Rio tinha informações que "não podia revelar" e já “estava à espera”

Presidente da República lembra que "insistiu desde o primeiro dia no esclarecimento integral do caso de Tancos" e CDS quer comissão parlamentar de inquérito.

Rui Rio
Foto
Rui Rio LUSA/RODRIGO ANTUNES

A 9 de Setembro, numa intervenção no encerramento da Universidade de Verão do PSD, Rui Rio pedia celeridade à investigação ao roubo em Tancos. Revelava também que, sobre o assunto, não dizia tudo o que sabia. Repetiu-o dois dias depois: “Tenho outras informações, mas não posso dizer.” Ontem, já depois da operação desencadeada pela PJ, Rio afirmou que já estava "à espera" do que se passou na terça-feira.

"Estava efectivamente à espera, estava era à espera que já tivesse sido", afirmou o presidente do PSD citado pela agência Lusa.

Para o líder social-democrata, “dentro da anormalidade do que aconteceu”, começou-se “a caminhar para a normalidade”. Que é “descobrir o que aconteceu, punir quem deve ser punido e não voltar a acontecer semelhante coisa".

Rui Rio salientou ainda que, sendo habitualmente muito crítico do funcionamento da justiça, ficou “particularmente satisfeito" por se entrar "no trilho certo".

"Folgo em saber que quer a Polícia Judiciária, quer o Ministério Público actuaram e é assim que deve ser. Fico contente com isso, o caso Tancos não se pode arrastar indefinidamente", afirmou.

Já o presidente da comissão parlamentar de Defesa Nacional, o social-democrata Marco António Costa, disse registar as detenções ocorridas no âmbito de uma investigação ao aparecimento de armas furtadas em Tancos, escusando-se a fazer qualquer comentário. "Ocorreu uma acção que não nos merece nenhum comentário. Foi uma acção do DCIAP [Departamento Central de Investigação e Acção Penal] relativamente ao processo de Tancos, é só registar", disse Marco António Costa.

Marcelo Rebelo de Sousa, que se encontra em Nova Iorque para participar na Assembleia Geral da ONU, divulgou uma nota no site da Presidência da República a relembrar que "insistiu desde o primeiro dia no esclarecimento integral do caso de Tancos" e que reiterou recentemente que esperava desenvolvimentos.

“O Presidente da República relembra que insistiu desde o primeiro dia no esclarecimento integral do caso de Tancos e na importância da investigação criminal; ainda recentemente, a 10 de Setembro, reiterou que esperava desenvolvimentos nessa investigação”, refere a nota presidencial.
Mais tarde, questionado pelos jornalistas, limitou-se divulgou uma nota a propósito das detenções relacionadas com o caso de Tancos por considerar que "era tão importante", mas recusou falar do tema no estrangeiro.

O CDS-PP foi mais longe que o PSD e anunciou que ia propor uma comissão parlamentar de inquérito sobre o desaparecimento e reaparecimento de material militar em Tancos. Nuno Magalhães, líder da bancada centrista, afirmou que o objecto da iniciativa é "apurar responsabilidades políticas", remetendo as responsabilidades criminais para os tribunais.

"Queremos apurar aquilo que foi feito e não foi feito pelo ministro [da Defesa Nacional] para impedir o furto de material de guerra e que fosse recuperado o mais depressa possível e que pudesse apurar a responsabilidades internas, que desse garantias de que não voltasse a suceder. Nada disso o ministro foi capaz de fazer", disse o líder parlamentar em conferência de imprensa no Parlamento.

À noite, Carlos César confirmou que o PS "não tem nenhuma razão para se opôr" e disse que a questão da responsabilização política é, para o PS, pacífica. "Se o CDS acha que deve haver, pois então haverá comissão de inquérito", disse em entrevista na RTP3.

O líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, sustentou que as detenções realizadas no âmbito da investigação ao caso do furto de armas dos paióis de Tancos mostram que a justiça "não está parada" e disse esperar resultados "o quanto antes".

"Este é o momento da investigação e é o momento de separar a política da justiça. Esperamos que estas acções tenham consequência o quanto antes para que depois a política possa tirar consequências dessas acções", afirmou, num claro recado ao CDS. Com Sofia Rodrigues e Lusa