Segundo suspeito do envenenamento dos Skripal é médico das "secretas" russas

De acordo com um site de investigação, Alexander Petrov, um dos dois suspeitos da tentativa de homicídio do agente duplo russo, Sergei Skripal, no Reino Unido, é, na verdade, Alexander Mishkin.

Alexander Petrov (à esquerda) e Ruslan Boshirov (à direita)
Foto
Alexander Petrov (à esquerda) e Ruslan Boshirov (à direita) Reuters/HANDOUT

O segundo suspeito do envenenamento do agente duplo russo, Sergei Skripal, e da sua filha, Iulia, no Reino Unido, em Março, é um médico dos serviços secretos militares russos, GRU. A informação foi revelada pelo site de investigação Bellingcat, onde se adianta que o seu verdadeiro nome é Alexander Yevgenyevich Mishkin, que foi "pessoalmente condecorado" pelo Presidente russo, Vladimir Putin.

No início de Setembro as autoridades britânicas divulgaram que dois homens, chamados Alexander Petrov e Ruslan Boshirov, foram responsáveis pelo ataque contra Skripal utilizando o agente químico Novichok. Ambos sobreviveram, mas a dose utilizada, na cidade de Salisbury, levou, segundo a política britânica, à morte de uma mulher de 44 anos.

Agora, o Bellingcat revelou a cópia do passaporte de um dos suspeitos e cita fontes que o conhecem para avançar que Alexander Petrov se chama, na verdade, Alexander Mishkin.

Mishkin terá sido recrutado pelos GRU quando estudava na academia militar médica russa e viajou várias vezes, sob a identidade de Alexander Petrov, entre 2011 e 2018, à Ucrânia e ao território da Transnístria, que é disputado por russos e moldavos.

Em 2014, foi "pessoalmente condecorado" por Putin, possivelmente pelas suas actividades na Crimeia.

Ainda segundo o Bellingcat, Mishkin nasceu em Julho de 1979 em Loiga, na província de Archangelsk, no Norte da Rússia. Até Setembro de 2014 a sua morada registada em Moscovo era a da sede dos GRU.

No mês passado, o mesmo site noticiava que o outro suspeito, Ruslan Boshirov, tinha como identificação verdadeira Anatolii Chepiga, sendo um veterano das forças especiais russas.

Depois de terem sido acusados da tentativa de homicídio dos Skripal, ambos os suspeitos deram uma entrevista ao canal russo RT, desmentindo as alegações e garantindo que não passavam de meros turistas.

O Presidente russo, Vladimir Putin, veio também a público afirmar que os homens são civis e que nada tiveram a ver com o envenenamento.

A utilização desta arma química contra Sergei e Iulia Skripal levou ao mais grave conflito diplomático em décadas entre Reino Unido e a Rússia, que foi sendo acompanhado por aliados de Londres, levando à expulsão de mais de uma centena de diplomatas russos de vários países europeus e dos Estados Unidos. Moscovo expulsou também diplomatas de diferentes países.

Em Londres chegou mesmo a responsabilizar-se Putin: o secretário de Estado da Segurança, Ben Wallace, defendeu em Setembro que “é claro” que o ataque teve a mão do Presidente russo.