Abstenção está estudada. Falta saber ao certo como a reduzir

Na primeira iniciativa do Portugal Talks, que acontece nesta sexta-feira em Cascais, será apresentando um estudo sobre a abstenção e discutidas formas de a combater, em Portugal. O Presidente da República marca presença.

 Há mais portugueses que não se identificam nem se sentem próximos de qualquer partido político
Fotogaleria
Há mais portugueses que não se identificam nem se sentem próximos de qualquer partido político Nelson Garrido
Fotogaleria
Miguel Pinto Luz é o mentor das Portugal Talks Nuno Ferreira Santos

Poderá o voto obrigatório reduzir os níveis da abstenção em Portugal? E o voto remoto através da Internet? E que efeitos terá, por exemplo, a realização de diferentes eleições no mesmo dia? Estas são algumas ideias em debate nesta sexta-feira, em Cascais, no Portugal Talks. As propostas que saírem desta discussão entre políticos e académicos serão enviadas, em Janeiro, à Assembleia da República (AR).

“Os políticos têm vindo a ser confrontados com a abstenção e não têm feito nada. Temos de tomar consciência do fenómeno que não é bom para a saúde democrática do país”, diz o vice-presidente da Câmara Municipal de Cascais, Miguel Pinto Luz e mentor do Portugal Talks, um think-action tank que tem na comissão científica os investigadores Pedro Magalhães e Marina Costa Lobo (Universidade de Lisboa), Nuno Garoupa (George Mason University), e Catarina Santos Botelho (Universidade Católica).

Nesta primeira iniciativa do Portugal Talks, o diagnóstico e o estudo estão feitos, faltam as soluções, ainda em aberto. A ideia é agir: “Queremos propor medidas concretas a nível legislativo à AR e aos partidos, que depois agarram as ideias, se quiserem. Queremos dar um contributo”, sublinha Miguel Pinto Luz, acrescentando que a ideia de avançar com o Portugal Talks e dedicá-lo a questões nacionais nasceu no seio das Conferências do Estoril – os dois eventos serão bienais e alternarão entre si.

E o que diz o estudo, em alguns dos capítulos aos quais o PÚBLICO teve acesso? Que o voto obrigatório ou o voto remoto via Internet são medidas cuja “adopção se afigura pouco plausível a curto prazo no contexto português”, mas que há outras “medidas de alcance mais modesto, mas cujos efeitos podem assim ser significativos”. Entre estas, estão facilitar ainda mais o voto antecipado, por exemplo por via postal – nas próximas eleições, já deverá ser possível antecipar o voto por estar longe da zona de recenseamento, através de uma inscrição no site do Ministério da Administração Interna, indicando o local onde se vai querer votar. As mesas de voto funcionarão nos municípios com mais eleitores de cada comunidade intermunicipal. 

A escola

Outras ideias abordadas no relatório passam por reformas” junto de “segmentos específicos da população”, tais como os jovens e envolvendo as “estruturas do sistema educativo”.Sempre sublinhando que estas propostas não estão ainda fechadas – só acontecerá em Dezembro –, um dos autores do estudo, João Cancela, explica que tipo de acções poderão ser estas: “Refiro-me a programas desenvolvidos na Noruega e na Dinamarca, onde poucas semanas antes de cada acto eleitoral para o Parlamento, há uma eleição simulada em muitas escolas secundárias do país, o que pretende despertar a atenção dos alunos para a política e, igualmente, a dos partidos para as questões mais prementes para os jovens”. O investigador acrescenta: “Há estudos que mostram que os alunos matriculados em escolas que realizam estas simulações se tornam mais propensos a participar em eleições reais subsequentes, o que tem permitido nestes países reduzir o fosso de participação entre jovens e o resto da população.”

Miguel Pinto Luz olha sem receios para os caminhos que o país pode percorrer para combater a abstenção, mesmo que um deles seja o voto obrigatório – o relatório salienta que em países como a Bélgica ou o Luxemburgo, onde existe essa obrigatoriedade, as taxas de participação, entre os eleitores recenseados, rondam os 90%. “Acho que o país tem de estar preparado como um todo para aceitar as [eventuais] medidas”, diz o vice-presidente da autarquia de Cascais.

O estudo não deixa dúvidas quanto à dimensão do problema: “Portugal oferece um exemplo flagrante de crescimento substancial nas taxas de abstenção desde a transição para a democracia”. Por exemplo, “entre 1975 e 2015 a taxa oficial de abstenção nas eleições legislativas galopou de 8,3% para 44,2%”.

PÚBLICO -
Aumentar

Outra tendência notada pelos investigadores é “o aumento progressivo da proporção de portugueses que afirmam não se identificar nem se sentir próximo de qualquer partido político e o modo como este grupo é menos propenso a participar nas eleições”.

Quanto ao que pode explicar a queda de participação em vários países europeus, são referidas algumas razões, apontadas por diferentes autores: “perda de relevância” de sindicatos e partidos; entrada dos mais jovens no universo de eleitores; características das primeiras eleições em que se vota, se forem renhidas, mais hipótese há de se continuar a votar; jovens mais interessados em “petições públicas, participar em manifestações ou a discutir política online”; e voto encarado “cada vez menos como um dever cívico” e mais como um direito.

Ao longo do dia, passarão pela Nova School of Business and Economics , entre outros, a secretária de Estado-adjunta e da Administração Interna, e rostos da academia como Andre Blais; Pedro C. Vicente; Susan Banducci; Pedro Riera; Jorge Pereira da Silva; Mariana Lopes da Fonseca; Andreia Sofia Pinto de Oliveira; Jean-Benoit Pilet; Manuel Meirinho Martins, entre outros.