Stairway to Heaven: Led Zeppelin enfrentam um novo velho processo de plágio

Decisão de 2016 revertida por recurso. Juiz diz que veredicto continha erros e que o riff da famosa música deve ser reavaliado.

Robert Plant e Jimmy Page
Foto
Robert Plant e Jimmy Page ANDY RAIN/EPA

A banda inglesa Led Zeppelin vai enfrentar um novo julgamento sobre o alegado roubo do riff de abertura de Stairway to Heaven, de 1971, a partir de uma peça instrumental pouco conhecida e composta quatro anos antes.

Um tribunal de segunda instância de São Francisco decidiu, por três contra zero votos, descartar um veredicto de Junho de 2016 que era favorável à banda, citando uma série de erros cometidos pelo juiz anterior. A decisão ressuscita um dos casos de direitos autorais mais acompanhados da indústria musical, potencialmente expondo o vocalista Robert Plant e o guitarrista Jimmy Page à possibilidade de milhões de dólares em pagamentos de indemnizações. Os advogados dos acusados não comentaram ainda o tema.

O processo foi Movido por Michael Skidmore, detentor dos direitos das canções de Randy Wolfe, guitarrista da banda Spirit. Skidmore acusa Plant, de 70 anos, e Page, de 74, de roubar a icónica abertura de Stairway to Heaven da canção Taurus, dos Spirit. O queixoso alega que as canções tinham progressões de acordes semelhantes, e que Page pode ter escrito Stairway depois de ouvir Taurus enquanto os Led Zeppelin e os Spirit estiveram juntos em digressão.

Wolfe, que tocava sob o pseudónimo de Randy California, queixara-se em entrevistas anteriores sobre as similaridades entre as músicas, mas não abriu nenhum processo antes de sua morte, por afogamento, em 1997.

O júri de 2016 havia determinado que embora Plant e Page, que depuseram no julgamento, tenham tido acesso a Taurus, o riff da canção não era intrinsecamente semelhante à abertura de Stairway to Heaven.

Mas na decisão de sexta-feira, o juiz Richard Paez disse que o juiz anterior errou ao não instruir o júri de que o administrador dos direitos poderia prevalecer se Wolfe tivesse criado uma “combinação suficientemente original” de elementos musicais que poderiam ter sido protegidos. Paez também disse que o seu antecessor cometeu erros na forma como instruiu os jurados quanto aos direitos de autor de elementos musicais que estejam já em domínio público e que os deveria ter deixado ouvir Taurus enquanto Page testemunhava para avaliar o seu comportamento e ajudar a determinar se ele tinha ou não tido acesso ao riff.