Morreu Paulo Macedo, produtor de moda e ex-director criativo da Vogue Portugal

Começou a carreira como manequim e esteve 15 anos na Vogue Portuguesa, primeiro como director de moda e depois como director criativo. Morreu esta segunda-feira, em Berlim, aos 51 anos.

Fotogaleria
Enric Vives-Rubio / Arquivo 2007
Fotogaleria
Paulo Macedo começou a carreira como manequim Fotografia cedida pela Central Models
Fotogaleria
Paulo Macedo começou a carreira como manequim Fotografia cedida pela Central Models
Fotogaleria
Paulo Macedo começou a carreira como manequim Fotografia cedida pela Central Models
Fotogaleria
Produção de moda de Paulo Macedo Fotografia cedida pela Central Models
Fotogaleria
Produção de moda de Paulo Macedo Fotografia cedida pela Central Models
Fotogaleria
Produção de moda de Paulo Macedo Fotografia cedida pela Central Models
Fotogaleria
Produção de moda de Paulo Macedo Fotografia cedida pela Central Models

Foi uma figura importante na afirmação do design de moda em Portugal e destacou-se como director criativo da revista Vogue, onde trabalhou década e meia. Quem o conhecia recorda o seu sentido de humor e a vontade de ajudar os outros. O ex-manequim e produtor de moda Paulo Macedo morreu esta segunda-feira, aos 51 anos (faria 52 em Outubro), em Berlim. A notícia foi dada pela sua ex-mulher, a maquilhadora profissional Cristina Gomes, nas redes sociais. “Venho aqui tornar público que o Paulo Macedo, com quem partilhei 20 anos da minha vida, faleceu hoje em Berlim”, escreveu. Segundo uma publicação do irmão, Luis Macedo, no Facebook, o motivo da morte foi um ataque cardíaco.

Paulo Macedo desfilou nas Manobras de Maio na década de 1980, participou também como manequim nas primeiras edições da ModaLisboa (que começou em 1991) e posou para publicações como a Máxima, revista onde acabou por dar o salto de manequim para produtor. Quando a Vogue Portugal – na altura parte do grupo Cofina – arrancou, em 2002, tornou-se director de moda, passando mais tarde a assumir o título de director criativo.

Para Paula Mateus, então directora da Vogue Portugal – revista que no ano passado passou para a tutela do grupo Lighthouse – que o convidou, “foi a escolha mais óbvia”. Ao PÚBLICO, a ex-directora recorda o produtor como “um grande esteta”, “um curioso”, e “uma peça fundamental” na evolução da revista.

“Tinha uma imaginação impressionante”, conta Paula Mateus. “Mesmo no início da carreira, agarrava nas coisas todas, juntava-as e depois descodificava-as. Ia para uma produção, levava uma trouxa às costas com tudo e depois, no momento, ia criando. E aquilo saía-lhe genuinamente. Era capaz de utilizar peças que não tinham nada a ver umas com as outras, que nós não imaginávamos que pudessem ser utilizadas daquela forma”.

PÚBLICO -
Foto
Produções de Paulo Macedo Imagens cedidas pela Central Models

“Ele adorava brincar com as coisas kitsch", diz o produtor de moda Filipe Carriço recordando o colega. “Era completamente teatral e sabia mostrar as peças de uma forma divertida. Estava sempre um bocadinho à frente do que se fazia naquele tempo, pelo menos relativamente ao que se fazia em Portugal. Fazia os editoriais mais bonitos e na Vogue conseguiu desenvolver o trabalho dele de uma forma consistente".

Eduarda Abbondanza, presidente da ModaLisboa, recorda Paulo Macedo como alguém que "além de ter sido um brilhante stylist e um óptimo modelo, era também um querido amigo". "Era extremamente culto e amava a moda", diz ainda, destacando a sua postura como "um dos grande mentores do Sangue Novo", uma plataforma integrada na ModaLisboa, que arrancou em 2013 para dar espaço a novos criadores.

“É o meu mentor na moda, em Portugal”, admite Filipe Carriço. “Quando tinha uma dúvida ligava-lhe e ele estava sempre disponível”. Era uma pessoa com “um enorme sentido de humor” e “reflectia nas suas produções aquilo que era como pessoa”, remata.

Entre os vários trabalhos que Paulo Macedo fez ao longo dos anos, Filipe Carriço destaca, por exemplo, aqueles que o produtor fez em colaboração com o fotógrafo polaco Marcin Tyszka. Também Tó Romano, um dos fundadores e actuais directores da Central Models, lembra que Paulo Macedo foi responsável pela vinda de excelentes fotógrafos a Portugal. "Ao longo daqueles anos, as produções de moda da Vogue portuguesa não ficavam rigorosamente nada atrás das produções das revistas internacionais”.

Paulo Macedo abandonou a Vogue em 2017, quando se deu a mudança da tutela da revista da Cofina para a Lighthouse. Nas redes sociais, a Vogue recorda o produtor como “uma figura incontornável da história do título em Portugal”, lamentando “profundamente a morte inesperada”. No último ano, Paulo Macedo tinha voltado a colaborar com a revista Máxima, enquanto produtor de moda.

Da passerelle para as produções

Tó Romano começou a carreira de modelo ao lado de Paulo Macedo e acabou por agenciá-lo, durante alguns anos, depois de fundar a Central Models, em 1989. “Ele e o Paulo Pires eram os dois modelos da Central preferidos de todos os criadores de moda, naquela época em Portugal”, lembra. “Sendo natural do Porto, além de fazer desfiles para todas as escolas do estilismo, tornou-se amigo de todos os criadores. E era bastante participativo na construção das suas carreiras”.

PÚBLICO -
Foto
Imagem cedida pela Central Models

Mantinha-se muito “atento àquilo que se passava lá fora” e depois fazia circular esse conhecimento pelos vários criativos. “Ajudou a instruir fotógrafos de moda que nessa altura também estavam a dar os primeiros passos. Acabava por ser um embaixador da moda internacional em Portugal.”

No que toca à indústria criativa da moda, nesse final dos anos 1980 e início dos anos 1990, estava tudo a arrancar – refere Tó Romano -, desde as primeiras edições da imprensa especializada ao início da carreira de muito dos criadores de moda actuais. “Havia uma preocupação para que a moda portuguesa se afirmasse como actual, a par da moda internacional. Estávamos a recuperar tempo perdido”.

O epicentro de toda esta a actividade, refere Tó Romano, era o Bairro Alto, em Lisboa, onde se juntavam os criativos da moda portuguesa – bem como de muitas outras áreas – e onde alguns estilistas abriram então as suas primeiras lojas.“O Paulo Macedo é um dos personagens que estava nessa movida”, recorda o fundador da Central Models. 

Notícia corrigida às 12h47. Foi alterada a idade de Paulo Macedo. Mais tarde foi acrescentada a causa de morte.