ModaLisboa: sonhos que se transformam em roupa e colecções que nos trazem imaginários

A 51.ª edição da ModaLisboa terminou este domingo, com desfiles de criadores como Gonçalo Peixoto, Filipe Faísca e Dino Alves.

Fotogaleria
As peças de Olga Noronha são esculturas usáveis
Fotogaleria
Imauve
Fotogaleria
Imauve
Fotogaleria
Imauve
Fotogaleria
Duarte
Fotogaleria
Duarte
Fotogaleria
Duarte
Fotogaleria
CarolinacMachado
Fotogaleria
CarolinacMachado
Fotogaleria
CarolinacMachado
Fotogaleria
Andrew Coimbra
Fotogaleria
Andrew Coimbra
Fotogaleria
Andrew Coimbra
Fotogaleria
Olga Noronha
Fotogaleria
Olga Noronha
Fotogaleria
Olga Noronha
Fotogaleria
Filipe Faísca
Fotogaleria
Filipe Faísca
Fotogaleria
Filipe Faísca
Fotogaleria
Gonçalo Peixoto
Fotogaleria
Gonçalo Peixoto
Fotogaleria
Gonçalo Peixoto
Fotogaleria
Kolovrat
Fotogaleria
Kolovrat
Fotogaleria
Kolovrat
Fotogaleria
Dino Alves
Fotogaleria
Dino Alves
Fotogaleria
Dino Alves

O último dia da ModaLisboa viveu dos novos talentos. A Imauve e Duarte abriram as hostes num desfile em conjunto no Lago Botequim do Rei, e ao longo do dia outros quatro criadores, nos primeiros anos de carreira, levaram as suas colecções de Primavera/Verão ao Pavilhão Carlos Lopes, no Parque Eduardo VII, em Lisboa. Já no final da tarde, apresentaram nomes mais conhecidos: Filipe Faísca encheu a casa e Dino Alves fechou a edição.

Não houve falta de imaginários de tempos quentes e de férias. Ana Duarte (criadora da marca Duarte) manteve o seu registo de sportswear com uma colecção saída das corridas de Fórmula 1 no Mónaco, juntando o lado mais desportivo, com impermeáveis e peles, ao glamour (das pessoas que assistem dos seus iates), com peças leves de linho. Carolina Machado mostrou-nos uma versão nostálgica de Cuba nos anos 1950, em tons de sépia, e Andrew Coimbra mergulhou na ideia de um Verão passado na cidade.

Foi no início de 2017 que Gonçalo Peixoto se estreou na ModaLisboa, mas o criador já começa a solidificar o seu nome. Com uma colecção que interpreta o feminismo à sua maneira — sempre com algum streetwear à mistura —, o jovem criador juntou tecidos mais delicados, como as rendas e os florais, com outros mais impactantes e coloridos. Com um percurso igualmente curto, de ano e meio, e grandes ambições, a Imauve abriu o último dia de desfiles. “Quero que seja uma marca global”, afirma a sua criadora, Inês de Oliveira. As colecções costumam partir de algum tipo de manifestação artística e, nesta estação, foi da escultura neoclássica.

PÚBLICO -
Foto
Desfile de Gonçalo Peixoto

Filipe Faísca pôs a toalha, não na mesa mas na sua colecção. As silhuetas em forma de bico de algumas saias e vestidos remetiam imediatamente para este objecto. Nesta estação, o criador voltou a trabalhar com os bordados da Madeira, em colaboração com o Instituto do Vinho, do Bordado e do Artesanato da Madeira, como havia feito na colecção anterior. Mas, desta vez, acrescentou fauna (borboletas, abelhas e libelinhas) à flora que tradicionalmente serve de motivo. Apostou nas transparências e terminou o desfile com um vestido de noiva.

Do sonho para a passerelle

A palavra do dia foi de Olga Noronha, que há alguns anos apresenta na ModaLisboa as suas “esculturas usáveis”. "Hipnopompia" foi o nome que usou para referir ao estado hipnopômpico, o período entre o sono e o momento em que estamos totalmente acordados. “Fui buscar uma coisa que acontece quase todas as noites quando estou em processo criativo”, explica a criadora. “A minha altura de criação é durante a noite. Há muitos anos que durmo com um bloco, uma caneta e um gravador de voz ao lado da cama.”

Esses momentos de inspiração materializaram-se numa série de esculturas que envolvem o corpo, jogando entre a rigidez do material e a fluidez das formas. A escolha da celulóide — que, conta a criadora, é usada para forrar concertinas e acordeões — como material principal foi um aspecto essencial da colecção. “Só existe um fornecedor em Portugal. Na altura, comprei-lhe o stock todo e ainda mandei vir mais”, conta.

Também Lidija Kolovrat foi buscar inspiração aos sonhos. “Passaporte”, o nome que deu à colecção, “é o estremecer desse consciente” e “uma porta simbólica de contágio entre o que é sonhado e o que é real”.

PÚBLICO -
Foto

O dia terminou com Dino Alves, que veio de malas feitas para o desfile, literalmente. No final da apresentação, o criador — que ao longo dos anos já nos habituou a algum tipo de espectáculo — enviou os manequins para a passerelle carregados com sacos de xadrez e de trouxa ao ombro. Uma cena que fez lembrar uma espécie de êxodo, ao som de uma música penosa.

O próprio criador abandonou recentemente o espaço de atelier que tinha na rua da Madalena, em Lisboa. Depois de alguma hesitação, resolveu fazer a sua colecção, num espaço que lhe foi emprestado. “Decidi fazer a ModaLisboa precisamente para não acharem que me estava a fazer de vítima”, justifica.