Os first world problems chegaram à Underdogs pela mão de AkaCorleone

First World Problems é a terceira exposição individual de AkaCorleone na Underdogs. Desta vez, junta a art déco ao construtivismo, juntando os problemas do primeiro mundo.

Os pequenos problemas do dia-a-dia misturaram-se com a art déco e o construtivismo e o resultado são peças inéditas que o artista português AkaCorleone expõe a partir desta sexta-feira na galeria Underdogs, em Lisboa.

"Juntar esses mundos foi o ponto de partida", contou o artista, em declarações à agência Lusa. Primeiro, AkaCorleone escolheu o tema — "pequenos problemas, coisas que parecem dramáticas, mas na realidade não são, coisas do dia-a-dia". Aos First World Problems ("Problemas do Primeiro Mundo", em tradução livre), que é o título da exposição, o artista quis "juntar outro conceito".

"A nível estético e visual esta exposição é muito focada na inspiração da art déco e do construtivismo. Eu queria pegar nessa estética — que já me inspira há muito tempo e à qual associo o meu trabalho — e dar-lhe uma temática contemporânea", explicou.

PÚBLICO -
Foto
Underdogs

Com o legado da art déco em Portugal, "através dos baixos relevos, que se vêem um pouco por todo o lado em entrada de prédios e fachadas", AkaCorleone leva o trabalho "para uma tridimensionalidade, usando uma temática" com a qual toda a gente se relaciona — os first world problems. Como "o despertador não tocou" ou "estou sem wifi no telemóvel".

Para dar "tridimensionalidade" ao trabalho que faz, o artista foi "buscar uma série de técnicas novas, desde cortes a laser em madeira, aos vasos em cerâmica". Além disso, voltou "a utilizar acrílicos" e "a pegar em técnicas com cimento".

As exposições na Underdogs são "especiais"

Quem visitar a exposição irá ver apenas peças inéditas: "Trabalhos completamente novos, a nível de técnicas e de materiais". Até porque, para AkaCorleone, "as exposições na Underdogs têm um cariz especial": "É um pouco o meu laboratório, onde eu acabo por experimentar técnicas que nunca explorei. Porque tenho o apoio da galeria e também porque há uma rede de pessoas a ajudar-me a produzir peças". O artista já expôs individualmente na Underdogs em 2014, com Find Yourself in Chaos, e em 2016, com Over/Under Achiever

Uma das características do seu trabalho é a mistura de cores e isso mantém-se nas peças desta exposição. "Por muito que eu tente, tão cedo não me vou dissociar das cores primárias e das cores complementares, que consigo quando utilizo transparências, e voltei a explorar essa técnica com alguns materiais", disse à Lusa. Mas a mostra inclui também peças nas quais utiliza apenas uma cor, ou nenhuma, "para fazer esse contraste entre peças coloridas e monocromáticas, que se baseiam puramente na textura do material, sem introduzir cor, sem introduzir pigmentos". Para criar contraste, por exemplo, uma peça em cimento está exposta com uma outra colorida ao lado. "Gosto dessas dissonâncias, de brincar, criar esses desequilíbrios, também para não tornar o trabalho demasiado previsível."

PÚBLICO -
Foto

First World Problems, de entrada livre, estará patente na galeria Underdogs até 27 de Outubro. Nascido em Lisboa, AkaCorleone, o alter-ego de Pedro Campiche, começou o percurso no graffiti. Licenciado em Design e Comunicação Visual, chegou a trabalhar como designer gráfico. Tem apresentado o seu trabalho em exposições individuais e colectivas, em Portugal e no estrangeiro, desde 2010.

A Underdogs é uma plataforma cultural, fundada pela francesa Pauline Foessel e pelo português Alexandre Farto (Vhils), que se divide entre arte pública, com pinturas nas paredes da cidade, exposições dentro de portas, na galeria no n.º 56 da rua Fernando Palha, e a produção de edições artísticas originais. A plataforma tem também uma loja, na rua da Cintura do Porto de Lisboa, e começou em 2015 a organizar visitas guiadas de arte urbana em Lisboa.