Angola

MPLA tem pela primeira vez uma mulher na vice-presidência

Luísa Damião, que venceu na votação no Comité Central Carolina Cerqueira, actual ministra da Cultura, é antiga jornalista e deputada.
Foto
O congresso extraordinário do MPLA realizou-se sábado em Luanda Ampe Rogerio/EPA

Pela primeira vez desde a fundação do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA, o partido no poder no país), em 1956, uma mulher foi eleita vice-presidente - trata-se de Luísa Damião, antiga jornalista e deputada desde 2012. 

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

 A número dois do partido, formada em Comunicação Social, foi conselheira de imprensa da embaixada angolana em Cuba e, entre 2007 e 2009, foi directora de informação da agência Angola Press-ANGOP.

Luísa Damião venceu na votação no Comité Central Carolina Cerqueira, actual ministra da Cultura.

O Presidente de Angola, João Lourenço, que no sábado foi eleito presidente do MPLA, disse no discurso de encerramento do congresso do partido que haveria mais mulheres e mais jovens nos órgãos directivos. 

O Comité Central elegeu também Álvaro de Boavida Neto como secretário-geral do partido, substituindo António Paulo Kassoma. Nascido no Huambo em 1959, Neto foi governador da província do Namibe.  

A primeira reunião do Bureau Político do MPLA já sob a liderança de João Lourenço está agendada para segunda-feira, para a eleição do novo secretariado de um dos principais órgãos da direcção do partido.

Numa intervenção na reunião do Comité Central, após o encerramento do congresso de sábado, João Lourenço disse, citado pela Lusa, que a nova lista do Bureau Político não foi ainda divulgada por apresentar algumas imprecisões nos nomes, além da necessidade de se dar uma outra ordem à lista, em que a vice-presidente do partido e o secretário-geral devem ocupar a segunda e terceira posições.

João Lourenço frisou que é com esta equipa que pretende "jogar daqui para a frente". "Acredito que vou encontrar a correspondência que espero, sobretudo trabalho e dedicação. Este é o critério principal que conta para mim. Mãos à obra. Temos muito trabalho pela frente", disse.