Três exposições desenham o mapa de Itália na primeira Porto Design Biennale

A nova bienal repartida pelas cidades do Porto e de Matosinhos já tem programa. E vai instituir um Prémio Nacional de Design.

Fotogaleria
A primeira loja Porto Design Biennale abriu em Matosinhos, no edifício da Real Vinícola ANDRÉ RODRIGUES
Fotogaleria
A primeira loja Porto Design Biennale abriu em Matosinhos, no edifício da Real Vinícola ANDRÉ RODRIGUES
Fotogaleria
A primeira loja Porto Design Biennale abriu em Matosinhos, no edifício da Real Vinícola ANDRÉ RODRIGUES
Fotogaleria
A primeira loja Porto Design Biennale abriu em Matosinhos, no edifício da Real Vinícola ANDRÉ RODRIGUES
Fotogaleria
A primeira loja Porto Design Biennale abriu em Matosinhos, no edifício da Real Vinícola ANDRÉ RODRIGUES
Fotogaleria
A primeira loja Porto Design Biennale abriu em Matosinhos, no edifício da Real Vinícola ANDRÉ RODRIGUES

Itália é o país convidado da primeira Porto Design Biennale (PDB), que decorrerá entre Setembro e Dezembro de 2019 sob o tema Post Millennium Tension. "É um território em estado de desafio", justificou José Bártolo, curador geral da PDB 2019, apontando um país "estimulante" por culpa das "tensões políticas, económicas e sociais" dos últimos anos.

A colaboração entre os dois países prevê três exposições (Território Itália, Os Maestros Italianos e Riccardo Dalisi — Arte, Design e Compromisso Social), pretexto para uma "reflexão sobre o design italiano contemporâneo, as suas modalidades de projecto, as novas relações entre designers, produção e consumidor final, e sobre as razões que levam ainda hoje, num mundo repleto de objectos e em plena crise ambiental e social, a projectar objectos que são expressão do luxo e da opulência". Território Itália — as novas fronteiras do design italiano (curadoria de Maria Milano e Lucio Magri) relaciona as diferentes realidades socioeconómicas, políticas e produtivas do país com as mais interessantes expressões do design contemporâneo e emergente. A mostra Os Maestros Italianos (curadoria de Paolo Deganello e Maria Milano) junta 50 objectos seleccionados a partir da colecção do Museu La Triennale di Milano. E Enrico Baleri assina a primeira grande retrospectiva sobre o artista e designer Riccardo Dalisi e o seu trabalho no território de Nápoles.

"Não fazemos questão de ser a capital do design, mas de influenciar a região e o país", referiu Luísa Salgueiro, presidente da Câmara Municipal de Matosinhos durante a apresentação do programa oficial da bienal, que aconteceu no espaço ESAD — Idea, Associação para a Investigação em Design e Arte, sede da PDB'19, em Matosinhos. A Porto Design Biennale surge depois do desaparecimento da ExperimentaDesign, cumpridos 18 anos de actividade e nove edições. "A região entrará no mapa e estou certa de que este evento nos transportará para muitos outros destinos", disse Luísa Salgueiro. Ao seu lado, Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto, destacou a "articulação" entre os dois municípios. "No passado, isto não era assim."

"Pensar o novo milénio e o lugar do design num quadro de mudança, com especial atenção ao design português." É também a isso que se propõe a bienal noutra exposição central desta primeira edição, Millennials — Design do Novo Milénio (curadoria de José Bártolo), focando os projectos e processos de trabalho dos designers nascidos entre as décadas de 1980 e 90 e "reflectindo sobre o que pode caracterizar e diferenciar uma geração de designers que é formada e que se integra no mercado de trabalho em circunstâncias profundamente novas". Mas a PDB também quer "marcar a paisagem". Papel importante desempenhará nesse âmbito a exposição Soft Design/ Hard Design (curadoria de José Bártolo), que construirá um mapa do design industrial português contemporâneo contrapondo objectos de micro-escala e equipamentos industriais de grande dimensão — sendo que alguns desses mega-objectos serão colocados na via pública. Finalmente, a a exposição Portugal Industrial, com curadoria de Megan Dinius e Michel Charlot, reunirá objectos de vários fabricantes nacionais, contando a história do design industrial português.

Um prémio e duas lojas

O dia serviu ainda para apresentar um Prémio Nacional de Design "com o objectivo de distinguir a excelência do design português" — o prémio será atribuído a um "designer ou estúdio de design que se tenha notabilizado através de um percurso coerente, inovador e criativo nos últimos cinco anos" —, bem como as duas lojas PDB, uma em Matosinhos (na Real Vinícola, junto à Casa da Arquitectura e à nova sede da Orquestra Jazz de Matosinhos, a inaugurar também esta semana), a outra no Porto (no Palacete Viscondes de Balsemão) com objectos de designers portugueses seleccionados (e alguns internacionais) para além do merchandising com a marca PDB.