Torne-se perito

PSD quer mexer no modelo de acesso ao ensino superior

Num dia dedicado à educação, Rui Rio apresentou nesta segunda-feira, no Porto, o documento do Conselho Estratégico Nacional do PSD relativo ao ensino superior.

Fotogaleria
LUSA/ESTELA SILVA
Fotogaleria
Rio com a líder da JSD, Margarida Balseiro Lopes LUSA/ESTELA SILVA
Fotogaleria
Graça de Carvalho e David Justino acompanharam Rio na apresentação do documento estratégico para a educação LUSA/ESTELA SILVA

O PSD quer mexer no modelo vigente de acesso ao ensino superior e o documento estratégico que apresentou nesta segunda-feira sobre a matéria aponta soluções que visam combater as “desigualdades” no acesso e a “promover a inclusão, a equidade e igualdade de oportunidades”.

“Não vou dizer que precisamos de fazer uma revolução, mas precisamos seguramente de alguns ajustamentos que permitam alargar a base daqueles que têm acesso ao ensino superior. Hoje há uma discriminação para lá do aceitável, não só em termos de acesso, mas em termos de sucesso”, declarou Rui Rio à saída Escola Secundária Filipe de Vilhena, no Porto, onde esteve no âmbito do dia que dedicou à educação.

Já a coordenadora para a área do Ensino Superior, Ciência e Tecnologia do Conselho Estratégico Nacional (CEN) do PSD, Graça Carvalho, disse na sessão de apresentação do documento que o actual modelo já não serve. “Chegamos à conclusão de que o regime actual de acesso ao ensino superior não está a dar efeitos do ponto de vista de coesão social e de uma distribuição geográfica mais equilibrada”, afirmou a antiga ministra da Ciência, Inovação e Ensino Superior.

Além do objectivo de “promover a inclusão, a equidade e igualdade de oportunidades”, o documento estratégico, que contou com a participação do ex-reitor da Universidade do Porto, Sebastião Feyo, pretende “alargar a base de recrutamento; diversificar e flexibilizar as vias de acesso e incentivar a uma maior responsabilização das instituições do ensino superior”.

“Aquilo que procuramos desenhar neste documento que agora apresentamos são novas regras e novas aberturas, não só relativamente ao acesso ao ensino superior como ao próprio sucesso dos estudantes do ensino superior”, disse o líder do partido, assumindo que “o grande objectivo político do PSD "é procurar alargar a base de recrutamento dos alunos do ensino superior” e “diversificá-la" também com “alunos internacionais e de países de língua portuguesa”.

“Uma das matérias relevantíssimas do programa de um partido é, naturalmente, a educação”, disse Rio mais tarde, aos jornalistas, no final de uma visita à Escola Superior de Educação do Porto, onde almoçou na cantina com um grupo de alunos, na companhia da líder da JSD, Margarida Balseiro Lopes. Os estudantes aproveitaram a oportunidade para colocar em cima da mesa aqueles que são os seus problemas enquanto alunos universitários e o alojamento está no topo das preocupações. “A queixa mais transversal é a questão do alojamento”, revelou depois Rio aos jornalistas.

O líder social-democrata considera “imperioso ter um plano de oferta de residências universitárias”. “Esta é uma matéria que tem de ser resolvida, em primeiro lugar, por acção de políticas públicas centrais ou municipais”, defendeu. Mas o ex-autarca do Porto abre a porta a parcerias com privados. “Claramente que o motor aqui deve ser a política pública, embora possam ser em parceria com privados e deve ser em muitas circunstâncias”, reiterou.

A duplicação do número de residências universitárias havia sido defendida por Graça Carvalho, na apresentação do documento estratégico, durante a qual a ex-eurodeputada garantiu que, “neste momento, existe uma percentagem baixa de alunos com direito a residências”.

Questionado várias vezes a pronunciar-se sobre as sucessivas críticas à sua liderança, o presidente do PSD recusou sempre comentar as “questões internas” do partido. “Há muitos momentos para definir a liderança de Rui Rio. Não vou fazer isso agora, porque podia parecer resposta a quem tem vindo a criar alguns tumultos”, respondeu.

Sobre a saída de vários militantes do partido, Rio contrapôs: “Desde Janeiro até agora entraram mais de 5000 novos militantes. Não ando a contar os que entram e saem. Sei mais ou menos, em números redondos. Os que saem conto-os pelos jornais e notícias dadas: serão 15, 12, 10 ou 15. Se forem 15, dá pelo menos 4985 de vantagem face aos 5000 que entraram”. com Lusa

Sugerir correcção