Nova força europeia de dez mil guardas de fronteira pode estar operacional em dois anos

Comissário europeu para as Migrações veio explicar em que consiste a proposta de expansão do Frontex avançada por Juncker no discurso do Estado da União. Ideias serão discutidas pelos líderes na cimeira informal de Salzburgo da próxima semana.

Fotogaleria
Comissão Europeia quer reforçar a agência de guarda costeira e fronteiras (Frontex) LUSA/A.Carrasco Ragel
Fotogaleria
Bruxelas diz que são força europeia de fronteiras deve chegar aos 10 mil agentes em 2020 LUSA/F.G. Guerrero
Fotogaleria
LUSA/PAQUET

O fortalecimento da agência europeia de guarda costeira e de fronteiras (Frontex) para que comece a funcionar como uma força europeia de policia não põe em causa a soberania dos Estados membros, e o seu destacamento em missões urgentes de resposta rápida não significa a federalização do seu comando, garantiu o comissário europeu que tutela a pasta das Migrações, Assuntos Internos e Soberanias, esta quinta-feira, em Bruxelas. Dimitris Avramopoulos desmentiu ainda que o facto de os agentes do Frontex poderem exercer a força armada representa uma militarização das fronteiras externas da União Europeia.

Um dia depois de Jean-Claude Juncker, ter traçado, no seu discurso do Estado da União em Estrasburgo, as grandes linhas da “estratégia abrangente” desenhada por Bruxelas para responder ao desafio das migrações, o comissário Dimitris Avramapoulos veio explicar em detalhe a sua proposta para “robustecer” o actual sistema de protecção de fronteiras, e desfazer algumas dúvidas resultantes da leitura do documento avançado pelo executivo europeu para "enquadrar" a discussão dos chefes de Estado e governo numa cimeira informal em Salzburgo.

Segundo garantiu Avramopoulos, o objectivo de Bruxelas é reforçar a segurança das fronteiras, barrando a entrada de terroristas ou membros de organizações criminosas, e aliviar a pressão dos fluxos migratórios, tornando mais eficiente a gestão dos pedidos de asilo e dos processos de acolhimento de refugiados e repatriamento de migrantes.

“Nenhum Estado membro sozinho é capaz de resolver este problema [das fronteiras]. A União Europeia não tenciona substituir ou avocar as competências e a soberania dos Estados membros. Mas quer que os países assumam as suas responsabilidades, e para tal está disposta a apoiá-los”, declarou.

A proposta para a expansão do Frontex surge para pôr fim aos constrangimentos que limitam a sua acção, particularmente a sua dependência nas contribuições voluntárias dos países em termos de pessoal e equipamento, enumerou. Para ultrapassar a situação, a Comissão defende uma revisão do seu mandato e o fortalecimento do seu actual contingente de 1500 para os dez mil efectivos (vindos dos Estados membros em destacamentos de curto e longo prazo) até 2020. “Esse é o número que os estudos demonstraram corresponder às necessidades da UE no futuro”, observou Avramopoulos.

Estes guardas de fronteira — fardados com o uniforme do Frontex e autorizados a exercer a força armada — constituirão um novo braço operacional que responderá em caso de necessidade e em função do pedido de um Estado membro. “O consentimento do Estado membro é uma pré-condição”, frisou o comissário. Porém, a proposta prevê que “intervenções de urgência” sejam lançadas sem essa solicitação, “quando esse for o interesse da UE”.

Nas suas missões, os agentes agirão sob a autoridade e o controlo do país onde a operação decorre — na União Europeia, mas também em países terceiros com quem forem assinados acordos de cooperação e apoio. “Já tens um acordo concluído com a Albânia e estamos activamente a negociar com os outros países dos Balcãs. Mas as missões poderão decorrer em nações que não são necessariamente vizinhas”, precisou.

Para dotar esta força com novas capacidades, a Comissão aumentou em 11,3 mil milhões de euros o orçamento destinado ao Frontex no próximo quadro financeiro plurianual, de 2021 a 2027. “A agência ficará assim imposição de adquirir o seu próprio equipamento, embarcações, veículos ou aeronaves, diminuindo a dependência das contribuições dos Estados membros”, disse Avramopoulos.

Primeiro teste em Salzburgo

A cimeira informal de chefes de Estado e governo marcada para o próximo dia 20 em Salzburgo, na Áustria, e subordinada ao tema das migrações, permitirá testar a apetência política dos países e a margem de manobra de Bruxelas para levar por diante as novas propostas legislativas. A Comissão sabe que essa é uma tarefa difícil, e que enfrenta sérias resistências dos Estados membros, muitos dos quais já se mostraram indisponíveis para contribuir com mais verbas para o orçamento comunitário, ou para disponibilizar as suas tropas para este tipo de operações.

Além disso, a questão das competências/soberania nacional também se adivinha delicada: por exemplo, na proposta da Comissão, o Frontex poderá organizar deportações em qualquer país europeu por sua iniciativa, embora a proposta diga que a decisão final de expulsão continue a ser uma prerrogativa nacional.

Os próximos dias (meses) serão de lobby intenso. “Estas são as últimas peças do puzzle da migração. É uma proposta legislativa abrangente, que responde a todos os problemas que os Estados membros enfrentam há anos e oferece soluções para todas as suas necessidades. Se houver boa vontade política de todos os lados, penso que é realista ter o sistema operacional dentro de dois anos”, considerou o comissário, acrescentando que se estas medidas tivessem sido adoptadas antes, a Europa nunca teria tido uma crise como a de 2015.

Além da protecção das fronteiras, a Comissão propôs reforçar a agência europeia de asilo, com mais meios técnicos e operacionais, e um acréscimo de 1,25 mil milhões de euros no orçamento para o período 2021-27. O objectivo é melhorar e acelerar o processamento dos pedidos de protecção dos indivíduos que entram em território europeu, separando os candidatos legítimos ao estatuto de refugiado dos imigrantes económicos, e simplificando os procedimentos, quer para o alojamento, quer para o repatriamento, de forma a travar os movimentos secundários.

Sugerir correcção