Pais usam telemóveis e tablets como babysitters

Estudo com quase 2000 inquiridos revela que as crianças que mais usam aplicações são as que têm entre zero e dois anos e que os pais são os primeiros a passar estes dispositivos para as mãos dos filhos.

Foto
Gaelle Marcel/Unsplash

Nove em cada dez casas portuguesas têm smartphonestablets, computadores portáteis ou ligação à Internet. Os dispositivos electrónicos são usados por crianças cada vez mais novas. Os pais são os primeiros a passá-los para as mãos dos filhos e as crianças que mais usam aplicações (apps) são as que têm entre zero e os dois anos, revela o estudo Happy Kids: Aplicações Seguras e Benéficas para Crianças, do Católica Research Centre for Psychological, Family and Social Wellbeing (CRC-W), da Faculdade de Ciências Humanas, da Universidade Católica Portuguesa, que é apresentado em Lisboa nesta terça-feira.

Num inquérito, feito a partir da Pumpkin, uma plataforma usada sobretudo por pais de crianças pequenas, foi perguntado qual a utilização feita das novas tecnologias pelos filhos dos 0 aos 8 anos. Responderam 2677, mas só 1968 respostas foram validadas. A maioria dos inquiridos é de Lisboa (1232), é licenciado e é mãe (53%). Tal como nos anos de 1980, o Papa João Paulo II alertava para a televisão como a "ama electrónica" das crianças, agora, este estudo vem confirmar que os ecrãs continuam a ter essa função, quer em casa quer na rua, por exemplo, nos restaurantes, onde as crianças são postas frente a um tablet ou a um smartphone, dizem 587 pais dos mil que respondem que os filhos usam aplicações. Em casa, acontece quando os pais precisam de trabalhar ou fazer tarefas domésticas, respondem 490. Os dispositivos também podem ajudar a resolver uma birra para 99 dos pais.

PÚBLICO -
Aumentar

A idade em que os pais mais deixam os filhos usar as apps é precisamente entre os 0 e os 2, porque são utilizadas para os manter entretidos. Mas os pais também têm uma preocupação com o "ser educativo", mostra o estudo – dos mil que respondem em que situações deixam os filhos usar os dispositivos, 427 dizem que é para fazer actividades educativas. Aliás, os pais sublinham muitas vezes essa preocupação que é também o que os distancia dos filhos já que estes preferem aplicações de jogos e de entretenimento. 

Adquirir competências 

Os pais acreditam que o uso dos dispositivos electrónicos permite que os filhos adquiram conhecimentos e competências, nomeadamente para a escola, por exemplo a matemática, leitura e desenvolvimento da língua, na criatividade e concentração. É de jogos como os de construção ou de puzzles que os pais gostam. Mas tudo isto exige muito pouco em termos físicos e os inquiridos reconhecem que o uso das tecnologias pode ser prejudicial para a actividade física (854), o sono (702), a sociabilidade (616) e o comportamento (349). 

PÚBLICO -
Aumentar

O que os pais mais valorizam é a segurança – as aplicações não devem invadir ou expor a privacidade dos filhos. Os inquiridos não gostam que as aplicações sejam viciantes, que não sejam apropriadas para a idade ou que sejam violentas. Por norma, as apps são instaladas pelos próprios pais – e a maior parte (60%) não instala aplicações que sejam pagas. Aliás, só metade dos pais (1000) responde que utilizam apps. Este dado surpreende as autoras Patrícia Dias e Rita Brito, que já fizeram outros estudos nesta área. Para justificar esta resposta, as investigadoras aventam duas hipóteses: ou as crianças chegam às apps a partir dos browsers; ou os pais não estão familiarizados com a palavra e, por isso, respondem que não usam. No entanto, face às respostas dadas, as crianças mais pequenas são as que mais usam, enquanto as mais velhas exploram outros dispositivos. 

Os que os pais não sabem

Em vez de se sentarem ao lado dos filhos a fazer coisas em conjunto, os pais optam pelo controlo – da utilização (1330), dos conteúdos (1224), em supervisionar e intervir se necessário (1217). Mas, também há quem responda que as acompanha nas actividades digitais (869) e em ensinar (757). Os pais com mais competências são mais "instrucionais" e os com menos são mais "restritivos", designa o estudo.

O que fazem as crianças com mais frequência? Vêem vídeos do YouTube de desenhos animados ou de música e jogam, respondem os pais. Seguem-se as apps educativas – os inquiridos evitam responder que o uso é feito “com muita frequência” porque “o discurso dominante nos media desaconselha o uso excessivo das tecnologias digitais”, analisa o estudo. Dizem ainda que os filhos não publicam conteúdos nas redes sociais, logo não estão expostos a perigos como o cyberbullying ou o abuso sexual. Contudo, alerta Rita Francisco, coordenadora do CRC-W, "as crianças sabem usar mais do que aquilo que os pais pensam e podem estar expostas a riscos sem que estes o saibam". Por exemplo, as crianças podem fazer actividades como editar fotografias ou vídeos, instalar ou desinstalar apps, fazer pesquisas no Google sem que os pais se dêem conta, diz o estudo. Prova disso é que entre as aplicações preferidas dos mais novos, segundo os pais, estão apps como o Messenger, WhatsApp, Instagram, SnapChat e Facebook – “considera-se surpreendente nestas idades as referências a redes sociais e ferramentas”, nota o relatório.

Patrícia Dias e Rita Brito concluem que é importante que os pais saibam que aquilo de que as crianças gostam é diferente do que os pais preferem – “é necessário encontrar elementos comuns que agradem a ambos para fomentar a co-utilização, a forma mais benéfica de mediação parental para toda a família”, sugerem nas recomendações. "A literatura diz que a forma mais indicada para o uso das tecnologias é promover a interacção entre pais e filhos", sublinha Rita Francisco. Esta é uma estratégia pouco usada, lamenta.