guardada, que deixa entrever um passado sefardita nesta povoação.

Tirando esse importante detalhe, há um paralelo claro entre a história destes rebuçados e a dos conhecidos rebuçados da Régua, por exemplo. É a história de um doce muito simples, barato, feito por mulheres e vendido na rua. Ainda hoje, a senhora Dolorosa frequenta feiras locais onde vende os tradicionais rebuçados de Bouça-Cova.

A Doçaria Portuguesa

Cristina Castro criou o projecto No Ponto para registar e dar a conhecer os doces do país. Tem vindo a publicar a colecção A Doçaria Portuguesa, "os mais completos livros sobre a história e actualidade dos doces de Portugal". A investigação para este trabalho levou a autora a viajar por todos os concelhos em busca de especialidades doceiras. A partir da oportunidade de ver como se faz, de falar com quem produz, de conhecer vidas, histórias e tradições associadas à doçaria, surgiram os vídeos que desvendam um pouco de cada doce. Regularmente, a Fugas revela um vídeo novo sobre um doce diferente.

PÚBLICO -
Foto