Para estes bailarinos, a diferença é uma condição e não uma limitação

Desde 2015, o projecto Dança para Todos, da Fundação Nuno Silveira, em Gondomar, recorre à dança como estímulo para pessoas com deficiências físicas e cognitivas. Semanalmente, 24 utentes entregam-se de corpo e alma a uma arte que não tem fronteiras.

Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues

“Gosto de fazer aqueles passinhos ao som do Dura”, conta Mónica, referindo-se ao êxito mundial de Daddy Yankee que invadiu as rádios em Janeiro. Mal ouve a palavra-chave, o resto do grupo irrompe em aplausos para reforçar a preferência pela faixa. Não demora muito até que todos se ponham em fileira para dar início à coreografia. Afinal, conhecem cada passo de cor e salteado e sabem que são imbatíveis nos movimentos da cintura para cima. À medida que o compasso acelera, o bater dos pés faz estremecer o chão do pavilhão da Fundação Nuno Silveira, em Gondomar. É mais um ensaio do grupo Dança para Todos, criado em 2015 para mostrar que a força de vontade é o único requisito para dançar. Começou com uma dezena de utentes, mas são já 24 os bailarinos que compõem o projecto.

Tal como Mónica, alguns vivem na instituição há vários anos, ao passo que outros são externos, mas participam diariamente em actividades como yoga, música, teatro e storytelling.  A dança, enquanto expressão artística particularmente sensorial que comunica o que não cabe em palavras, surgiu para potenciar as capacidades dos utentes e evitar que sejam reduzidos às limitações motoras e cognitivas. Então, criaram-se três turmas de trabalho por níveis: o grupo mais autónomo, o grupo menos autónomo e a junção dos dois.

PÚBLICO -
André Rodrigues

Pedro tem 30 anos e faz parte do Pétalas Soltas, colectivo de exibição que se apresenta regularmente em público. Já tinha experimentado hip-hop antes de entrar para a instituição, mas considera-se “muito dançarino” e afirma que gosta de “todo o tipo de dança”. “Aprendo as coisas rápido e gosto de aprender muito”, confessa ao PÚBLICO.  Além de actuar com os colegas, Pedro já subiu a palco a solo na Exponor, conquistando uma estrondosa ovação em pé. Na audiência estava, de olhos marejados e peito a inchar de orgulho, a sua maior fã – Sofia Almeida, técnica superior de educação social na fundação. “Quando todos se levantaram para aplaudir, eu senti que era a família dele”, diz. “Não há nada que pague isso”.

Dançar com a diferença

Foi, aliás, Sofia quem batalhou para dar vida ao projecto, por isso faz questão de acompanhar as actuações do grupo sempre que pode. “A dança permite uma criatividade e libertação que são muito boas para eles”, reconhece. A satisfação dos utentes reflecte-se no passa-palavra que, volta e meia, traz um novo membro aos ensaios. “Na primeira aula experimentam e, à partida, ficam, porque todos conseguem fazer alguma coisa”, reconhece.

Ana Cláudia é a mais recente bailarina do grupo. Ainda “não tem muito a dizer”, como novata que é nestas andanças, mas é prova viva de que aqui não há impossíveis. “Ela não sai da cadeira [de rodas], mas tenta levantar a parte superior do corpo com a ajuda de uma faixa”, revela Sofia Almeida, que exemplifica também com o caso de “Cristiano, que dança muito com os ombros”. “Todos eles conseguem, desde que tenham vontade”, reforça.

É esse espírito de superação que Maria Manuel Mendes, professora e responsável pelo projecto, tenta incutir nos alunos a cada aula, combinando as capacidades de cada um. “Há uns que têm mobilidade, mas têm dificuldade em sentar-se, então nós jogamos com uns nas cadeiras e outros no chão”, exemplifica, notando “que há movimentos mais difíceis, mas é igual quando pessoas que não têm deficiência se sentem limitadas com certos passos”.

A noção muito própria de espaço e tempo e a existência de diferentes destrezas dentro do grupo exige um trabalho adaptado às necessidades de cada turma. “No Pétalas Soltas, eles aprendem rápido e decoram muito bem”, conta Maria Manuel. “Nos outros dois, fazemos o primeiro passo, depois o segundo, depois vamos juntando e treinando”. Em média, são precisos dois a três meses para que interpretem duas coreografias de forma mais autónoma. A estrutura dos ensaios é semelhante: primeiro faz-se o aquecimento, depois recapitula-se o que foi feito, pratica-se a coreografia e, no final, há espaço para jogos e brincadeiras, “como se fosse um espectáculo ou um concurso”.

Uma sensibilidade especial

A aprendizagem é constante e mútua, sublinha Maria Manuel. Formada em dança, actividade física e saúde, foi na Fundação Nuno Silveira que teve oportunidade de trabalhar pela primeira vez a dança como motor de inclusão social. “No início, encarava-os como pessoas diferentes, achava que tinha que ter outro comportamento”, recorda. “Ao longo do tempo, fui aprendendo a falar com eles como os adultos que são”.

No Dança para Todos, não há lugar para estereótipos nem preconceitos. “Eles não gostam de sentir que é música mais para crianças, ou coreografias infantis a imitar os animais”, conta a professora. Nesse sentido, há o cuidado de escolher músicas que passam na rádio e que todos conhecem. Para decorar, “pegam em palavras-chave e vão lá por associação”.

Jorge, 46 anos, revela que gosta muito de dançar o “fado”. Refere-se não à canção portuguesa, mas aos versos do mesmo nome que compõem Lusitana Paixão, música interpretada por Dulce Pontes. Tanto nas coreografias lentas como mexidas, “é preciso alguma paciência”, diz o bailarino, que tem que “fazer um esforço maior por causa da perna”.

PÚBLICO -
Foto
André Rodrigues

Se é verdade que a dança goza aqui de uma cadência e sensibilidade próprias, também os contratempos assumem outra escala. “Ás vezes não trouxeram um brinco e para eles é um problema”, diz Maria Manuel. “Mas não dura muito, porque eles relativizam tudo”.

O ano lectivo arrancou há algumas semanas, mas o Dança para Todos já treina as novas coreografias e pensa em vôos maiores. Sonham ir a um programa da tarde na televisão nacional e inspirar toda a gente a dançar independentemente da sua condição. “Eles são felizes com as suas limitações – essa é a grande lição que todos podemos levar para a vida.”