“Utilizamos poucas palavras. E sendo mais curto o léxico, também é mais curto o pensamento”

Manuel Monteiro, revisor e formador de revisores, lança um livro que é uma declaração de amor ao idioma. Por Amor à Língua é lançado esta quinta-feira, na Ler Devagar, às 18h30, com apresentação de Fernando Dacosta.

Foto
Manuel Monteiro RUI GAUDÊNCIO

O título não deixa dúvidas: Por Amor à Língua. E o subtítulo também não: Contra a linguagem que por aí circula. E essa é a das redundâncias, dos pleonasmos, dos muito utilizados lugares-comuns, dos estrangeirismos desnecessários, da pobreza vocabular. Manuel Matos Monteiro, que assina Manuel Monteiro, revisor linguístico e formador profissional de revisão de textos, com vários livros publicados nas áreas da literatura e da não-ficção, já escrevera em 2015 um Dicionário de Erros Frequentes da Língua (ed. Soregra), onde se explicava que não se deve escrever atazanar mas atenazar, cartapácio e não catrapázio, ovelha ronhosa e não ovelha ranhosa, em muitos exemplos, alinhados de A a Z. Por Amor à Língua, com chancela da Objectiva (grupo Penguin), já “não é só um repositório de erros”, como ele diz ao PÚBLICO. E “tem um valor menos normativo.”

O livro, que é lançado esta quinta-feira em Lisboa, na livraria Ler Devagar (LxFactory), às 18h30, com apresentação do jornalista e escritor Fernando Dacosta, é uma reflexão, com variadíssimos exemplos práticos, acerca de quão mal se escreve e fala quando se descuida o uso do idioma. E lê-se, logo na capa, que não se deve escrever protagonista principal (risque-se o principal) nem elo de ligação (se é elo já é de ligação, trata-se de pleonasmo) nem sentem-se nos vossos lugares, a construção errada (é sentai-vos nos vossos lugares) que vem de “vossos” ser pronome  que se refere à segunda pessoa do plural e não à terceira, diz Manuel Monteiro. “Os brasileiros estão a recuperar o tu, mas dizem tu sabe, tu viu [como ele sabe, ele viu]; nós fazemos o mesmo, só que no plural: utilizamos pronomes da segunda pessoa do plural [vós/vos/convosco/vossos/vossas] com conjugações da terceira pessoa do plural sabem, viram [como eles sabem, eles viram].”

Isto ocorre porque “a maior parte das pessoas desconhece a conjugação dos verbos” mas também porque o ‘vós’ está a ser abolido, até mesmo em livros escolares. “Faço muito trabalho de revisão com uma editora virada para as escolas e, há poucos anos, comecei a ver uma coisa que na altura me espantou. Eles, nos livros, tinham eu, tu, ele, nós, eles, sem o vós. E já vi livros adoptados pelas escolas onde não está o vós.”

Piores dicionários

Outro exemplo de preguiça é o abuso da palavra líder: “Tudo líderes. E já nem é só nos cargos. O número um de vendas agora é o líder de vendas, nas sondagens é o líder das sondagens, na oposição é o líder da oposição.” Isto dever-se-á ao empobrecimento do vocabulário, também reflectido nos dicionários. “A qualidade dos dicionários actuais baixou, sobretudo na quantidade de palavras e de significados. Os mais antigos têm abonações literárias, têm considerações etimológicas e têm sugestões de como evitar galicismos ou anglicismos. E isso é uma coisa que já não encontramos nos actuais.” O que é mais grave nos dicionários digitais: “Aí já não se distingue as palavras portuguesas das estrangeiras, não há itálicos a assinalar. Às vezes até têm uma seta que remete para a ortografia estrangeira. Por exemplo, stresse, com e, é encaminhado para stress.”

Para Manuel Monteiro, “mais grave do que adoptar uma palavra estrangeira é adoptar uma construção estrangeira. Como o em termos de que vem do in terms of, ou o prévio a, que é o prior to inglês.” Isto é também agravado pela velocidade com que os dicionários digitais registam tais termos. “O Priberam, por exemplo, já tem realizar com o sentido do inglês [dar por, dar conta de, compreender]. As pessoas erram, eles validam e depois as pessoas vão aos dicionários legitimar o disparate. É um círculo vicioso.”

Acordo, nem revisto

Um dos capítulos do livro, com o título “Malfadado Acordo”, é dedicado ao Acordo Ortográfico de 1990, com dezenas e dezenas de exemplos esclarecedores. Como é esclarecedora a posição do autor, expressa na pág. 189: “Que fique escrito a fogo: quem se opõe ao Acordo não deve aceitar uma revisão do mesmo. Não há polimento possível que retoque o que não tem ponta por onde se lhe pegue.” A afirmação não é gratuita, é sustentada numa pesquisa que lhe tomou muitos meses de trabalho, e onde deparou com “aberrações ortográficas” como cocomissário (“é mesmo assim com o acordo”). Tal como um co-réu se transforma em corréu ou um co-mandante em comandante.

A par do Acordo (que o livro não aplica e contra o qual, fundadamente, se insurge), Manuel Monteiro é também reticente em relação ao real proveito das tecnologias. “Esta sociedade tecnológica tem muitas vantagens, mas da mesma forma que há muito mais informação disponível também há menos informação lida. A enciclopédia digital não tem o mesmo rigor da enciclopédia em papel, os dicionários digitais também não. Há tempos surgiu um estudo que me deixou muito curioso. Perguntava-se: ‘É verdade que com a internet as pessoas passaram a ter uma aceitação do ponto de vista dos outros e abalar as suas convicções políticas e de todo o género?’ E a conclusão era ‘não’. Porque as pessoas procuram as coisas que querem reforçar as suas crenças e não o contrário.”

Diversidade vocabular

Para que serve um livro como este, pergunta-se? “Na semana passada, ainda sem ter havido divulgação, o livro estava em sexto lugar nos mais vendidos da Bertrand. Isto é mesmo por amor à língua. Porque é que tenho nas reflexões notas etimológicas? Porque é uma forma de levar as pessoas a entenderem a origem das palavras. Por exemplo: quando descobri a origem da palavra lentejoula (que no castelhano também se escreve com e e não com a, lantejoula) foi um deleite, porque a palavra foi formada por semelhança com uma lente, que tem o étimo em lentilha, e também foi assim chamada por semelhança visual com esta. Há um caudal histórico que chega até lentejoula e é isso que torna a etimologia fascinante. Como fascinante é a diversidade vocabular, a quantidade de palavras, de sinónimos, de significados associados a cada palavra. Utilizamos poucas palavras. E sendo mais curto o léxico, também é mais curto o pensamento. É que quando se usam bengalas e lugares-comuns não se pensa pela própria cabeça.”

Este livro, diz, “destina-se a todos os que tenham nem que seja um vestígio, um embrião de amor à língua. Mas o sonho é que, mesmo os que não tenham grande interesse, possam, através de exemplos, perceber a utilidade e até, quiçá, interessar-se pela língua.” Deu-lhe muito trabalho, sublinha. E deixando um aviso útil: “Não está tudo na Net."