Catalunha

Um milhão de catalães enche a Diagonal de Barcelona e reclama independência

Catalães celebram Dia Nacional da Catalunha pedindo novo referendo e libertação dos “presos políticos”. Autoridades apontam para um milhão de participantes.
Fotogaleria

O principal evento das celebrações do Dia Nacional da Catalunha, que assinala a derrota de 1714 na Guerra da Sucessão, contou com a participação massiva dos catalães. A longa marcha na Avenida Diagonal de Barcelona arrancou oficialmente às 17h14 (menos uma hora em Portugal) desta terça-feira e juntou cerca de um milhão de pessoas no centro da cidade.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Sob o lema “Façamos a república catalã”, ouviram-se gritos de independência e pedidos de liberdade para os dirigentes políticos presos ou auto-exilados na sequência do processo secessionista iniciado há cerca de um ano.

A organização da marcha, a cargo da ANC (Assembleia Nacional Catalã), falava em 460 mil inscritos – mais de 1500 autocarros transportaram manifestantes oriundos de vários pontos da Catalunha. Mas a Guàrdia Urbana de Barcelona estima uma participação de cerca de um milhão de pessoas, espalhadas pelo trajecto entre a praça Glòries e o Palau Reial.

Esta foi a primeira Diada desde o referendo secessionista – considerado ilegal por Madrid – do dia 1 de Outubro do ano passado e da declaração de independência de Novembro no parlamento catalão. 

Com o parlament praticamente bloqueado devido à falta de uma solução, no bloco independentista, para resolver o problema colocado pela impossibilidade do ex-presidente Carles Puigdemont poder votar, e as forças independentistas ainda a tentar perceber que abordagem pretendem para lidar com o Governo socialista de Pedro Sánchez, a marcha deste ano serve para avaliar o estado de ânimo do independentismo.

Desde 2012 que a Diada é um verdadeiro palco para a exaltação da causa independentista e que conta com membros do governo catalão. Para os espanholistas, no entanto, o dia 11 de Setembro transformou-se numa “festa xenófoba” – a expressão já foi utilizada por dirigentes do PP catalão.