Portugal não vai acabar com a mudança da hora

Horários de Verão e de Inverno são para manter, disse António Costa à TVI. “Não vejo razão para que se contrarie a ciência.”

Foto
FERNANDO VELUDO/ arquivo

A Comissão Europeia perguntou e a maioria dos que participaram na consulta, incluindo os portugueses, votaram a favor do fim da mudança dos relógios duas vezes ao ano. Mas o Governo não vai abolir a mudança da hora, disse esta segunda-feira o primeiro-ministro, António Costa. A razão: a “ciência”.

“Acho que o bom e único critério é o critério da ciência e o que foi expresso até ao momento pela entidade competente, que é o Observatório Astronómico de Lisboa, é o entendimento que em Portugal devemos manter este regime de horário, com uma hora de Verão e uma hora de Inverno”, disse Costa, em entrevista à TVI. “Não vejo razão para que se contrarie a ciência e se faça algo de forma discricionária.”

O primeiro-ministro referia-se ao relatório, entregue em Agosto, pelo director do Observatório Astronómico de Lisboa (OAL), Rui Agostinho. No relatório de 44 páginas, baseado em diferentes artigos científicos, concluiu-se que se deve manter a situação actual. “Termos um horário de Inverno e de Verão é benéfico para a maioria das pessoas”, afirmou o astrónomo. Porquê? Aproveitam-se mais as horas de sol (até em actividades de lazer e culturais ao ar livre), por exemplo. Já as perturbações de sono com a actual mudança da hora não serão significativas, segundo este relatório.

Quanto aos benefícios da poupança energética com o fim da mudança da hora, também não seria significativa. “O actual regime da hora legal em Portugal com hora de Verão é o melhor quando comparado com as possíveis alternativas”, lê-se no resumo do relatório. Contudo, salienta-se, por exemplo, que a União Europeia e o Estado português deveriam apoiar e aprovar a melhoria do regime actual da hora de Verão, alterando para o último domingo de Setembro em vez de Outubro.

A Comissão Europeia pediu aos 28 Estados-membros para indicarem até Abril de 2019 se pretendem manter-se no horário de Inverno ou Verão depois de Outubro de 2019, que, segundo a proposta de Bruxelas para a abolição da mudança da hora, deve ser o último mês em que os cidadãos europeus atrasam os seus relógios.

O que revelou o inquérito

O inquérito teve mais de 4,6 milhões de respostas, uma participação-recorde para uma consulta pública a nível da União Europeia. Mesmo assim, é de realçar que a população em toda a União Europeia é de cerca de 500 milhões de pessoas.

Além dos 84% que votaram a favor do fim da mudança da hora duas vezes por ano, 76% dos participantes consideram que essa experiência é “negativa” ou “muito negativa”. As principais razões apontadas foram o impacto negativo na saúde, o aumento de acidentes de viação ou a falta de poupanças de energia.

Nesta consulta, 79% dos portugueses indicaram a sua preferência por aplicar permanentemente o horário de Verão no país — uma opção que divide os especialistas.