A arquitectura brasileira tem música

A Casa da Arquitectura inaugura esta sexta-feira a exposição Infinito Vão. Uma viagem pelos últimos 90 anos da arquitectura brasileira com música em fundo, desde os versos de Gilberto Gil e dos primeiros desenhos de Lucio Costa até ao rap das favelas.

Fotogaleria
Infinito Vão mostra 90 anos da arquitectura brasileira André Rodrigues
Fotogaleria
Infinito Vão mostra 90 anos da arquitectura brasileira André Rodrigues
Fotogaleria
Fernando Serapião e Guilherme Wisnik são os curadores da exposição André Rodrigues
Fotogaleria
Infinito Vão mostra 90 anos da arquitectura brasileira André Rodrigues
Fotogaleria
Infinito Vão mostra 90 anos da arquitectura brasileira André Rodrigues
Fotogaleria
Infinito Vão mostra 90 anos da arquitectura brasileira André Rodrigues
Fotogaleria
Infinito Vão mostra 90 anos da arquitectura brasileira André Rodrigues
Fotogaleria
Infinito Vão mostra 90 anos da arquitectura brasileira André Rodrigues
Fotogaleria
Infinito Vão mostra 90 anos da arquitectura brasileira André Rodrigues
Fotogaleria
Infinito Vão mostra 90 anos da arquitectura brasileira André Rodrigues
Fotogaleria
Um banco papa-formigas artesanal é o único elemento extra-arquitectura da exposição André Rodrigues

Antes de chegarmos à nave principal da Casa da Arquitectura, ouvimos música num corredor com luz difusa, quase como um túnel de acesso a uma viagem no tempo: “O verdadeiro amor é vão/ Estende-se infinito/ Imenso monolito/ Nossa arquitectura”, cantava Gilberto Gil em 1981, na canção Drão.

Fernando Serapião e Guilherme Wisnik (ou)viram aqui as palavras certas para abrir o guião da exposição que, há cerca de dois anos e meio, foram desafiados a montar para ser apresentada na nova instituição de Matosinhos. Inicialmente era para ser uma viagem de 50 anos através de 50 obras, mas a empresa acabou por estender-se no tempo e no espaço, e acabou em Infinito Vão – 90 anos de arquitectura brasileira, a mostra que esta sexta-feira é inaugurada na Casa da Arquitectura, onde vai ficar até 28 de Abril de 2019.

A abrir a visita guiada para o PÚBLICO, a dois dias da inauguração e com a exposição ainda em fase final de montagem, os dois curadores brasileiros começaram por justificar o título e a utilização da história da música popular do seu país como guião para esta viagem.

“Gilberto Gil canta que ‘o verdadeiro amor é vão’ e faz uma associação com a arquitectura”, diz Wisnik (n. São Paulo, 1972). O arquitecto, crítico e professor na Faculdade de Arquitectura e Urbanismo (FAU) da Universidade de São Paulo explica que, ao contrário de um dos sentidos desta palavra em português, “o vão não é uma perda, mas uma ideia construtiva, um desafio a superar, algo que se vence”.

A própria montagem da exposição que vamos ver a seguir na extensa nave da Casa exemplifica essa ideia: três grandes arcos de ferro pintado de azul suportam, numa linha elevada, um painel central em metal, cujas faces são os expositores.

Mas antes de chegarmos verdadeiramente à arquitectura, Fernando Serapião (n. São Paulo, 1971), arquitecto, crítico e fundador da revista Monolito, de São Paulo, chama-nos a atenção para uma curiosa peça de artesanato, um papa-formigas em madeira que é um banco construído pelos índios xingu. “É a única peça anterior a 1930 presente na exposição”, diz. 

Infinito Vão desenvolve-se em seis etapas cronológicas e temáticas entre o final da década de 1920 e a actualidade. Mas começa com uma “sala zero”, onde uma mesa parcimoniosamente iluminada desvenda uma selecção de desenhos e projectos originais. “Optámos por os colocar apenas aqui para os conservar, porque seis meses de exposição à luz iriam afectar as peças”, justifica Serapião. Os cuidados necessários à conservação destes originais estão, de resto, documentados num vídeo neste mesmo espaço, que simultaneamente mostra a dimensão da colecção da arquitectura brasileira já reunida pela Casa da Arquitectura, que vai já “em 103 projectos, 4700 peças físicas e mais de 45 mil documentos digitais, além de centena e meia de livros e publicações diversas”, enumera Nuno Sampaio, director executivo da instituição.

Antes de chegarmos à primeira data, há ainda um espaço onde se continua a ouvir música e se podem ler frases, citações, poemas ou aquilo a que os curadores designam como “textos emocionais”, que ajudarão a enquadrar a viagem por quase um século de arquitectura brasileira. E que evoluirá seguindo as produções das duas escolas principais dessa história: a Carioca e a Paulista.

