Palcos da semana

Vêm aí marionetas a sério, música do Brasil e jazz para o Outono. O cinema vai ao museu e Bach é chamado à dança.

Foto
Macbêtes, do Théâtre de La Licorne Christophe Loiseau

Teatro
Delicado, biomecânico, desértico

"O caso é sério, ainda que capaz de nos fazer sorrir." A garantia vem de quem dirige o Festival Internacional de Marionetas do Porto (FIMP), Igor Gandra. "A passagem do tempo e os seus efeitos na nossa vida colectiva, o destino da Humanidade e das suas invenções técnicas" são fios temáticos para a 28.ª edição. Espraiada por formatos e áreas artísticas diversas, acolhe, entre outros, a intimidade delicada d'O Enlace da Mue Marionnettes (inspirada no universo pictórico de Egon Schiele), a relação entre humanos e máquinas – neste caso, um braço robótico – estudada por Aurélien Bory em Sans Objet, o absurdo exposto pelos Macbêtes do Théâtre de La Licorne, o corpo-deserto concebido para Jinn por Carlos Guedes, Kirk Woolford, Kiori Kawai e Cristina Ioan, e as caixas de memórias abertas por Xavier Bobés em Coisas Que se Esquecem Facilmente. Este é apresentado pela primeira vez em Portugal. Entre os 14 espectáculos programados, também há estreias absolutas: Fogo Lento, de Costanza Givone; Quem Sou Eu?, do Teatro de Marionetas do Porto; e Pequeno Cabaret ao Amanhecer, da Limite Zero). A manipulação do FIMP passa ainda por um workshop e três trabalhos em progresso.

PORTO Teatro Municipal do Porto, Teatro Nacional de São João e outros locais
De 10 a 20 de Outubro.
Grátis a 10€ (espectáculo); 35€ (passe geral)

 

PÚBLICO -
Foto
Paulo Pimenta

Música
Do Brasil para 50 anos

Egberto Gismonti, um dos maiores compositores brasileiros, regressa a Portugal para, ao piano e à guitarra, passar em revista cinco décadas de carreira. Autor de obras já interpretadas por orquestras de todo o mundo, o carioca trabalha muito para lá da criação sinfónica. O vasto currículo compreende colaborações com nomes como Gilberto Gil, Charlie Haden, Pat Metheny Olivia Byington ou Maria João, bem como bandas sonoras e música para artes performativas.

PORTO Casa da Música
Dia 9 de Outubro, às 21h.
Bilhetes a 30€

ESTORIL Casino Estoril
Dia 15 de Outubro, às 21h30.
Bilhetes de 15€ a 40€

 

PÚBLICO -
Foto
Anne Van Aerschot

Dança
Concertos em movimento

O percurso da coreógrafa Anne Teresa de Keersmaeker tem sido marcado pelo encontro entre a dança e a música. E Bach tem sido uma das inspirações. O espectáculo Os Seis Concertos Brandeburgueses é um regresso ao repertório do compositor alemão – que, para a criadora belga, "combina a maior das abstracções com uma dimensão concreta, física e, por conseguinte, até transcendental". Aos 18 bailarinos da sua companhia, Rosas, junta-se a B'Rock Orchestra na interpretação musical. A direcção é da violinista e maestrina francesa Amandine Beyer, especialista em música barroca que já trabalhara com Keersmaeker (e Bach) em Partita 2.

LISBOA Culturgest
Dias 12 e 13 de Outubro, respectivamente às 21h e 19h.
Bilhetes a 24€

 

PÚBLICO -
Foto
DR

Exposição
Um cineasta no museu

Além de ser um dos nomes mais sonantes do cinema português, Pedro Costa é um realizador cuja visão artística tem impacto para lá da tela. A Tate Modern (Londres), por exemplo, dedicou uma retrospectiva em 2009 àquele que o The Guardian descreveu na altura com "o Samuel Beckett do cinema". Agora, o Museu de Serralves prepara-se para inaugurar Pedro Costa: Companhia. Com curadoria de João Ribas e Nuno Crespo, a exposição "parte da premissa de cada filme ser uma carta com um destinatário incerto". São exibidas pinturas, esculturas, desenhos, fotografias e, até ao final do mês, uma série de filmes – para começar, dois separados por 20 anos: Casa de Lava, de 1994, e Cavalo Dinheiro, de 2014 (dia 13, respectivamente às 17h30 e 21h30,).

PORTO Museu de Serralves
De 12 de Outubro a 6 de Janeiro. Segunda a sexta, das 10h às 18h; sábado, domingo e feriados, das 10h às 19h (inauguração no dia 12 de Outubro, às 22h).
Bilhetes a 10€

 

PÚBLICO -
Foto
Femi Temowo DR

Música
A viajazzar

Os músicos convidados pelo ciclo Outono em Jazz já costumam ter grande bagagem. Este ano, ela traz ainda mais vincado o carácter de viagem, fusão e aposta na absorção de diferentes culturas (musicais e outras). É o caso do pianista e cantor Oleg Akkuratov, que tanto interpreta standards americanos como repertório russo; do guitarrista Femi Temowo, investido nas suas raízes nigerianas; do sempre flexível Lokomotiv de Carlos Barretto, Mário Delgado e José Salgueiro; do trompetista norte-americano Ambrose Akinmusire, a quem não é estranho o hip-hop; do inovador saxofonista Rudresh Mahanthappa, que incorpora tradições da sua Índia natal; e do encontro de improvisadores polacos e portugueses numa formação encomendada pela Casa da Música. Na viagem desta sexta edição embarcam ainda a Banda Sinfónica Portuguesa, o Tarkovsky Quartet, TGB, Bruno Pernadas, o trio de Laginha, Argüelles e Norbakken, o Duo Finlândia, Amaro Freitas, Youn Sun Nah, o trio de Pinheiro, Ineke e Cavalli, e Matt Bianco.

PORTO Casa da Música
De 7 a 28 de Outubro (programa completo aqui).
Bilhetes de 10€ a 20€ (excepto concertos no Café Casa da Música, gratuitos)