Votos para o Orçamento Participativo nacional subiram 50%

Projectos na área da cultura voltaram a dominar. Regiões Centro e Norte foram as mais participativas.

Graça Fonseca apresenta hoje os vencedores da II edição do Orçamento Participativo Portugal
Foto
Graça Fonseca apresenta hoje os vencedores da II edição do Orçamento Participativo Portugal dro Daniel Rocha

O número de cidadãos a votar na segunda edição do Orçamento Participativo Portugal (OPP) subiu de cerca 80 mil em 2017 para cerca de 120 mil este ano. Os projectos vencedores serão revelados esta quinta-feira pelo Governo. A área da cultura, à imagem do que aconteceu no ano passado, foi a que teve mais projectos candidatos e é a que tem mais planos vencedores.

A segunda edição do OPP viu aumentada a verba a destinar aos projectos vencedores – passou de três para cinco milhões no Orçamento do Estado – e os concursos foram alargados a todas as áreas de governação, quando no ano passado os projectos eram restritos às áreas cultura, agricultura e formação de adultos. Estes factores reflectiram-se nos resultados. Não só subiu significativamente o número de votos como subiu o número de projectos em apreciação, passando 600 para 691 as propostas apresentadas pelas pessoas.

Pequenas cidades

Segundo revelou ao PÚBLICO a secretária de Estado Adjunta e da Modernização Administrativa, Graça Fonseca, as regiões com mais processos a concurso foram do Centro e Norte do país, reunindo 40% da participação global. Verificou-se ainda um aumento significativo dos projectos de índole regional e com mais votantes, com estes a terem cerca de 30 mil votos. Ao contrário, nas grandes cidades verificou-se um interesse menos significativo dos cidadãos pelo OPP.

Um factor que Graça Fonseca explica com “uma maior proximidade das pessoas” nos meios regionais mais pequenos e “uma maior convergência de interesses”. “Há uma maior proximidade, um melhor conhecimento dos problemas e das necessidades e um maior orgulho nas suas tradições e história”, explica a governante.

Todas as áreas governativas tiveram projectos para a avaliação, com as áreas sociais a dominarem. A área da cultura foi a que mais projectos teve a concurso, seguindo-se educação, juventude, saúde, ambiente e agricultura.

Cartazes à beira da estrada

A secretária de Estado da Modernização Administrativa diz não ter “a menor dúvida” de que o interesse dos cidadãos pelo OPP cresceu nesta segunda edição e revela mesmo que houve casos em que se fez campanha eleitoral por este ou aquele projecto. “Durante o Verão desloquei-me ao Norte e, de repente, à beira da estrada, vi um enorme capaz a apelar ao voto num projecto”, conta.

Este ano, a fase de apresentação de propostas arrancou a 23 Janeiro, prolongando-se até 24 de Abril. Já a fase de votação começou a 11 de Junho e terminou a 30 de Setembro. No próximo ano está já prevista a terceira edição do OPP. Porém, devido a um calendário eleitoral intenso, com três eleições ao longo do ano, vão ser introduzidas algumas alterações, para que calendário do OPP e o eleitoral não se sobreponham. Terá um ciclo mais curto e regras diferentes. Os pormenores, bem como os projectos vencedores da edição de 2018, serão revelados nesta quinta-feira à tarde.