Existe um lugar de estacionamento para cada quatro carros em Lisboa

Estudo do Observatório ACP propõe a criação de 16 mil lugares de estacionamento à entrada de Lisboa, numa rede integrada de nove parques. Ligação com a rede de transportes é uma das prioridades

Existem 200 mil  lugares de estacionamento para os 745 mil carros que entram diariamente em Lisboa
Foto
Existem 200 mil lugares de estacionamento para os 745 mil carros que entram diariamente em Lisboa Enric Vives-Rubio

Lisboa, tal como outras capitais europeias, há muito que se debate com o problema do tráfego rodoviário que invade as zonas centrais da cidade. Um estudo realizado pelo Observatório ACP (Automóvel Clube de Portugal) propõe a construção de uma rede de nove parques de estacionamento localizados nas zonas de acesso à capital, com uma capacidade de 16 mil lugares. Actualmente existem apenas 200 mil lugares para os 745 mil veículos que entram diariamente em Lisboa – por cada quatro carros, há um lugar de estacionamento disponível.

A rede de estacionamentos pretende aproveitar a oferta já existente ao longo de todo o eixo da CRIL entre Algés e o Parque das Nações, e que regista uma menor afluência de utilização durante o dia. O estudo aponta igualmente para o desenvolvimento de uma rede que facilite a ligação aos transportes públicos e que assegure condições para que os cidadãos a eles adiram, “situação que no presente não se verifica”, de acordo com o comunicado enviado às redacções.

Um dos objectivos seria a criação de novos itinerários na cidade, criando alternativas de acesso e descongestionando as principais zonas. Estas medidas permitiriam “devolver espaços para os peões e reduzir as emissões de partículas nocivas”. Em Lisboa, entram mais de 370 mil carros diariamente, número que soma aos restantes 375 mil de quem habita a cidade. A oferta de estacionamento situa-se nos 200 mil lugares.

Em Maio de 2017, a câmara de Lisboa anunciou a criação de 4555 lugares em sete parques “dissuasores” com o intuito de travar a entrada de mais viaturas na cidade. Contudo, refere o estudo, a localização de alguns destes parques já dentro da malha interior da cidade não evita a entrada de carros. Apenas os parques de Pedrouços e Pontinha (em fase de construção) estão efectivamente localizados em zonas tampão à entrada de veículos. O parque da Ameixoeira, que já abriu, e os parques do Areeiro e estádios da Luz e de Alvalade, que ainda serão construídos, já se encontram dentro da cidade, “deitando por terra qualquer esforço de investimento na rede de transportes públicos”, dizem.

O estudo prevê resultados “pouco animadores” para a solução dos parques dentro da cidade. A explicação reside na impossibilidade de saber se a utilização decorre de utilizadores não residentes em Lisboa ou se são apenas usados por habitantes locais. O parque da Pontinha, que chegará um ano depois da data anunciada pela EMEL (Empresa de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa), será uma das infra-estruturas que poderá realmente diminuir a entrada de veículos na cidade, trazendo cerca de 2200 estacionamentos.

Entrecampos vai perder 76% do estacionamento disponível

Ao mesmo tempo que são tomadas medidas com vista à redução da entrada de veículos particulares na cidade, a Câmara Municipal de Lisboa quer reduzir a oferta de estacionamento na zona de Entrecampos. A redução de estacionamento, que poderá chegar aos 451 lugares, consoante o número de futuras reservas de lugares, acontece na sequência da requalificação dos terrenos da antiga Feira Popular, e sem qualquer contrapartida de oferta de zona de parqueamento.

A rede de transportes que serve actualmente a zona é “deficitária”, critica o ACP, e a proposta urbanística apresentada não contempla uma solução para a maior parte das deslocações diárias que a construção de mais de 700 apartamentos, 40 mil metros quadrados de zona comercial, e três creches e um jardim infantil irá gerar.

Texto editado por Ana Fernandes