Messi entra na Champions com um hat-trick

Argentino foi preponderante na goleada do Barcelona ao PSV. Tottenham perdeu em Milão.

Foto
LUSA/ALEJANDRO GARCIA

Da jornada vespertina da Liga dos Campeões, há a registar uma reviravolta em Milão, entre Inter e Tottenham (2-1), e uma goleada em Camp Nou, imposta pelo Barcelona ao PSV (4-0). Desse triunfo robusto ressalta um nome em particular, que não constitui surpresa para ninguém: Lionel Messi iniciou a sua caminhada na edição deste ano da prova com um hat-trick, replicando o que fizera há dois anos.

Em 2016-17, o Barça esmagou o Celtic na jornada inaugural da fase de grupos, com um 7-0 que também contou com três golos do argentino. Na época passada, Messi conseguiu um "bis" no arranque da prova e nesta terça-feira assinou mais um hat-trick. Tudo começou aos 31', na marcação de um livre directo, ficando o segundo e o terceiro golos reservados para a segunda parte: aos 77', finalizou de primeira a passe de Rakitic, aos 87' aproveitou a assistência de Luis Suárez para se isolar e fechar o resultado.

Foi uma ponta final demolidora dos catalães, já que o 2-0 tinha chegado apenas aos 74', por Dembélé. E os "blaugrana" ainda se deram ao luxo de verem o central Umtiti ser expulso a poucos minutos do fim, ainda antes do derradeiro golo do encontro, que faz de Messi o jogador com mais hat-tricks na história da Liga dos Campeões (oito, contra sete de Cristiano Ronaldo).

No outro jogo do Grupo B, se houve adeptos do Inter que deixaram o Estádio Giuseppe Meazza mais cedo, conformados com uma provável derrota, agora estarão amargamente arrependidos. É verdade que o Tottenham se colocou em vantagem aos 54', pelo dinamarquês Christian Eriksen, mas os derradeiros sete minutos da partida viraram tudo de pernas para o ar.

Aos 85', Asamoah cruzou da esquerda para a cabeça da área e Mauro Icardi deu largas a todo o seu talento como um pontapé de primeira, que só parou no funda da baliza de Michel Vorm. Era um mal menor para os "nerazzurri", mas a verdade é que ainda tinham mais uma carta na manga. Em tempo de compensação, aos 90+2', Matías Vecino aproveitou um pontapé de canto para, de cabeça, assegurar um triunfo que coloca os italianos com os mesmos três pontos do Barcelona no topo do grupo.