Bruxelas elege linha do Douro como exemplo de potencial económico desaproveitado

Comissão Europeia escolhe linha portuguesa como caso de estudo de ligação transfronteiriça com potencial económico. A linha do Douro e a fronteira franco-alemã de Haguenau-Rastatt foram as duas ligações fronteiriças escolhidas entre as 48 missing links estudadas.

Foto
Manuel Roberto

A reabertura da linha do Douro entre Pocinho e Barca d’Alva e sua continuação para Salamanca (onde já existe estação de Alta Velocidade) foi um dos casos de estudo apresentados na passada terça-feira, 9 de Outubro, em Bruxelas, numa iniciativa da Comissão Europeia durante a Semana das Cidades e das Regiões.

Numa sessão realizada no Palácio da Arte, dedicada às missing links (fronteiras ferroviárias desactivadas ou subaproveitadas), foram apresentados o caso luso-espanhol da linha do Douro, e o da relação transfronteiriça Haguenau-Rastatt que liga a região francesa da Alsácia ao estado alemão de Baden-Wuertemberg e que depende da reabertura de uma ponte sobre o Reno.

Com uma plateia de meia centena de pessoas, na sua maioria franceses e alemães, estiveram de Portugal o presidente da Comunidade Intermunicipal do Douro, Carlos Santiago, o presidente da Câmara de Carrazeda de Ansiães, João Gonçalves, o presidente da Câmara de Sabrosa, Domingos Carvas, a vice-presidente da CCDR do Norte, Ester Silva e técnicos da Comunidade Intermunicipal e de uma empresa de consultoria portuguesa.

A apresentação do caso luso-espanhol foi feita pelo professor da Universidade do Algarve, Manuel Tão, que expôs as vantagens para o país – e não só para o Norte – de uma relação ferroviária directa Porto – Salamanca, mais rápida, mais curta e mais barata do que uma nova linha de Aveiro a Mangualde, tal como o Governo pretende, mas que já foi chumbada por duas vezes por Bruxelas.

Manuel Tão, que falou na sessão a convite da Comissão Europeia, disse ao PÚBLICO que os consultores da KCW que fizeram um trabalho sobre as ligações transfronteiriças referiram que apenas estudaram o tráfego regional inter-fronteiriço com base em modelos demográficos e de rendimentos das regiões portuguesa e espanhola junto à fronteira, não tendo entrado em conta com o tráfego de longo curso (entre o Porto e Salamanca) nem com a procura motivada pelo turismo.

O estudo também não teve em conta as receitas proporcionadas pelo tráfego de mercadorias, cujo potencial é elevado tendo em conta que no extremo da linha está o porto de Leixões.

“Por tudo isto, os responsáveis da KCW entendem que a reabertura se justifica plenamente pois há receitas adicionais não consideradas no estudo, mas lamentam que o Governo português não lhes tenha respondido nem dado qualquer informação”, disse o investigador, que entregou, ele próprio, o estudo da IP sobre a linha do Douro (que esta tem mantido "escondido") ao consultor sénior daquela empresa, Ludger Sippel.

O presidente da Comunidade Intermunicipal do Douro, Carlos Santiago, referiu ao PÚBLICO a importância da linha portuguesa ter sido apresentada neste fórum em Bruxelas e sublinhou o facto de “a região Norte estar de acordo, os especialistas estarem de acordo, a Europa estar de acordo e só o Governo português ser o único que não está de acordo sobre a importância deste investimento”. O também presidente da Câmara de Sernancelhe diz que o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, não pode ignorar mais este assunto e espera que o Governo avance com este projecto.

Em sintonia está o autarca de Carrazeda de Ansiães, João Gonçalves, que releva “a importância estratégica deste investimento, não só para a região, como também para o país”, esperando que “o Governo priorize este projecto” no horizonte 2030.

A consultora KCW estudou, a pedido da Comissão Europeia, 365 ligações ferroviárias entre estados membros da União Europeia tendo seleccionado 48 como geradoras de mais-valias para a economia e o território.

A escolha da linha do Douro para ser apresentada durante a Semana das Cidades e das Regiões foi feita pela própria Comissão Europeia, disse ao PÚBLICO Ludger Sippel. A mesma Comissão que já por duas vezes rejeitou, por falta de viabilidade económica, a intenção do Governo de construir uma linha Aveiro – Mangualde para dar ligação a Espanha.