Tempestade tropical Helene pode atingir este sábado rajadas de vento até 150 quilómetros nos Açores

A tempestade tropical começará por atingir as ilhas Flores e Corvo na madrugada de sábado. O IPMA elevou para vermelho o alerta relativo à intensidade da chuva nessas ilhas.

Foto
As tempestades Florence, Isaac e Helene no Oceano Atlântico LUSA/NASA HANDOUT

A tempestade tropical Helene – que já foi furacão – localizava-se na madrugada deste sábado a 780 quilómetros da ilha das Flores e deslocava-se para norte a uma velocidade de 30 quilómetros por hora. Chuvas fortes e um aumento gradual da intensidade do vento e da agitação marítima msão esperadas ao longo do dia. A meteorologista Vanda Costa, da delegação do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) dos Açores, diz ao PÚBLICO que esta tempestade tropical irá passar sobretudo nos grupos Ocidental e Central e que a população deve estar atenta e seguir sempre as indicações da Protecção Civil.

A Helene está a deslocar-se para Norte a uma velocidade de 37 quilómetros por hora e a previsão é que ficará a menos de 30 quilómetros da ilha das Flores às 18h de sábado. Ainda assim, “é muito provável” que as ilhas do grupo Ocidental e do grupo Central comecem a sofrer os efeitos da tempestade já a partir das 6h de sábado. A tempestade atingirá primeiramente as ilhas Flores e Corvo, estendendo-se depois às ilhas do grupo Central (Terceira, Graciosa, São Jorge, Pico e Faial).

O IPMA elevou na manhã desta sexta-feira para vermelho o alerta meteorológico relativo à precipitação para o grupo Ocidental para o dia de sábado (a vigorar entre as 12h e as 00h); as duas ilhas estarão ainda em alerta laranja quanto à agitação marítima e intensidade do vento. A entrar em efeito no sábado, o grupo Central estará em alerta laranja quanto à chuva, vento e agitação marítima.

O grupo Oriental (Santa Maria e São Miguel) não será tão atingido, mas prevê-se que o céu esteja muito nublado com precipitação forte e rajadas de vento na ordem dos 85 quilómetros por hora. O continente e o arquipélago da Madeira não deverão ser afectados, a não ser sob a forma de agitação marítima. "Podemos sentir alguns efeitos no dia 17, segunda-feira. Pode haver um aumento da agitação marítima na faixa costeira ocidental e na Madeira", disse à Lusa a meteorologista Patrícia Gomes.

No ano passado, o furacão Ophelia passou em Outubro pelos Açores, sem que se registassem feridos nem consequências graves. “Como passou mais ao lado das ilhas não afectou tanto”, explica a meteorologista Vanda Costa, referindo que o furacão era “muito mais gravoso” do que a tempestade tropical Helene e que esta tempestade não deverá representar tanto perigo pela sua menor intensidade – mesmo atingindo directamente as ilhas.