ModaLisboa e Portugal Fashion unem-se: vai nascer uma nova semana da moda portuguesa

A primeira edição acontece já em Outubro, com o primeiro fim-de-semana a ser da ModaLisboa, em Lisboa, e o fim-de-semana seguinte do Portugal Fashion, no Porto.

Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Eduarda Abbondanza, presidente da ModaLisboa, e Adelino Costa Matos, presidente da ANJE/ Portugal Fashion, durante a celebração do protocolo de cooperação entre a ModaLisboa e a ANJE LUSA/FERNANDO VELUDO
Fotogaleria
O primeiro-ministro, António Costa, acompanhado pelo secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, por Adelino Costa Matos (à direita), presidente da ANJE/ Portugal Fashion, e por Eduarda Abbondanza, presidente da ModaLisboa, no final da celebração do protocolo de cooperação entre ANJE LUSA/FERNANDO VELUDO

A nova semana da moda portuguesa acontece em Outubro e junta, pela primeira vez, a ModaLisboa e o Portugal Fashion na organização, deixando de haver dois eventos de moda "dessincronizados", avançou esta quarta-feira à Lusa fonte oficial. O protocolo entre as organizações foi assinado terça-feira, com a presença do primeiro-ministro, António Costa.

A nova semana da moda portuguesa surge como uma versão beta, uma espécie de estágio ainda de desenvolvimento, com o primeiro fim-de-semana a ser da ModaLisboa, em Lisboa, e o fim-de-semana seguinte do Portugal Fashion, no Porto, e "com ambas as equipas a ter um esforço coordenado", avança à Lusa Adelino Costa Matos, presidente da Associação Nacional dos Jovens Empresários (ANJE), entidade organizadora do Portugal Fashion.

"A perspectiva futura é que exista uma semana da moda nacional e que tem eventos no Porto e em Lisboa. E tentarmos durante a semana ter potencialmente eventos conjuntos que possam tornar isso numa semana da moda portuguesa e não dois eventos de moda, de alguma forma, dessincronizados", acrescenta Adelino Costa Matos. Sublinha ainda a importância de "rentabilizar ao máximo o investimento" feito.

O protocolo assinado na terça-feira entre o Portugal Fashion e a ModaLisboa, em Matosinhos, define a intenção das associações coordenarem estilistas, organização dos eventos e outras actividades, com o objectivo de "criar escala", "massa crítica" e "criar valor", sendo que neste momento as medidas para realizar uma nova semana de moda portuguesa ainda não estão fechadas.

"Está tudo em discussão e coordenação, sendo que há uma ou duas questões mais práticas que vamos já executar na próxima edição" e que vai "servir como uma versão beta para o futuro, para nos entendermos, nos coordenarmos e trabalharmos em conjunto e a partir daqui cada vez mais termos esforços superiores", acrescentou.

PÚBLICO -
Foto

Segundo Adelino Costa Matos, mais do que ver se corre bem, é preciso "começar a trabalhar". "São duas associações que estiveram de alguma forma separadas durante 20 anos e que agora têm uma intenção clara de trabalhar em conjunto e esta primeira versão será uma óptima oportunidade de trabalhar e percebermos em que áreas somos mais fortes e criar mais valor trabalhando em conjunto", realçou.

Já em entrevista ao PÚBLICO, em Outubro do ano passado, o presidente da ANJE assumia a vontade de unir esforços entre organizações. "Temos de pensar o que é melhor para o país. Até porque todos nós investimos recursos nacionais", defendia então.

Costa satisfeito

António Costa, presente na assinatura do protocolo, deu os parabéns à ModaLisboa e ao Portugal Fashion por terem conseguido assinar um protocolo de cooperação para a promoção, nacional e internacional, da moda portuguesa após duas décadas a trabalhar de forma individual. "Verifico com muita satisfação que hoje já não é preciso pensar, sonhar. [O protocolo de cooperação] é hoje uma realidade. Muitos parabéns e muito obrigado por este acordo", declarou o primeiro-ministro, durante a cerimónia, que decorreu na Casa da Arquitectura, em Matosinhos.

Costa sublinha o documento como "muito importante para o país", designadamente para ajudar a alavancar as exportações portuguesas até 2030, cuja meta traçada é chegar aos 50% do Produto Interno Bruto.