Em Lisboa, turistas ouviram residentes dizer: “A cidade é nossa!”

Centenas de pessoas vindas dos bairros históricos e das periferias desfilaram na capital pelo "direito à habitação" e o "fim da especulação".

Foto

O cortejo passa ao lado dos turistas sentados nas esplanadas do centro de Lisboa, e da fila de tuk-tuks a caminho do Rossio, onde na fachada do Teatro D. Maria II, um enorme cartaz sentencia “Há lugar para todos”. As palavras ali colocadas para uma outra manifestação, contra o racismo, serviram este sábado para dar voz ao direito à habitação e contra a especulação imobiliária. “Há lugar para todos?” A pergunta ecoou várias vezes no microfone da carrinha aberta que liderava o cortejo, antes da resposta: “Não! Só para quem tem privilégios.”

Centenas de pessoas desceram a Av. Almirante Reis, passaram pelo Martim Moniz e Rossio, seguindo depois em direcção ao Terreiro do Paço até ao Cais do Sodré. A manifestação juntou dezenas de associações e foi uma das iniciativas que entre os dias 20 e 26 juntam em Portugal associações de Espanha, França e outros países europeus.

Pessoas passeavam cartazes em português ou inglês, num dos quais se lia: “Hands off our houses [Larguem as nossas casas]”. Turistas sentados em esplanadas repletas observavam.

PÚBLICO -
Foto

“Esta mensagem está em inglês para os turistas perceberem que talvez haja outras alternativas ao alojamento local” e que essa opção traz consequências, diz Marta Caeiro, 30 anos, que esperaria encontrar nas pessoas do seu bairro uma comunidade, uma rede social de apoio. Mas o que encontra no seu prédio e na sua rua são desconhecidos que ficam uma semana e saem para dar o lugar a outros. “Partilho a casa com amigas. Só assim é possível viver em Lisboa, mas sempre com medo de ser despejada ou confrontada com um aumento da renda”, diz.

Quero Morar Aqui: clique aqui para ver a reportagem interactiva sobre Paula Magalhães e Carla Pinheiro, duas mulheres que a crise da habitação transformou em activistas

“É um fenómeno global”, relativiza Chris, 52 anos, australiano de passagem. Aconteceu no centro de Sydney, acontece em Londres, expõe. Em Nova Iorque, já se estão a impor limites ao alojamento local, acrescenta a mulher Emma. “Lisboa não foge à regra. Está a acontecer como aconteceu em Barcelona”, diz Chris para quem o alojamento local é uma escolha por ser “muito mais barato do que o hotel”.

PÚBLICO -
Foto

Também aconteceu na Normandia, explica um casal francês que se apresenta como senhor e senhora Hamis. “Muitas pessoas enfrentaram dificuldades, porque os ingleses e outros estrangeiros vieram instalar-se e compraram casas na Normandia. Os preços aumentaram muito. Entendemos este protesto [em Lisboa] e admiramos a forma tranquila como decorre”, acrescenta o senhor Hamis sobre o que vê.

Há música ao vivo e pessoas a quem o calor só torna as suas palavras de ordem soarem mais intensas e urgentes. Vêem-se cartazes com mensagens em várias línguas com “Lisboa a saque” ou “eu despejo, tu despejas, ele despeja” junto à imagem da ex-ministra e líder do CDS-PP Assunção Cristas. Repetem-se palavras de ordem: “A cidade é nossa”; “O bairro unido jamais será vencido”, numa evocação da revolução do 25 de Abril, antes de se ouvir, pelos altifalantes, que “é incrível, mas é verdade, estamos aqui para reconquistarmos os nossos direitos”.

Frente ao Café Nicola, do outro lado do que antes era a Pastelaria Suíça, sobe à carrinha (transformada em palanque) Ricardina e Maria, do bairro da Torre. Pretendem juntar a voz aos residentes dos bairros pobres da periferia, “onde não há acesso a nada”, ao protesto de quem vê o seu direito a habitar em Lisboa ameaçado pelo alojamento local para turistas ou a compra de casas para venda, com margens de lucro e os preços inflacionados pela especulação.

PÚBLICO -
Foto

“Vivemos fora do mundo, sem acesso a água, sem acesso a nada. Unidos venceremos e a luta vai continuar. Este é o começo da luta pela habitação digna”, diz Ricardina que arranca aplausos de pessoas jovens e outras de muita idade, com um ar frágil. Não desfilam mas marcam presença, permanecendo nos bancos de rua ou em cadeiras de rodas, num protesto que também lhes pertence.