Activismo pró e contra touradas seleccionados no Orçamento Participativo

Em primeiro lugar, antes dos movimentos das touradas, ficou a feira de lambarices.

Maria Manuel Leitão Marques
Foto
Maria Manuel Leitão Marques Nuno Ferreira Santos

Uma feira de doçaria foi o projecto nacional vencedor do Orçamento Participativo de Portugal (OPP) de 2018, com os segundo e terceiro lugares a oporem a luta pró e contra as touradas, foi divulgado nesta quinta-feira em Lisboa.

A "feira das lambarices" propõe-se ser um "mega evento cultural" para promover a doçaria nacional, ao longo de três dias, na aldeia de Vale Domingos, concelho de Águeda, e foi o projecto mais votado pelo OPP, que permite aos cidadãos decidir que projectos querem que o Governo financie até ao montante de cinco milhões de euros.

Com um orçamento de 250 mil euros, a "feira das lambarices" conseguiu ultrapassar os projectos de activismo anti e pró touradas que venceram, respectivamente, o segundo e terceiro lugares: "Portugal sem touradas", com um orçamento de 200 mil euros, e "Tauromaquia para todos", com 50 mil euros, de acordo com informações do sítio da internet do OPP.

PÚBLICO -
Foto

Projectos regionais

Os vencedores do OPP para 2019, que distinguiram também cerca de 20 projectos regionais, foram hoje anunciados no Palácio Foz, em Lisboa, numa cerimónia que reuniu além das responsáveis por esta pasta, a ministra da Presidência, Maria Manuel Leitão Marques, e a secretária de Estado da Modernização Administrativa, Graça Fonseca, o ministro da Cultura, Luís Castro Mendes, e diversos secretários de Estado de áreas abrangidas pelos projectos.

Tanto o projecto a favor como o projecto contra as touradas foram definidos à Lusa essencialmente como um conjunto de acções informativas junto da população.

Nuno Alvim, do projecto "Portugal sem touradas", explicou que a ideia é "dotar de informação o público em geral, para que pensem de uma forma mais crítica as touradas".

Sociedade fracturada

"A sociedade aparenta estar fracturada sobre esta matéria, hoje mais uma vez ficou um pouco evidente isso, mas acreditamos que a maior parte das pessoas são, na verdade, neutras, e que colocando-as na posse da informação poderão ter uma posição crítica sobre a matéria e tomar uma decisão no sentido de uma maior evolução civilizacional", afirmou.

No mesmo sentido, embora defendendo a ideia contrária, Afonso Farto, do "Tauromaquia para todos", afirmou que o objectivo é "levar a tauromaquia a mais pessoas, com base nos mais jovens, através da educação, mostrando os valores da tauromaquia".

PÚBLICO -
Foto

"A tauromaquia está legislada, faz parte da cultura do nosso país e da nossa identidade. O objectivo é levá-la a quem não conhece e a quem conhece, que queira perceber mais", disse, referindo que "a seu tempo" serão apresentadas as medidas do projecto, que não quis especificar.

Mais 91 projectos

Em 2018 estiveram a votação 691 projectos relativos a todas as áreas governativas, quando no ano anterior tinham estado 600 propostas relativas a quatro áreas governativas (Cultura, Agricultura, Ciência e Formação de Adultos).

Este ano foram registados 119.703 votos, que representaram um aumento de 50% face a 2017, ano em que os votos foram 79 mil.

Este ano, a fase de apresentação de propostas arrancou a 23 de Janeiro e decorreu até 24 de Abril e a fase de votação arrancou a 11 de Junho e terminou a 30 de Setembro.

Em 2018, os cidadãos puderam pela primeira vez apresentar propostas relativas a todas as áreas governativas. Em causa estavam 5 milhões de euros.

De acordo com o Governo, em 2017 mais de 2.000 pessoas participaram nos 50 encontros participativos realizados em todo o país, estiveram em votação 600 propostas apresentadas por cidadãos e foram escolhidas 38.