ModaLisboa: O património de mãos dadas com a modernidade

O segundo dia de desfiles da Moda Lisboa dividiu-se entre o Museu Nacional de Arte Antiga, o lago Botequim do Rei e o Pavilhão Carlos Lopes. E sempre com o furacão Leslie à espreita.

Fotogaleria
O desfile da Awaytomars ocupou o lago Botequim do Rei, ao lado do Pavilhão Carlos Lopes
Fotogaleria
Awaytomars
Fotogaleria
Awaytomars
Fotogaleria
Awaytomars
Fotogaleria
Awaytomars
Fotogaleria
Nuno Gama
Fotogaleria
Nuno Gama
Fotogaleria
Nuno Gama
Fotogaleria
Alexandra Moura
Fotogaleria
Alexandra Moura
Fotogaleria
Alexandra Moura
Fotogaleria
Ricardo Andrez
Fotogaleria
Ricardo Andrez
Fotogaleria
Ricardo Andrez
Fotogaleria
Aleksandar Protic
Fotogaleria
Aleksandar Protic
Fotogaleria
Aleksandar Protic
Fotogaleria
Luís Carvalho
Fotogaleria
Luís Carvalho
Fotogaleria
Luís Carvalho
Fotogaleria
Patrick de Pádua
Fotogaleria
Constança Entrudo
Fotogaleria
Cia.Marítima

Entre o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), o lago Botequim do Rei e o Pavilhão Carlos Lopes, o segundo dia de desfiles da ModaLisboa foi de ligação entre património e modernidade — um princípio que acompanha o evento desde o início. Já as palavras introdutórias, proferidas em altifalante antes do primeiro desfile de sexta-feira, tinham avisado: "[A moda] viverá dos novos talentos e novas tendências. Da noção de património que é comum a todos e que inspira novas criações e linguagens".

O dia de sábado começou nas salas da exposição permanente do MNAA, para onde Nuno Gama levou os seus homens-estátua. "Queria compartilhar esta energia que sinto. Cada vez que cá venho saio com ideias novas e coisas a borbulhar", conta o criador. Sob o prenúncio do furacão Leslie, alguns espaços em tendas exteriores tiveram de passar para dentro do Pavilhão Carlos Lopes, no Parque Eduardo VII.

Com o sol ainda à vista e algumas nuvens pouco ameaçadoras, o desfile da marca Awaytomars ocupou no início da tarde o recentemente restaurado lago Botequim do Rei, junto ao pavilhão. Um a um, os manequins que entravam em cena iam preenchendo o muro que circunda o lago, criando um reflexo na água. "[O local] foi perfeito porque a colecção é sobre luz e reflexo", comenta Alfredo Orobio, fundador da marca, que reúne actualmente uma comunidade de cerca de 15 mil membros online, que contribuem com ideias, em regime de co-criação.

PÚBLICO -
Foto
Desfile Awaytomars

Esta temporada receberam 809 designs e trabalharam mais de perto com 15 designers, conta Orobio. Algumas das ideias incidiram sobre fotografia e cinema do início do século XX, quando se pintavam as películas dos filmes. As imagens de luz e reflexo revelam-se nos estampados — um dos pontos fortes da marca. Desfilaram também algumas das peças que a Awaytomars criou em parceria com a marca de doces Froot Loops, actualmente à venda numa loja em Nova Iorque e online

Não foi a única grande colaboração dos últimos meses: também lançaram, por exemplo, uma colecção de sapatos com a Melissa. "Correu muito bem. Vendemos 70 mil pares em dois meses", conta. Vão inclusive renovar a colaboração, adianta. A marca começa a ganhar alguma escala: segundo Orobio, facturou 1,2 milhões de euros em 2017 e este ano esperam duplicar o valor, atingindo os 3 milhões de euros. "Depende se as coisas do Froot Loops vendem tão bem quanto a Melissa", explica.

Viagens no tempo e espaço

A 51.ª edição da ModaLisboa acontece na sequência de um protocolo assinado com o Portugal Fashion, em Setembro. O documento veio sinalizar uma nova era para a moda portuguesa, centrada no trabalho em rede. Abriu, para já, a porta à colaboração entre duas organizações, que apesar de terem objectivos semelhantes trabalharam décadas de costas voltadas.

Os frutos desta união de esforços chegarão mais para a frente, mas este fim-de-semana já houve algumas alterações simbólicas. Alexandra Moura, que há alguns anos passou a apresentar no Portugal Fashion, voltou para a ModaLisboa — "powered by Portugal Fashion", como indica o programa. "Com tanta coisa a acontecer, é importante as pessoas unirem esforços, unirem o foco numa mesma estratégia", comenta a criadora. "Neste momento tenho o melhor de dois mundos: volto ao sítio onde cresci, a casa que de alguma forma me lançou, e ao mesmo tempo estou com as pessoas que me ajudaram a começar uma caminhada ao nível internacional.

Tal como na última colecção, a criadora levou-nos, esta estação, para os tempos da sua própria juventude. Mais concretamente, as férias que passava em casa dos avós, numa aldeia em Trás-os-Montes. A colecção resulta de um misto de imagens entrelaçadas: "o contacto com a terra e os animais", as divisões da casa "sempre arranjadas", "a colcha com folhos de cetim", a sala com brocados, os quadros com flores pintados à mão, e as próprias roupas dos avós. "A minha avó tinha as camisinhas muito imaculadas, o meu avô era os fatos. Depois era vê-los a aperaltarem-se porque era domingo ou porque tinha chegado o dia da festa da aldeia", recorda.

PÚBLICO -
Foto
Desfile de Alexandra Moura

A criadora não foi a única a viajar no tempo (ou no espaço) para buscar inspiração para a sua colecção. Ricardo Andrez recordou a onda de pânico na viragem de milénio, projectando manchas representativas de glitches informáticos e rostos de aliens nos estampados. Em chinês, cirílico e inglês, lia-se "I'm coming to this world" — uma brincadeira, "quase como se o bug estivesse a anunciar a sua chegada", explica o criador. Aleksandar Protic imaginou uma colecção a partir de "heróis das novas gerações das metrópoles brasileiras", com alguns apontamentos de cor a contrastar com os tons mais neutros que tipicamente usa.

Já Luís Carvalho viajou para paisagens nipónicas onde reinam as cerejeiras. Os estampados de cerejas foram o ponto de partida e, pelo caminho, acrescentou adaptações mais subtis de elementos japoneses, como quimonos e cintas. Nos cinco anos de marca que agora celebra, o criador conseguiu tornar-se um nome reconhecido, com bastante visibilidade mediática e clientes conhecidas do público português. Foi essencial traçar os objectivos da marca desde o primeiro momento, defende o criador. "É muito importante definir uma estratégia para a marca. Não fazer um desfile, uma colecção, criar uma marca só porque quero apresentar desfiles. Temos de definir uma estratégia comercial porque a marca tem de ser sustentável."

Ainda no sábado, apresentaram as suas colecções Patrick de Pádua, Constança Entrudo (uma estreia nos desfiles) e a marca Cia.Marítima. A ModaLisboa termina este domingo, com criadores como Dino Alves e Filipe Faísca.