Câmara de Braga vê Altice Forum como passo no caminho rumo à Capital Europeia da Cultura

O maior espaço para eventos em Braga foi oficialmente inaugurado nesta terça-feira, com a presença do Presidente da República. Para o presidente da Câmara, Ricardo Rio, o equipamento pode ajudar a cidade a tornar-se Capital Europeia da Cultura, em 2027.

Foto
LUSA/HUGO DELGADO

Aberto ao público desde o final de Abril, o Forum Braga foi oficialmente inaugurado nesta terça-feira, já sob a pele de Altice Forum, nome associado ao contrato estabelecido entre a Câmara de Braga e a operadora de telecomunicações, que vai garantir à autarquia uma receita de um milhão de euros para os próximos três anos.

Equipada com os maiores auditório (1.454 lugares) e sala de espectáculos do Norte (12 mil pessoas), a infra-estrutura conta ainda com um centro de congressos com capacidade para 250 pessoas e com uma galeria de arte contemporânea. Para o presidente da câmara de Braga, Ricardo Rio, o Forum surgiu no lugar do antigo Parque de Exposições de Braga com um posicionamento que, graças aos concertos na sala de espectáculos e às exposições na galeria de arte – a exposição “You’ve eaten roses, now you’ll drink the moon!”, com obras de arte da Fundação Leal Rios, de Lisboa, é inaugurada nesta quarta-feira -, pode contribuir para o sucesso da candidatura da cidade a Capital Europeia da Cultura, em 2027.

“Daqui a uma década, esperemos que este seja um dos palcos da programação vibrante de Braga Capital Europeia da Cultura 2027”, disse o autarca, no auditório do Forum, face a uma plateia onde se incluía o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral.

Também vocacionado para a organização de feiras e de congressos, o espaço já recebeu cerca de 100.000 pessoas em 40 eventos, desde o final de Abril. Requalificado desde Junho de 2017, em cerca de 10 meses, com um custo de cerca de 8,5 milhões de euros (sem IVA), o Forum é, para Ricardo Rio, mais uma prova que Braga é um dos “motores do desenvolvimento de Portugal”, quer pela ligação estabelecida entre a Universidade do Minho e as empresas, quer pela capacidade para atrair investimento – multinacionais como a Bosch e a Fujitsu operam no município.

Marcelo realça dinamismo de Braga

Além de se fazer de “história, património, cultura e religião”, a maior cidade minhota também se faz hoje de dinamismo social, graças à juventude da população, e de crescimento económico, disse o Presidente da República. Marcelo Rebelo de Sousa destacou o crescimento de 101% nas exportações do município entre 2013 e 2017 – rondaram os 1.500 milhões de euros no ano passado, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística – e também do emprego, bem como a “qualidade do concelho para viver”. O Forum, referiu ainda, deve ser um “espaço democrático” que permita valorizar a cidade.

Já Manuel Caldeira Cabral, que leccionava na Universidade do Minho antes de se tornar ministro da Economia, sublinhou que Braga é uma das cidades que, graças à sua “ambição”, está a ajudar a mudar o país.