Curiosamente, a primeira citação é do arquitecto Alexandre Alves Costa, a definir a arquitectura deste país como “uma linha horizontal levantada do chão, afirmação simples e delicada de esperança no futuro, força irresistível de dissolução do passado pobre e oprimido, fundação da pátria, abstracta e metafísica”. “Não conhecíamos este texto, ele é o único português aqui citado, e achamos que define bem o que é a arquitectura brasileira”, diz Wisnik.

A história das relações histórico-culturais entre os dois países, e não apenas na arquitectura, pontuará, de resto, todo o percurso. Serapião ilustra esta relação citando, entre risos, o poema Erro de português, de Oswald de Andrade, afixado sobre o papa-formigas: “Quando o português chegou/ Debaixo de uma bruta chuva/ Vestiu o índio/ Que pena!/ Fosse uma manhã de sol/ O índio tinha despido/ O português”.

De Cabral ao Carnaval

Ao entrar no primeiro núcleo, Do Guarani ao Guaraná (1924-1943), os dois curadores paulistas cantam juntos uma “marchinha popular” de Lamartine Babo, que irá ouvir-se em simultâneo com um vídeo: “Quem foi que inventou o Brasil?/ Foi seu Cabral!/ Foi seu Cabral!/ No dia vinte e um de Abril/ Dois meses depois do carnaval”. Que é como quem diz, se os portugueses tivessem chegado a tempo do Carnaval, a história teria sido diferente…

Nesta relação com a história da colonização portuguesa, o primeiro trabalho documentado em Intenso Vão não é tanto uma obra, mas antes o registo da viagem que Lucio Costa fez a Diamantina, em Minas Gerais, na década de 20, numa missão de estudo para conhecer a tradição da construção portuguesa. “Nessa altura, Lucio Costa, como outros arquitectos, era ainda neocolonial ou ecléctico, trabalhando numa tradição historicista” – nota Wisnik –, “mas descobre que o neocolonial é falso, e que a arquitectura deve ser a expressão do seu tempo e não falsear uma coisa do passado”.

É essa experiência que leva o futuro projectista de Brasília a romper com o passado e “se tornar moderno” através dessa ligação com o passado português no Brasil, que "ao mesmo tempo é a senha para o ingresso no futuro”, acrescenta o curador.

Dois momentos também documentadas neste primeiro núcleo permitem perceber esta evolução: a Casa Modernista que o arquitecto imigrante ucraniano Gregori Warchavchik construiu na Rua Itápolis, em São Paulo (1930); e o plano colectivo liderado pelo próprio Lucio Costa para a sede do Ministério da Educação e Saúde no Rio de Janeiro (1936). Situação marcante desta experiência foi Lucio Costa ter conseguido convencer o Governo a contratar Le Corbusier como seu consultor.

O segundo núcleo tem música de João Gilberto, Samba de uma nota só, e designa-se A base é uma só (1943-1957). “É o tempo do minimalismo, a base da Escola Carioca, que vai ter como expressão maior a exposição Brazil built, realizada em Nova Iorque, e que mostra que a arquitectura brasileira está madura e conquista repercussão internacional”, diz Serapião.

O complexo de habitação social Pedregulho, de Affonso Eduardo Reidy (1946) – que antecede em um ano a Unidade de Habitação de Marselha e segue já totalmente o ideário de Le Corbusier –, é o momento mais simbólico deste período. Que vai também levar ao “arrojo estrutural” de um jovem “enfant  terrible” da arquitectura carioca, Sergio Bernardes, a desenhar o Pavilhão S. Cristóvão, com uma cobertura que tem um vão que de algum modo antecipa a pala de Siza na Pavilhão de Portugal, em Lisboa, e o Estádio de Braga, de Souto de Moura – mesmo se aquela cobertura acabou por colapsar. “O Eduardo [Souto de Moura] vai parar aqui e vai gostar de ver isto”, gracejou Serapião, antecipando a visita à exposição do arquitecto portuense.

Na chegada ao terceiro núcleo, e na viragem para o outro lado da exposição, ouvimos Valter Hugo Mãe ler textos de Lucio Costa sobre o plano-piloto de Brasília cruzando-os com a Carta de Pêro Vaz de Caminha. “É a associação da história – e vamos ter mesmo uma réplica da cruz da primeira missa celebrada pelo Pedro Álvares Cabral, vinda da Sé de Braga – com a fundação do Brasil moderno”, acrescenta.

