Conteúdo comercial

Futuro da Água: a inovação faz-se em conjunto

A Fábrica de Água de Alcântara recebeu ontem, 26 de Setembro, o segundo encontro Caminho da Inovação’18 – Expo & Networking, de olhos postos na inovação do sector da água.

Fotogaleria
Carlos Martins, Secretário de Estado do Ambiente Fábio Pinto
Fotogaleria
António Frazão, presidente o Conselho de Administração da AdTA Fábio Pinto
Fotogaleria
Caminho da Inovação’18 – Expo & Networking Fábio Pinto
Fotogaleria
Caminho da Inovação’18 – Expo & Networking Fábio Pinto
Fotogaleria
Caminho da Inovação’18 – Expo & Networking Fábio Pinto
Fotogaleria
Caminho da Inovação’18 – Expo & Networking Fábio Pinto

Na sessão de abertura do encontro Caminho da Inovação’18 – Expo & Networking, que decorreu esta quarta-feira, António Frazão iniciou os trabalhos dando foco ao principal motivo da reunião - a inovação -, mas não esqueceu todos os que têm ajudado a Águas do Tejo Atlântico (AdTA) na prossecução dos seus objectivos. “A inovação não se faz sozinha, faz-se em conjunto”, lembrou António Frazão. 

O presidente o Conselho de Administração da AdTA continua de olhos postos no cumprimento dos objectivos estabelecidos para 2027, com destaque para o projecto Água+, que, segundo o próprio, procura atingir “30% de água reutilizada nas nossas Fábricas de Água”. Para alcançar esta meta, o responsável admitiu, à margem do encontro, que “temos de apostar na inovação e pedir aos convidados e parceiros que colaborem connosco”.

Entre os outros subprodutos que a empresa está a trabalhar, António Frazão destacou as biolamas, “um subproduto que queremos rentabilizar, melhorando as condições em que as lamas estão a ser enviadas para a agricultura”, nomeadamente com a redução dos encargos de transporte e o aperfeiçoamento do modo de aplicação no terreno.

A tecnologia será um aliado para a AdTA alcançar outros dos objectivos da empresa, a que o presidente do Conselho de Administração chamou de “água digital”. É com a inovação tecnológica, nomeadamente a inteligência artificial, que o responsável pretende melhorar o desempenho das várias Fábricas da Água e tornar cada um desses postos de tratamento de águas residuais em locais com “consumo neutro de energia”.

Sector das águas é um exemplo de inovação

Também presente na sessão, o Secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins apresentou Portugal “como um caso de sucesso internacional no sector da água”, citando o International Water Association. O reconhecimento deve-se a todo o percurso que o país realizou num curto espaço de tempo ao nível do alargamento do saneamento básico.

PÚBLICO -
Fábio Pinto

Para Carlos Martins, é “premente não perder o rumo nesta caminhada para que seja possível atingir os objectivos do Desenvolvimento Sustentável 2030, nomeadamente os que dizem respeito às alterações climáticas”. Para isso, reconheceu a necessidade de “gerir com maior eficiência os nossos recursos hídricos”, ultrapassando “algumas dificuldades culturais que as pessoas ainda têm para fazer essa reutilização [da água]”.

As biolamas podem ser outra resposta aos problemas ambientais se em vez de serem “encaradas como um problema”, passarem a ser vistas como “uma oportunidade”. “O ideal é que elas possam ser colocadas, utilizadas e valorizadas, tirando valor dos nutrientes que essas lamas têm, potenciando a sua utilização, sobretudo agrícola”, explica o Secretário de Estado do Ambiente.

Duarte Cordeiro, responsável pelo Pelouro da Economia e Inovação na Câmara Municipal de Lisboa (CML), reforçou que este encontro “é um bom exemplo de como o sector das águas tem contribuído para a inovação”. A prova disso é que Lisboa vai ser a Capital Europeia do Ambiente em 2020 e “o sector das águas teve um papel muito importante nessa candidatura”, referindo-se aos vários projectos que tem desenvolvido ao nível da reutilização da água da AdTA e da gestão da eficiência da perda de água por parte da EPAL.

A sessão da tarde foi dedicada ao tema “Empreendedorismo e o papel das startup na Inovação”, com um painel moderado por João Nuno Mendes, Presidente do Conselho de Administração da Águas de Portugal.

Do programa fez, também, parte a atribuição dos prémios aos melhores projectos que contribuíram para a eficiência dos processos de tratamento das águas residuais e uma sessão sobre o “LIFE Impetus – Controlo de compostos farmacêuticos em ETAR”, com um painel moderado pelo Pedro Póvoa, director de gestão de activos da Águas do Tejo Atlântico. A fechar este segundo encontro Caminho da Inovação’18 – Expo & Networking esteve o Ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes.