EDP vai criar rede de carregamentos eléctricos para frotas empresariais

Empresa vai lançar uma rede paralela à rede pública de carregamentos rápidos gerida pela Mobi.e.

Foto
Vera Pinto Pereira é a administradora executiva da EDP responsável pela área da mobilidade eléctrica Nuno Ferreira Santos

A EDP anunciou esta quinta-feira que vai criar uma rede de postos de carregamento eléctrico rápido para frotas empresariais.

A nova infra-estrutura, que vai assentar em tecnologia da Efacec, é privada, ou seja, não faz parte da rede pública que é gerida pela Mobi.e e está sob alçada do Ministério do Ambiente.

Para já, o projecto vai começar com um piloto junto ao Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia (MAAT), em Lisboa, revelou a EDP em comunicado.

Adiantando que a rede “será complementar à infra-estrutura pública de carregadores”, a EDP esclarece que o piloto instalado junto ao MAAT vai disponibilizar “dois novos carregadores rápidos em Lisboa”.

A empresa (que tem o objectivo de electrificar 100% da sua frota até 2030) está já em “conversações com potenciais utilizadores e municípios” e pretende chegar aos 40 postos de carregamento nesta rede alternativa à da Mobi.e.

A EDP, que “deseja ter um papel central na mobilidade eléctrica” e contribuir de “forma decisiva para a descarbonização através da electrificação do consumo”, é um dos operadores licenciados junto da Mobi.e que ainda aguarda pelo início da cobrança dos carregamentos, que tem sido sucessivamente adiado e difícil de operacionalizar, mas que, segundo o Governo, está para breve.

A par da parceria com a Efacec para a nova rede de carregamentos rápidos e para novas soluções de mobilidade eléctrica para os clientes residenciais, a EDP também estabeleceu uma parceria com a Barraqueiro que “terá como primeira iniciativa a implementação de um projeto-piloto de um autocarro 100% eléctrico, que poderá depois ser alargado à restante infra-estrutura”.