Reportagem

Nem o "TGV" do PCP se livra de queixas dos utentes

A um ano de eleições, PCP vai afinando pedido de votos para evitar maioria no PS. Comunistas defendem que têm feito a diferença e que PS não conseguiria mudar o rumo "nem sozinho, nem mal acompanhado".

Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria
Miguel Manso

À hora de ponta, há fila. Há reclamações, mesmo que às vezes por entre risos. “Ó camarada, a fila começa ali, não vale passar à frente”. Há sobrelotação e o ar condicionado é o da rua. O “TGV”, o nome gravado no comboio da Festa do Avante!, anda a pouco mais de dez à hora, nem poderia andar a mais. Também não há muitas paragens, apenas cinco, e quando o comboio passa não dá para apanhá-lo a meio caminho. Vai cheio. Mas é grátis e serve para quem tem mobilidade reduzida ou ande com crianças ao colo.

Numa altura em que se fala tanto da ferrovia, o PCP decidiu apostar fichas nos comboios na festa, a sua rentrée política. Primeiro, fretou à CP o habitual comboio especial que levou militantes de todo o país até à estação dos Foros de Amora; depois, para circular dentro do recinto na Quinta da Atalaia, alugou um pequeno comboio turístico. Pelo caminho, acabou por registar queixas semelhantes àquelas que os utentes fazem aos comboios da CP, mas num tom paciente de quem tudo perdoa pela boa iniciativa.

Fernanda Rocha está há cinco minutos à espera e já sabe que, pelo menos, terá de esperar mais 20, o tempo previsto para que o comboio vá da entrada ao parque das merendas. “Achamos uma boa ideia, é pena ser só um comboio. Pode ser que para o ano ponham mais”, diz. À espera na paragem, estarão umas 30 pessoas naquela tarde de domingo. “Mas sabe, eles dão prioridade às crianças”, atira um senhor.

“É uma experiência. Foi o primeiro ano”, explica o 'pica'. Aqui, as viagens são grátis, pelo que o funcionário do partido tem apenas como tarefa organizar o amontoado de gente que quer entrar. É um pequeno comboio turístico, que leva 50 pessoas de cada vez. Às vezes uns quantos a mais, já que há crianças ao colo ou uns quantos adultos que se apertam nas pequenas carruagens.

Sai sobrelotado porque a procura é maior do que a oferta o que, nas horas de maior afluxo à entrada do Avante!, provoca descontentamentos aos potenciais utilizadores. A primeira queixa é o tempo de espera: entre ir até ao parque das merendas e voltar, com as paragens pelo caminho, demora pelo menos 20 minutos, o que faz baixar a frequência de passagem. E muitos só se apercebem se estão ou não elegíveis a utilizar o comboio quando estão na fila. Afinal, esta experiência do PCP é para ajudar as pessoas com mobilidade reduzida e quem tem crianças e não para quem quer.

"Para este não é preciso passe"

A novidade vai andando para cima e para baixo no recinto da Quinta da Atalaia. "Triiiiimm", avisa aos mais desatentos ou desabituados a ver naquele espaço um comboio. A intenção era boa, mas o PCP foi um pouco vítima do sucesso pelas elevadas expectativas do serviço. É preciso aumentar o investimento e para o ano alugar mais material circulante, dizem. É preciso informar melhor as pessoas e organizar as filas. “É normal haver queixas. Ainda nos estamos a habituar”, vai explicando o 'pica' enquanto enche o comboio.

PÚBLICO -
Foto
Miguel Manso

Bernardino Soares, presidente da Câmara de Loures, e Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, vão a pé, ainda não andaram no comboio. Bernardino vê logo diferenças, numa altura em que Medina é o rosto da proposta de redução do preço dos passes. "Este está incluído na EP [Entrada Permanente], não é preciso passe", ri. 

A falta de material circulante, que em pequena escala afecta esta festa, é um dos problemas a nível nacional e que encabeça as críticas do PCP, mas não só. Manuel Gouveia, do comité central, carrega no acelerador para lembrar ao Governo que faz "conferências de imprensa atrás de conferências de imprensa" a anunciar que vai comprar comboios, "mas ainda não lançou concurso nenhum". O comunista falava ao microfone num dos debates da Festa do Avante!, este sobre "Transportes e mobilidade, mais e melhor serviço público", para concluir que "começa a ser insustentável não comprar comboios". 

O PCP não quer apenas comprar comboios, quer que se pense numa forma de os produzir, uma vez que os comboios comprados à Alemanha e à França são muito caros, os que são alugados a Espanha "são sucata que aí anda" e desde que a Sorefame fechou não se compraram mais comboios novos.

E se os problemas se agravaram em décadas, este Governo "minoritário do PS" não escapa a críticas, apesar de Gouveia considerar que até foram feitas algumas medidas que ajudaram a travar a degradação dos serviços dos comboios, mas "passado o impulso inicial" de paragem das privatizações e dos despedimentos nas empresas públicas de transporte, pouco ou nada fez.

Os problemas, lembrou, não se avolumam apenas pela não compra de comboios, mas porque não há contratação suficiente de pessoas para fazer face às saídas para a reforma. "Prometeu, prometeu, prometeu, prometeu, mas travou o despedimento, mas a contratação não foi feita. Ouvimos que vão ser contratados, mas não entrou gente em número suficiente para travar os que saem para a reforma". Isto faz com que haja cada vez mais "problemas operacionais".

Manuel Gouveia avisa para dois problemas emergentes: a linha de Cascais "está em ruptura absoluta" e a linha de Sintra e Azambuja tem material circulante em fim de vida. "Daqui a sete anos estamos com a principal linha do país sem material circulante", alerta.

PÚBLICO -
Foto
Miguel Manso

A "pós-verdade" de Costa

Esta ideia que este Governo fez algumas coisas boas, e nas quais o PCP teve papel fulcral, mas faltam muitas mais, a que o PCP pressiona e quer pressionar, atravessou vários debates na Festa do Avante!. Os comunistas debatem-se entre terem um pé dentro - o que pressiona para que coisas boas tenham avançado - e um pé fora - aquele que diz que o Governo "minoritário do PS" continua a ceder a interesses, sobretudo aos europeus, que dificultam investimentos e medidas mais progressistas.

A síntese dessa ideia e o pedido para que não se dê maioria ao PS, porque a pressão do PCP até tem funcionado, foi dada por Carlos Gonçalves, num debate no sábado sobre "Política patriótica e de esquerda". "Esta nova fase só aconteceu graças ao PCP. Tivesse o PS maioria parlamentar e nunca se verificaria qualquer significativa defesa, reposição e reconquista de direitos, mesmo que com limitações", disse o membro do comité central.

O PCP parece gostar da experiência de influenciar o rumo da governação e por isso pede que não se dê maioria aos socialistas, nem que este consiga fazer maioria com outros partidos: "O PS não tem condições para desatar o novelo das políticas de direita, nem sozinho nem mal acompanhado. Não é verdade que mais votos no PS, como diz António Costa, signifique mais avanços. É uma pós-verdade". No pós-Avante! se verá se será verdade que o PCP dará de novo apoio a um Orçamento do Governo, o último antes das legislativas que abrirão (ou não) caminho a uma nova "geringonça".