Samsung põe cinco câmaras num telemóvel de média gama

As configurações são ajustadas automaticamente, sem exigir conhecimentos técnicos por parte do utilizador.

Foto
A Samsung tenta diferenciar-se acrescentando câmaras ao novo modelo Reuters/CHARLES PLATIAU

A Samsung criou um telemóvel com cinco câmaras – uma na frente, para as selfies, e quatro na vertical na parte de trás – para tentar conquistar o mercado da média gama. Foi apresentado, esta quinta-feira, na Malásia.

Para a empresa sul-coreana, o objectivo do novo Galaxy A9 é ajudar as pessoas que dependem dos aparelhos móveis para tirar e partilhar dezenas de fotografias na Internet todos os dias.

Com o Galaxy A9, a marca é a primeira a colocar cinco câmaras num telemóvel. De acordo com a Samsung, porém, cada uma serve uma missão diferente: além da principal, com 24 megapixeis, há uma lente ultra grande-angular, uma teleobjectiva, e uma câmara de cinco megapixeis com um sensor de profundidade para criar fundos desfocados. Não é preciso ser-se um profissional para as manusear. O telemóvel usa inteligência artificial para analisar o cenário e ajustar as definições automaticamente.

PÚBLICO -
Foto
O telemóvel é o primeiro com quatro câmaras traseiras Samsung

Por 599 euros, o Galaxy A9 também se dirige a todos os consumidores que não podem gastar valores que rondam os mil euros nos em topo de gama lançados anualmente. O mais recente da Samsung, o Note 9, que foi lançado em Agosto, custa 1099,99 euros.

O telemóvel estará disponível em Portugal a partir de Novembro.

“Estamos a introduzir tecnologia de próxima geração em todo o nosso portfólio Galaxy, com o objectivo de oferecer a mais clientes a oportunidade de experienciarem tecnologia inovadora”, disse o presidente da divisão de comunicação móvel da Samsung, DJ Koh, na apresentação do aparelho.

Além de inteligência artificial na câmara, o novo Galaxy A9 também vem equipado com um sensor de impressões digitais, e pode ser usado para fazer alguns pagamentos em lojas – funções comuns em telemóveis topo de gama. O ecrã de alta definição tem 6,3 polegadas, e o telemóvel vem com 128 gigabytes de memória interna e um cartão microSD que pode suportar até 512 gigabytes de memória adicional (o suficiente para 16 mil fotografias ou mais de oito mil horas de música).

Tal como a concorrente Apple, a empresa sul-coreana está a ver a concorrência a apertar na China, um mercado gigante onde estão a emergir várias marcas a preços mais acessíveis. Fabricantes como a Xiaomi, a OnePlus e a Huawei são exemplos. A Huawei arrancou a Apple do segundo lugar do pódio global entre Abril e Junho de 2018, de acordo com valores da consultora IDC, embora a diferença seja muito pequena.

A mudança de posição reflecte o crescimento da Huawei no mercado chinês e global. Embora a Samsung mantenha uma liderança confortável, com 71,5 milhões de unidades e 23% do mercado, as vendas da marca sul-coreana, no entanto, caíram 10% no último ano. 

Em Portugal, os consumidores estão a gastar mais dinheiro em telemóveis, mas o número de aparelhos que compram é cada vez menor. Nos primeiros três meses de 2018, foram gastos, em média, 305 euros por telemóvel, mais 27% do que nos mesmos meses de 2017, mas foram vendidos menos 3% de unidades. De acordo com a IDC, a tendência é global, num mercado saturado.

"Compreendemos a actual procura por inovações significativas num mundo sempre em movimento e impulsionado pela comunicação visual”, frisou DJ Koh durante o lançamento do Galaxy A9.