Arquivo
Foto
Arquivo Reuters

Já está a ser construído o primeiro parque canino do Porto

O Jardim Paulo Vallada (mais conhecido como Jardim das Pedras), no Bonfim, vai ter dois parques onde os cães vão poder andar sem trela. Os espaços estarão prontos no final do ano.

O primeiro parque canino do Porto deverá estar pronto no final do ano. O local escolhido foi o Jardim Paulo Vallada, mais conhecido como Jardim das Pedras, no Bonfim, e as obras começaram esta quarta-feira, 17 de Outubro, avança a câmara. "A experiência poderá ditar a criação de mais equipamentos semelhantes na cidade", lê-se, no portal de notícias oficial do município.

Para já, vão ser criados dois espaços vedados por painéis em madeira onde os animais de companhia vão poder correr livremente, sem trela. Um destinado a cães de grande porte e outro para os de porte pequeno. Cada um dos parques vai ter uma "caixa de areia para que possam escavar", bem como "diferentes equipamentos em madeira que permitem aos animais fazer exercícios em salto, em rampa ou em paliçada, de modo a promover o exercício físico, agilidade e destreza".

O relvado existente vai manter-se e vão ainda ser plantadas árvores e construídos "bancos em betão, bebedouros para humanos e bebedouros para caninos e papeleiras com dispensador de sacos para recolha e deposição de dejectos". As regras de utilização do parque, bem como a lotação máxima, deverão estar " afixadas em painel próprio no local".

Com o projecto, a autarquia pretende "inaugurar a instalação deste tipo de equipamentos no Porto e corresponder a uma ânsia da população de poder ter um local onde possa largar os seus cães em segurança". 

A obra — um investimento de cerca de 40 mil euros — foi adjudicada à ERESERV, empresa de Valbom, e deverá estar concluída dentro de 60 dias. 

Em Fevereiro último, o Partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) entregou à câmara uma proposta-modelo de um parque canino. Além do Jardim Paulo Vallada, Bebiana Cunha, eleita pelo PAN para a Assembleia Municipal do Porto, propôs outros dois locais: a Quinta do Covelo e o Parque Oriental.

A autarquia comprometeu-se, na altura, a avançar com um "projecto piloto", devido ao "aumento do número de animais de estimação na cidade, nomeadamente os cães" e da consequente "necessidade de criar zonas específicas destinadas ao recreio e actividades destes animais, por forma a fomentar a sua saudável e segura permanência no espaço público sem o uso de trela.