Eixo Atlântico propõe ligação da Linha do Minho ao aeroporto do Porto

Estrutura que promove cooperação transfronteiriça no Noroeste Peninsular entregou a ministro do Planeamento propostas de investimento para o próximo ciclo comunitário.

Foto
Nelson Garrido

Os estudos estão todos por fazer, até porque ainda ninguém se tinha lembrado de estudar que poderia ser vantajoso fazer a integração do acesso ao aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, com a oferta ferroviária, e com isso atrair passageiros da Galiza para acederem ao principal aeroporto da Noroeste Peninsular através de comboio sem terem de se deslocar a Campanhã. Mas a construção de uma nova conexão ferroviária entre a Linha do Minho e o aeroporto Francisco Sá Carneiro é mesmo uma das principais propostas da lista de investimentos que o Eixo Atlântico  fez ao ministro do Planeamento e Infra-estruturas, Pedro Marques.

O Eixo Atlântico é uma associação transfronteiriça dos municípios do Noroeste Peninsular, actualmente presidida pelo alcalde (presidente) do município O Barco de Valdeorras, em Ourense, e que tem na vice-presidência a autarca da Câmara de Matosinhos, Luísa Salgueiro. A proposta de ligação entre ao aeroporto Sá Carneiro e a Linha do Minho foi apresentada pela Câmara da Maia, que argumenta também com as vantagens que existiriam para os municípios, habitantes e empresas, em terem acesso à rede ferroviária de bitola larga através da Linha do Minho.

De acordo com o relatório de 170 páginas em que são elencadas as propostas de investimentos a fazer em termos de transportes em ambos os lados da fronteira, a menor distância entre as duas infra-estruturas situa-se nos arredores da estação de Leandro, na Linha do Minho. E que, em linha recta, do terminal do aeroporto até à estação de Leandro representa uma distância de 9,7 quilómetros.

Em 2017, o aeroporto Francisco Sá Carneiro bateu todos os recordes e ultrapassou, pela primeira vez, a barreira dos dez milhões de passageiros movimentados (o que faz dele o maior aeroporto em extensão e em operação da região Noroeste Peninsular). Mas o acesso ao terminal é feito em exclusivo pela via rodoviária, ou através do metro do porto. Aliás, é através da linha e do metro do Porto que os passageiros ferroviários poderão aceder à infra-estrutura aeroportuária. A ideia desta proposta é eliminar a obrigatoriedade de ir a Campanhã para quem está a circular na Linha do Minho.

Na lista de propostas feitas para o lado português da fronteira encontra-se também a modernização da Linha do Vouga, um investimento de 68 milhões de euros (o estudo data de 2012) e que permitiria uma redução de tempo de viagem entre Oliveira de Azeméis e Espinho em cerca de 30 minutos, facilitando a ligação ao Porto em apenas uma hora. Este investimento também poderia permitir a circulação de mercadorias.

Há ainda mais três sugestões de investimentos nas linhas ferroviárias, que implicariam maiores investimentos e estão menos fundamentadas. Uma delas é a melhoria do acesso da cidade de Braga à Linha do Minho, que actualmente é feita a partir de um ramal da estação de Nine, e que permitiria à cidade de Braga ter acesso directo à estrutura minhota. Para tal seria necessário planear uma nova linha Porto-Braga-Viana do Castelo. As outras propostas são a criação de uma estação ferroviária no Europarque, em Santa Maria da Feira, que pudesse servir de interligação entre as linhas do Norte e do Vouga e ainda a análise da viabilidade de uma conexão ferroviária entre Porto e Bragança.

Sugerir correcção