Democratas inflacionaram mortes provocadas por furacão em Porto Rico, acusa Trump

O Presidente norte-americano rejeita os números das autoridades, mas não apresenta qualquer prova de manipulação. Declarações surgem numa altura em que um novo furacão se aproxima dos Estados Unidos.

Foto
Reuters/Jonathan Ernst

O Presidente dos Estados Unidos contesta a contagem oficial do número de mortos provocados pelo furacão Maria, que atingiu Porto Rico em Setembro de 2017. Donald Trump rejeita que tenham morrido três mil pessoas naquela ilha e acusa os democratas de inflacionarem o número de vítimas para prejudicar a sua imagem.

"Não morreram 3000 pessoas nos dois furacões que atingiram Porto Rico. Quando eu deixei a ilha, DEPOIS de a tempestade já ter passado, os números estavam entre seis a 18 mortes. Ao longo do tempo não aumentou muito. Depois, muito tempo depois do ocorrido, começaram a dar conta de números muito elevados, como 3000", disse Trump no Twitter. "Isto foi feito pelos democratas para prejudicar a minha imagem numa altura em que estava a angariar com muito sucesso mil milhões de dólares para ajudar a reconstruir Porto Rico", acusou. 

"Se uma pessoa morresse fosse pelo que fosse, mesmo que fosse de velhice, eles acrescentavam ao número. Má política. Eu adoro Porto Rico!", diz o Presidente dos Estados Unidos. Donald Trump, contudo, não apresentou nenhum dado que comprovasse que os números oficiais foram manipulados.

Porto Rico, um estado livre associado dos Estados Unidos, divulgou o número contestado por Trump em Agosto, elevando o balanço dos mortos para 2975 pessoas. A contagem foi feita por investigadores da Faculdade de Saúde Pública do Instituto Milken da Universidade George Washington.

Inicialmente, o balanço feito pelas autoridades apontava para 64 mortes, incluindo vítimas directas dos furacões Maria e Irma, por afogamento, estruturas arrastadas pelo vento e queda de edifícios. O balanço final inclui vítimas que morreram nos seis meses que se seguiram à tempestade, resultado da falta de acompanhamento médico e de electricidade e água potável.

As contestações de Trump acontecem no dia em que a costa leste dos Estados Unidos se prepara para o embate do furacão Florence. Durante a madrugada desta quinta-feira, diminuiu da categoria 4 para a categoria 2 na escala de 1 a 5 de Saffir-Simpson.

PÚBLICO -
Aumentar
Sugerir correcção