Estes é que são os azuis do Restelo. Os outros são só azuis

Depois da separação da SAD, o Belenenses iniciou com uma vitória por 4-0 a sua campanha nos campeonatos distritais com o objectivo de chegar ao topo do futebol português em cinco ou seis anos.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Os domingos à tarde são a hora sagrada do futebol, consagrada nos tempos em que só se via o futebol nos estádios (ou se ouvia na rádio), tempos em que não havia transmissões televisivas. Alguns dirão que era um futebol mais puro, mais de acordo com o associativismo popular que lhe deu origem, no caso do Clube de Futebol Os Belenenses, um grupo de rapazes num banco de jardim a decidir criar um clube para as pessoas de Belém. Tem-se um pouco essa sensação nas bancadas do Estádio do Restelo no último domingo de Setembro de 2018, em que o Belenenses defrontou o Clube Desportivo Olivais e Moscavide-Parque das Nações para a primeira jornada da Série 2 da I Divisão Distrital da Associação de Futebol de Lisboa, um clube de regresso às origens.

Não é um começar de novo. Foram vários passos atrás dados de uma só vez para ir dando um passo em frente de cada vez. Depois de muitos conflitos com a SAD liderada por Rui Pedro Soares (ver texto nestas páginas), o clube, por iniciativa do seu presidente Patrick Morais de Carvalho e sustentado pelos sócios, decidiu separar-se da sociedade que gere o futebol profissional e tentar a sorte no fundo da cadeia alimentar do futebol português, inscrevendo uma equipa numa divisão em que também está outro histórico (o Clube Desportivo Estrela, que carrega as cores e a história do Estrela da Amadora). O objectivo é chegar ao topo em cinco ou seis anos.

Estão mais de duas mil pessoas na bancada central do Restelo para assistir ao primeiro jogo desta equipa construída em mês e meio — na bancada oposta estão cerca de 20 adeptos do clube visitante. Não há números oficiais, mas é uma bancada bem composta, onde estão a ruidosa claque Fúria Azul, com as suas mensagens de incentivo e os cânticos habituais — há uma novidade, um cântico ao ritmo de “Bella Ciao”, uma canção italiana de resistência antifascista, recuperada para os tempos modernos pela série “A Casa de Papel”. É uma escolha adequada, porque esta também é uma história de resistência e isso é um tema recorrente nas mensagens que a central do Restelo passa para o campo. “Ultras contra o futebol moderno”, é o que diz uma das tarjas exibidas pela claque.

PÚBLICO -
Foto
RUI GAUDÊNCIO/PÚBLICO

Há fumo azul e há aplausos quando o “onze” do Belenenses entra no relvado do Restelo nesta tarde de sol e calor. Ouve-se o hino oficial do clube, o árbitro dá o apito inicial e todos os olhos seguem a bola, que está quase sempre nos pés dos jogadores vestidos de azul a representar um emblema que foi campeão nacional em 1946. Aos 32’, a primeira grande celebração. Ricardo Viegas, avançado de 26 anos, marca o primeiro golo e, antes do intervalo, faz o 2-0. Viegas é o único desta equipa que foi profissional do Belenenses antes da separação, utilizado em sete jogos em 2011-12, quando a equipa estava na II Divisão.

Com a formação dividida entre Benfica e Belenenses, Viegas ainda viria a marcar mais um golo no jogo, que seria o 4-0, isto já depois de Evandro Barros, um defesa, ter feito o 3-0 num certeiro golpe de cabeça. O resultado final até pareceu pouco para a enorme diferença de andamento entre este Belenenses e o CDOM-Parque das Nações, a equipa secundária do Olivais e Moscavide. Sem favor, podia ter sido o dobro.

PÚBLICO -
Foto
RUI GAUDÊNCIO/PÚBLICO

Os adeptos ainda estão a adaptar-se a esta nova vida longe da ribalta da I Divisão e muitos, para não dizer quase todos, nem sabem quem são os jogadores. É o caso de Jorge Pinto, um adepto que veste uma camisola com mais de 30 anos. O azul está um pouco desbotado, a cruz vermelha no peito já tem as pontas descoladas e o 2 nas costas já quase não se vê. Jorge Pinto, sócio 1884, explica que é a camisola de jogo de Paulo Monteiro, antigo defesa dos “azuis”, numa final da Taça de Portugal em 1986 (derrota com o Benfica).

É um daqueles adeptos que sabe tudo do clube e segue tudo (e pediu desculpa por estar rouco, mas tinha estado na noite anterior a gritar num jogo de andebol frente ao ABC), mas ainda não sabe quem são os jogadores que tem à frente. Rui Rodrigues, que está ao lado, também ainda não os conhece, mas já tem nomes para eles enquanto não se habitua. “O guarda-redes é o Marco Aurélio, o lateral-direito é o Marcelo”, e assim por diante, diz este antigo guarda-redes de andebol dos “azuis”.

Rui Rodrigues é um dos que se recusa a tratar a equipa da SAD por Belenenses. É “aquela equipa”. “Nós é que somos o Belenenses. Mas há dúvidas?”, lança, referindo-se em termos pouco elogiosos ao líder da SAD. E não vai sequer ver o jogo que o Belenenses SAD iria ter ao princípio da noite, no Jamor, frente ao Sporting de Braga. “Até apostei contra eles”, revela, referindo-se aos “50 ou 60” que apoiam a equipa da SAD em tom pejorativo, “os sadistas”.

PÚBLICO -
Foto
RUI GAUDÊNCIO/PÚBLICO

Nem todos os adeptos que andavam pelo Restelo pensavam assim. Um que não quis ser identificado, disse que iria ao Jamor ver o “outro” Belenenses, mas que nem ele, nem a família, iriam levar qualquer adereço que os identificasse como adeptos do Belenenses. Também o senhor Firmino, que se fez adepto do Belenenses a ouvir na rádio, em tabernas de pescadores, os relatos da equipa de Matateu e Vicente Lucas. “Para mim é tudo Belenenses, não consigo ser contra”, diz este adepto, dono do Volkswagen Carocha dos antigos decorado com as cores e o símbolo do Belenenses que esteve estacionado na relva do Restelo durante o jogo.

É também esta a visão de António Filipe, deputado do Partido Comunista Português, sócio “de nascença” e até agora, com uns anos de interrupção pelo meio. “Lamento que se tenha chegado a este ponto. Em relação à equipa da SAD só posso ter respeito porque é uma equipa que tem as cores e o nome do Belenenses, diz o deputado. A divisão, refere o deputado, é um sinal do que tem acontecido nos últimos anos no futebol e que do qual o Belenenses não é o único exemplo. “Perdeu-se o nexo com as origens populares dos clubes”, disse. Mas ele, tal como os outros dois mil adeptos, saíram com um sorriso porque algum desse espírito começou a ser resgatado naquela tarde de sol num estádio com vista para o Tejo.