Leiloeira arrisca — e promove-se com — novo leilão com obras de Banksy

“Não podemos garantir que os nossos quatro Banksy vão esfarrapar-se ou explodir automaticamente, mas vamos vendê-los à licitação mais alta”, diz a Julien's depois da destruição inesperada da obra de um milhão de euros na Sotheby's.

Fotogaleria
Slave Labour (Bunting Boy)
Fotogaleria
Uma versão da obra que foi "recriada" na Sotheby's MAXIM SHEMETOV/Reuters
Fotogaleria
TV Girl
Fotogaleria
Crazy Horse

Pouco mais de um mês depois de uma obra de Banksy se ter autodestruído após ter sido arrematada num leilão da Sotheby’s, outra leiloeira vai levar à praça trabalhos do artista urbano cuja identidade é tão desconhecida quanto a sua intervenção crítica é reconhecida. A 14 de Novembro, a Julien’s Auctions, em Los Angeles, vai tentar vender uma das mais conhecidas obras de Banksy, Slave Labour (Bunting Boy), e não só está ciente de que o último leilão de uma obra do artista acabou em destruição como usa isso para promover o seu próprio evento.

“Não podemos garantir que os nossos quatro Banksy vão esfarrapar-se ou explodir automaticamente, mas vamos vendê-los ao comprador com a licitação mais alta”, diz em comunicado Darren Julien, o presidente da Julien’s Auctions. Apanha assim a boleia do leilão da Sotheby’s de dia 5 de Outubro, em que a pintura Girl With Balloon (2006) foi vendida por 1,2 milhões de euros e, repentinamente, se ouviu um alarme na sala e a tela começou a deslizar pelo fundo da moldura, triturada e convertida em tiras. Foi uma operação de Banksy, um misto de comentário sobre a venda de obras pensadas e nascidas para a rua e inseridas no circuito convencional de exposição e venda de arte e de acto de criação.

No próprio dia, e enquanto várias teorias sobre a intenção do autor ou o envolvimento da leiloeira, o especialista da Sotheby's Alex Braczik escrevia no Instagram que “Banksy não destruiu uma obra de arte” – “criou sim uma nova obra”. A 12 de Outubro, a própria Sotheby’s escrevia no Twitter, promovendo uma visita à sua galeria, que esta é “a primeira obra de arte criada durante um leilão”. Agora, a Julien’s, uma leiloeira bem mais popular do que a exclusiva Sotheby’s, faz o mesmo, levando ao mercado quatro obras de Banksy na esteira da manobra que todo o mundo da arte comentou. A compradora, uma coleccionadora europeia, ficou "chocada" inicialmente, mas depois percebeu que ficou com uma “parte da história da arte”, como diria depois ao Guardian.

Na venda dedicada à arte contemporânea e à street art estão quatro peças de Banksy, e duas delas destacam-se. O pedaço de betão com Slave Labour (Bunting Boy), um rapazinho que costura uma bandeira do Reino Unido, pintado a spray numa parede de uma loja de pechinchas em Londres por ocasião do Jubileu da Rainha Isabel II e dos Jogos Olímpicos de Londres, e Crazy Horse, uma pintura a spray numa porta de carro acompanhada por um cone de sinalização que fez parte de uma instalação atribuída ao artista britânico durante a sua passagem por Nova Iorque em 2013 e que incluía ainda uma pintura numa parede de cavalos em fuga e um número de telefone onde se ouvia uma gravação descoberta pelo Wikileaks de um ataque aéreo sobre Bagdad em que dois jornalistas foram mortos.

Slave Labour (Bunting Boy) irá à praça com uma estimativa de venda entre os 518 mil euros e os 691 mil euros, enquanto Crazy Horse poderá render entre 86 mil e 107 mil euros. Há ainda TV Girl e Applause, cujas expectativas de venda pela leiloeira se centram entre os 35 mil e os 52 mil euros no caso da primeira e os 8600 e os 12 mil euros para a última. TV Girl coloca uma menina abraçada a um televisor sobre um logotipo da cadeia de fast food Burger King que estava em Bristol, a cidade de onde é oriundo o artista. Applause é a única obra em papel, assinada e datada a lápis.

A presença de obras de Banksy depois dos acontecimentos de 5 de Outubro quase eclipsa os restantes artistas na venda, que são tão incontornáveis quanto Andy Warhol, Basquiat (estará à venda a peça Head e Untitled (Portrait with Crown of Thorns II) – 1981, mas também um casaco seu, uma peça da Comme des Garçons) e Keith Haring com Untitled (Robot and Snake), além de Arab Woman de Shephard Fairey.