Opinião

Obviamente Costa conta com o ovo no dito cujo da galinha

Politicamente, o melhor que podia acontecer agora ao PS era mesmo uma crise política à volta de discordâncias sobre o Orçamento do Estado.

Jerónimo de Sousa, o secretário-geral do PCP, é um caso excepcional no uso lúdico que faz da língua portuguesa. Segue-se, embora a grande distância, o Presidente da República (no tempo em que era comentador saía-lhe recorrentemente a expressão "não lembra ao careca").

Atingiu o seu limite de artigos

A liberdade precisa do jornalismo. Precisa da sua escolha.

Não deixe que as grandes questões da sociedade portuguesa lhe passem ao lado. Registe-se e aceda a mais artigos ou assine e tenha o PÚBLICO todo, com um pagamento mensal. Pense bem, pense Público.

Ontem, na Festa do Avante!, depois das declarações entusiasmadas do secretário de Estado mais próximo da geringonça que este Governo tem – Pedro Nuno Santos – segundo as quais o Orçamento estaria praticamente aprovado na base de “não há três sem quatro”, Jerónimo tentou arrefecer a coisa. E fê-lo torneando uma expressão cujo significado é de alcance nacional: “É preciso não contar apressadamente com o ovo no dito cujo da galinha”.

Mas é este um problema central para o PCP – e também para o outro parceiro da geringonça, o Bloco de Esquerda. Costa e o seu Governo contam, de facto, com o ovo no dito cujo da galinha com uma vantagem supletiva: no caso de não existir ovo, ou seja, aprovação do Orçamento do Estado pela esquerda, Costa tem neste momento a possibilidade de alcançar uma maioria absoluta. É esta a conjuntura actual – e que circunstâncias imprevisíveis podem impedir que aconteça daqui a um ano. Com um Bloco ainda abananado com o caso Robles e um PSD inexistente, o quadro político favorece em grande escala o PS e o Governo. Estão fragilizadas as condições para uma negociação dura, por parte dos parceiros de esquerda, do Orçamento.

O PCP já percebeu e desistiu de associar a reposição do tempo de serviço dos professores à aprovação do Orçamento do Estado. Qualquer radicalização por parte dos partidos à esquerda do PS ajuda António Costa e pode prejudicar seriamente os parceiros do Governo. O BE, por exemplo, ainda precisa de tempo para que a memória sobre o caso Robles se desvaneça.

Politicamente, o melhor que podia acontecer agora ao PS era mesmo uma crise política à volta de discordâncias sobre o Orçamento do Estado. É por isso que Costa conta com o ovo no dito cujo da galinha e tem razões para isso. Se o PS não der com o ovo nesta galinha, pode sair-lhe a galinha dos ovos de ouro. Toda a geringonça sabe destas artes de capoeira e alquimia e que a tentação pode ser irresistível.