Contra os chapadões meu nariz (1957-1969), com uma canção de Caetano Veloso em fundo, assinala “o momento em que a canção popular vem encontrar a tradição arquitectónica”, diz Wisnik, que assinala, em contrapartida, a circunstância histórica de esse período coincidir com a implantação da ditadura militar (1964-1985). Oscar Niemeyer, o autor dos edifícios públicos de Brasília, e Vilanova Artigas – o criador da FAU em 1961, e que a ditadura impediu de leccionar na sua faculdade – são os únicos arquitectos e terem retratos de grande dimensão na exposição, junto a um núcleo em que vale também a pena prestar atenção ao projecto inovador de Lina Bo Bardi para o Museu de Arte de São Paulo (MASP).

Chico Buarque canta em Eu vi um Brasil na TV (1969-1985), capítulo que mostra o reflexo, na arquitectura, do chamado “milagre económico” da época da ditadura, que levou, por exemplo, Eduardo Longo a projectar para si próprio a Casa Bola (1974), um projecto sempre inacabado que, pelos anos adiante, se tornou tanto expressão da contra cultura como de “um pós-modernismo, que, no Brasil, não é historicista mas mais formal e especulativo”, nota Serapião.

Paralelamente. O arquitecto mineiro Severiano Mario vai para a Amazónia construir o Centro de Protecção Ambiental de Balbina, numa outra vertente do modernismo adaptado ao clima da selva.

Inteiro, não pela metade (1985-2001), com música da banda de rock Titãs, marca o regresso da Escola Paulista à primeira linha, já não com Artigas, que morre em 1985, apenas um ano depois de finalmente ser admitido na sua Universidade, mas com o seu discípulo e continuador Paulo Mendes da Rocha, que em 1987 projecta o Museu Brasileiro de Escultura (MuBE), que com o seu amplo vão justifica uma vez mais o título da exposição.

Outra via é seguida por João Filgueiras Lima, o “Lélé”, discípulo de Niemeyer, que projecta para Salvador o Hospital Sarah Kubitschek, experimentando novos materiais e novas técnicas construtivas.

Depois da queda da ditadura, “há uma fome de criar um Brasil novo, mas ao mesmo tempo sobram todas as questões de um país dividido por uma diferença económica e social grande”, diz Serapião.

Finalmente, a geração actual tem Sentimento na sola do pé (2001-2008), parafraseando a música rap dos Racionais MC’s. O curador nota que “já não há a inocência do lirismo do passado, as favelas foram crescendo, e esse abismo social ficou absurdo e um problema muito maior”. Mas continua a haver arquitectos a querer responder a esta situação, como o uruguaio pós-moderno Héctor Vigliecca, que projectou o parque habitacional Novo Santo Amaro V nos subúrbios de São Paulo. Mas também há, do outro lado, “uma cena hedonista”, expressa, por exemplo, na Galeria Adriana Varejão, que Rodrigo Cerviño projectou para o parque de Inhotim (2004), em Minas Gerais.

Infinito Vão encerra com uma série de vídeos a mostrar projectos de jovens arquitectos envolvidos com as comunidades mais desfavorecidas, a querer desenhar um Brasil diferente, como se este não fosse o país do sol e do Carnaval.

Calendário transatlântico

Os seis meses de vigência da exposição vão ser acompanhados com um vasto programa paralelo nos dois países, comissariado por Nuno Sampaio, que inclui visitas guiadas – como as que esta sexta-feira à noite assinalam a inauguração –, conversas, conferências, concertos (este sábado, actua Adriana Calcanhotto, que no domingo fará uma leitura encenada de textos), um ciclo de cinema, com extensão à Casa das Artes e à Casa da Música, no Porto. Infinito Vão será também tema para um livro, que será primeiro lançado no Brasil, e só depois em Matosinhos.

“Vamos ter um programa paralelo nos dois países, porque é muito importante que o Brasil reconheça a excelência dos seus profissionais, e aí nem sempre os grandes arquitectos são reconhecidos como deveriam”, justifica o director da Casa da Arquitectura.

Duas casas de Paulo Mendes da Rocha

Paulo Mendes da Rocha vai ser o primeiro sócio honorário da Casa da Arquitectura. O arquitecto paulista que projectou o novo Museu dos Coches, em Lisboa, doou já os arquivos relativos a esta e outras obras à instituição de Matosinhos, e aí regressa este fim-de-semana para fazer uma conferência (domingo, às 18h30), mas também para inaugurar, este sábado, a exposição de duas casas suas na Galeria da Casa. Reafirmando o “diálogo transatlântico” proposto pelos curadores Fernando Serapião, Guilherme Wisnik e Nuno Sampaio, a mostra reúne testemunhos da Casa Gerassi, em São Paulo (1990), e da Casa da Rua do Quelhas, em Lisboa (2017), esta desenhada em co-autoria com Inês Lobo. Esboços, maquetas mandadas fazer expressamente para a exposição, fotografias e um registo audiovisual da construção das duas habitações compõem esta mostra que pode ser visitada até 10 de Fevereiro.