Marcelo andou a arrancar eucaliptos. “Fantochada” ou “pedagogia”?

O que para uns é "uma fantochada", sem qualquer sentido, como considera Henrique Pereira dos Santos, é para outros uma "acção pedagógica" que surge em boa hora, afirma Helena Freitas. A autarquia explica que o objectivo não é arrancar manchas consolidadas, mas evitar o rebentamento noutras zonas.

Foto

Esta terça-feira, em Vouzela, Marcelo Rebelo de Sousa lançou um mote: arrancou uma série de eucaliptos nascidos após os incêndios do ano passado para travar a sua propagação e dar espaço à plantação de espécies autóctones. E apelou a que outros sigam o exemplo. O ministro do Planeamento e das Infra-estruturas e o autarca de Vouzela fizeram-no de seguida. Mas faz sentido fazê-lo desta forma? Que mensagem passa esta acção? E mais: Portugal pode dispensar o eucalipto?

Se lá estivesse Henrique Pereira dos Santos, arquitecto paisagista, perguntaria ao Presidente da República: “Arrancou isso e agora o que vai ficar aí? Pomos o país a arrancar eucaliptos e depois?” Se a proposta são espécies autóctones há que mudar as regras do jogo económico, afirma. “Se o período de fogo (o período entre grandes incêndios) é 12, 15 anos e são precisos, em áreas favoráveis como é Vouzela, 30 anos para ter um carvalhal maduro, o carvalhal vai arder duas vezes até ter algum resultado. E quem paga a gestão até lá?”, interroga.

Para o arquitecto paisagista, “arrancar eucaliptos é uma fantochada, não faz sentido nenhum” e desvia a questão do seu cerne: a necessidade de gestão, combate ao abandono e ao “verdadeiro problema pós-fogo”, as espécies invasoras. “O Presidente da República podia ter levado um canivete e descascado três ou quatro mimosas. Aí sim teria passado a mensagem certa, de que estas têm que ser descascadas, não arrancadas.” Uma dificuldade que não se coloca no caso dos eucaliptos.

“Esta diabolização do eucalipto é religiosa, não tem base técnica”, diz. O raciocínio de que, para a propagação do fogo, mais importante do que a espécie é se há ou não acumulação de combustíveis tem sido defendido por engenheiros florestais como Paulo Fernandes, da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, e Pedro Palheiro, antigo membro do Grupo de Análise e Uso do Fogo. Também ficou demonstrado no relatório dos peritos sobre os incêndios de Outubro de 2017. Dos sete grandes fogos desse mês, o eucalipto era a espécie dominante em apenas um, concluiu-se.

O "mito" de que a "culpa é do eucalipto" foi, aliás, também desfeito pela organização não-governamental World Wildlife Fund (WWF) no mais recente relatório sobre fogos.

PÚBLICO -
Aumentar

E nisso Rui Ladeira, presidente da câmara e engenheiro florestal de formação, concorda. “A mensagem número um que quisemos passar é que o problema é estrutural: o abandono destes territórios. Depois o nosso objectivo é que não haja uma ocupação que, por si só, aumente o risco de incêndio e altere a paisagem identitária da região.”

Noutro concelho não faria sentido

O que aconteceu em Vouzela, após o incêndio, foi a disseminação “brutal” das sementes de um povoamento marginal de eucaliptos em zonas agrícolas, de pinhal e povoadas com espécies de crescimento lento. As chuvas estimularam esta germinação natural. E um eucaliptal desordenado, sob risco de ficar sem gestão, não interessa ao município, destaca Rui Ladeira. Não se trata, por isso, de arrancar as manchas consolidadas, mas evitar o rebentamento noutras zonas. E para essas, clama por apoios à exploração de espécies menos rentáveis.

Helena Freitas, especialista em ecologia e catedrática da Universidade de Coimbra, vê na intervenção do Presidente da República uma “acção pedagógica oportuna, um acto puro de inteligência”. Recusa que o momento seja lido como um ataque à espécie, nem perspectiva “que agora se comece a arrancar eucaliptos como se fossem o Diabo.”

A docente acredita, aliás, que esta acção não se passou em Vouzela por acaso. “O concelho tem feito uma aposta muito consistente e fundamentada em espécies florestais autóctones, promovendo madeiras nobres, inclusivamente. Ali o valor florestal não está no eucalipto.” No concelho vizinho de Mortágua, onde a forte aposta nesta monocultura intensiva alimenta uma central de biomassa florestal, já não faria sentido, considera.

PÚBLICO -
Aumentar

O tema suscita de paixões e isso nota-se na forma como falam os vários intervenientes. Helena Freitas compreende que haja uma percepção pública contra o eucalipto, apoiada no facto de a “aposta na fileira, sem alternativas nem ordenamento”, ter criado um mosaico florestal onde esta predomina, sem regras. Há que ter em conta que o eucalipto cresceu rapidamente (passou de 50 mil hectares para 850 mil hectares em meio século), tornando-se em 2013 a maior das três maiores fileiras florestais portuguesas, seguida pelo pinho e o sobreiro. Permitiu que na indústria das celuloses se encontrasse a maior exportadora líquida  - em que o valor resultante das exportações menos o valor das importações de material é mais alto -, a The Navigator Company. E que desta indústria dependessem cerca de 11 mil postos de trabalho directos e indirectos.

“Esta histeria é fitorracismo”

Para João Camargo, investigador em alterações climáticas e co-autor do livro Portugal em Chamas - Como Resgatar as Florestas, a acção de Marcelo tem também a vantagem “pôr enfâse no carácter crescentemente invasor do eucalipto, que prolifera com os incêndios”. Não olha para a espécie como o único factor a ter conta, mas como um dos mais importantes por ser, como classifica, “uma cultura de abandono, que não precisa de pessoas”.

João Soares, que já esteve à frente da Secretaria de Estado das Florestas e da Portucel (a actual The Navigator Company), rebate este argumento afirmando que as culturas de intervenção rápida, como o eucalipto, são necessariamente “intervencionadas mais vezes do que um pinhal pensado para 50 anos ou um castanheiro com uma rotação de 100”. O que se passa é que, recentemente, se assiste à incapacidade dos pequenos proprietários de eucaliptal – donos de cerca de 700 mil dos 850 mil hectares – manterem a gestão dos seus terrenos, porque “muitas vezes o preço já não compensa”.

“Se calhar, há dez anos, as plantinhas que o Presidente da República viu já teriam sido arrancadas pelo proprietário, porque este estaria a cuidar dos cepos”, aponta.

“Agora arrancar eucaliptos desta forma é um absurdo. Esta histeria é fitorracismo”, considera. Com metade da carreira profissional no sector da celulose, aconselha a indústria – num “acto moralmente obrigatório” – a apoiar os proprietários na regeneração inicial do terreno ardido. “A indústria sabe como o fazer sem perder a produtividade e sem receber este choque emocional e económico”. Além disso tem o músculo financeiro que os proprietários não têm.

E recusa medidas simplistas. “Não é razoável propor a um pequeno produtor para pôr carvalhos em vez de eucaliptos. Não é possível explicar-lhe ‘poupe a linha de água, defenda o passarinho, e abdique do seu rendimento’”, diz João Soares. Acrescenta que nem em todos os solos em que há eucaliptos e pinheiros vingam as espécies nativas. E quando se espera rendimento da produção florestal, tem que haver escala produtiva e uma indústria capaz por detrás.

PÚBLICO -
Aumentar

Isto remete para um ponto comum a todos: se se quer uma nova agenda para a floresta, o Estado tem que investir nela, compensando os proprietários.